.....................................................
Que bom que você entrou Convidado
Últimos assuntos
» O Jesus diferente do Espiritismo
Ontem à(s) 7:39 pm por David de Oliveira

» Renan é afastado da presidência do Senado após tornar-se réu por peculato
Ontem à(s) 6:53 pm por David de Oliveira

» Oportunidades de emprego
Ontem à(s) 3:55 pm por Christiano

» Noticiário Escatológico
Ontem à(s) 3:33 pm por Jarbas

» Absurdário Escatológico
Ontem à(s) 9:56 am por Ed

» Olá...
Sex 09 Dez 2016, 10:25 pm por Ed

» Qual a verdadeira intenção dos organizadores das manifestações?
Sex 09 Dez 2016, 7:40 pm por Lit San Ares

» Meditações da Bíblia
Sex 09 Dez 2016, 4:59 pm por Discipulah

» Só há um jeito do Lula perder a próxima eleição!
Sex 09 Dez 2016, 7:36 am por gusto

Quem está conectado
60 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 60 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 2364 em Seg 19 Dez 2011, 5:49 pm
Consulta Bíblica
Ex: fé - Ex: Gn 1:1-10

O Valor da Ignorância - Júlio César Burdzinski

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

n?o O Valor da Ignorância - Júlio César Burdzinski

Mensagem por Luís em Dom 14 Dez 2008, 6:51 pm

“Só sei que nada sei”. Esta talvez seja a mais famosa sentença da História da Filosofia. Quem já não a ouviu? E quantos já não a pronunciaram em alguma ocasião? A sentença é originalmente atribuída a Sócrates, o filósofo seminal da Filosofia clássica grega. Sócrates não registrou em texto seus ensinamentos, mas o mais famoso de seus discípulos, Platão, nos legou uma extensa obra. Esta obra é majoritariamente composta por diálogos.

Também majoritariamente, estes diálogos têm em Sócrates seu personagem central. Se os diálogos platônicos estão mais próximos de ser uma exposição literal das palavras de Sócrates, ou uma criação filosófica e literária de Platão, não é importante aqui. O que sim importa é que Sócrates nos aparece como alguém que busca o conhecimento, alguém que questiona os supostos sábios sem se considerar sábio ele mesmo.

É a esse caráter ao mesmo tempo crítico e despretensioso de Sócrates que a sentença “Só sei que nada sei” se refere: crítico em relação ao suposto conhecimento alheio; despretensioso em relação ao que ele próprio conhece. Pois um conhecimento que não se sustenta diante da investigação racional não é de fato um conhecimento. É apenas algo que se parece com o conhecimento sem de fato o ser. É um pseudo-conhecimento. E, como Sócrates não cansa de nos lembrar, nada nos afasta mais do conhecimento do que o pseudo-conhecimento.

Ocorre que não é preciso buscar aquilo que já temos. Assim, se pensamos ter o conhecimento, também pensamos não precisar buscá-lo. Daí porque, se estamos iludidos a esse respeito, essa ilusão é o maior bloqueio para a obtenção do conhecimento. Como já disse alguém, não há melhor prisão do que aquela que não se parece com uma prisão. Para que tentemos nos libertar de nossas amarras, antes devemos nos dar conta de que estamos amarrados. Para que tentemos alcançar o conhecimento, antes devemos nos dar conta de que somos ignorantes.

É somente na seqüência dessa descoberta, da descoberta de nossa própria ignorância, que podemos nos colocar no caminho da busca do conhecimento. Se estivermos aprisionados, todo adereço acrescentado à prisão servirá apenas para esconder ainda mais a natureza dessa prisão. Nenhum enfeite afixado nas paredes que nos encadeiam servirá para derrubá-las, nenhum ornamento nos libertará. A liberdade precisa começar pelo desnudamento de nossas cadeias, pelo desmascaramento das ilusões que nos confundem, pela denúncia de todo pseudo-conhecimento.

Mas já basta de metáforas. Que tipo de prisão é exatamente essa prisão formada pelo pseudo-conhecimento? É uma prisão mental. É o nosso espírito, são as nossas idéias e o nosso raciocínio que estão neste caso encarcerados. Como se chama essa prisão? Há várias delas, de fato, e muitas nos são familiares. Preconceito, estreiteza de espírito e indolência são alguns de seus nomes. Como podemos escapar de tais prisões? Pela crítica atenta e ativa dos preconceitos, pelo esforço consciente e incessante para ampliarmos os limites de nosso espírito, questionarmos nossas próprias idéias e aguçarmos nosso raciocínio." (Segue...)

Luís
Pollux
Pollux

Número de Mensagens : 4099
flag : Canada
Data de inscrição : 08/12/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

n?o Re: O Valor da Ignorância - Júlio César Burdzinski

Mensagem por dedo-duro em Ter 16 Dez 2008, 12:47 am

Difícil é fazer uma crítica sem sucitar raiva.

dedo-duro
Pollux
Pollux

Número de Mensagens : 4236
flag : Brasil
Data de inscrição : 19/08/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

n?o Re: O Valor da Ignorância - Júlio César Burdzinski

Mensagem por Luís em Ter 16 Dez 2008, 8:35 am

.
Já passei da fase da raiva. Hoje compreendo perfeitamente a religião. É humana, profundamente humana. Somos nós, imperfeitos e dependentes como somos. Sensíveis à escassez e todas as outras ameaças à vida e à integridade.

Mas não a defendo como forma de educação moderna. Acho que estamos em seu ocaso. O ocaso de uma ilusão multimilenar.


"A razão de eu jamais haver visto teu deus é que ele está na tua imaginação."

Luís
Pollux
Pollux

Número de Mensagens : 4099
flag : Canada
Data de inscrição : 08/12/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

n?o Re: O Valor da Ignorância - Júlio César Burdzinski

Mensagem por Conteúdo patrocinado Hoje à(s) 11:48 am


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum