.....................................................
Que bom que você entrou Convidado
Quem está conectado
30 usuários online :: 1 usuário cadastrado, Nenhum Invisível e 29 Visitantes :: 2 Motores de busca

Khwey

O recorde de usuários online foi de 2364 em Seg 19 Dez 2011, 5:49 pm
Consulta Bíblica
Ex: fé - Ex: Gn 1:1-10

Entrevista a Leandro Karnal

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Entrevista a Leandro Karnal

Mensagem por rbarros em Sex 25 Dez 2015, 10:53 am

Então, faço aqui a pergunta que você acha a mais correta: é possível ser religioso e virtuoso ao mesmo tempo?

Leandro Karnal: É possível, porque a religião é um signo aberto. Sempre dou o exemplo em sala de aula, na Unicamp, que o movimento pela reforma agrária, o MST, nasceu em sacristias de igreja e na obra de Dom Tomás Balduíno, da Pastoral da Terra. O movimento da TFP [Sociedade Brasileira de Defesa da Tradição, Família e Propriedade], inimigo mortal da reforma agrária, nasceu também na sacristia de igrejas. É possível que a religião faça pessoas lutarem pela justiça social e é possível que a religião seja um poderoso elemento de justificação das injustiças sociais. Religião é um signo aberto. Algumas pessoas são equilibradas porque são religiosas, e outras são desequilibradas porque são religiosas. A religião não é nada em si. E não tem nada a ver com caráter. A associação entre caráter e religião é um esforço dos religiosos. Há pessoas religiosas de excelente caráter e há pessoas religiosas que são completos filhos da p*** em qualquer aspecto da expressão. Isto não produz algo. Agora, acho que a moral mais fácil de ensinar é a moral religiosa. Do ponto de vista behaviorista da psicologia comportamental, a religião é o elemento mais fácil de ser ensinado como moral, especialmente em um primeiro estágio. Agora, o mundo religioso é um mundo violento, e o mundo ateu é um mundo violento.

É impossível destacarmos esse princípio violento do ser humano sem falarmos aqui dos recentes ataques em Paris perpetrados por extremistas ligados ao Estado Islâmico. Você enxerga qualquer possibilidade de alterarmos para melhor a configuração mundial de direitos e respeitos universais humanos sem um diálogo com tais extremistas?

Leandro Karnal: Acho que há um grau de preconceito de radicalismo, que talvez seja comum a alguns fundamentalistas do Estado Islâmico, comum a alguns nazistas, comum a algumas personagens deste naipe, que não são possíveis para estabelecer um diálogo, porque todo o ser deles obtém toda a energia vital e toda a sua identidade do ódio. Não creio que sejam pessoas capacitadas para um diálogo. Não creio que um fundamentalista, líder do Estado Islâmico, ou um clássico nazista, ou qualquer outra personagem assim seja capacitada para um diálogo. Há um grupo, que talvez até pertença ao Estado islâmico, que é mais aberto, talvez, ao diálogo. Mas o líder fundamentalista, este não existe sem o ódio, sem a morte, sem a violência. Ele não tem outra maneira de existir. Então, acredito na combinação de duas coisas: coerção contra os agressores, contra bárbaros que não aceitam a existência de outros, sejam esses quais forem, e consenso, que é dado pela educação, pelo estímulo ao debate, ao senso crítico, pela igualdade social maior, pelo fim da miséria e da fome e assim por diante. Mas acho, de novo, que deve ser a minoria que faz um barulho enorme; mas é a minoria. O indivíduo violento nas suas convicções é uma minoria. Existe uma grande massa que não é violenta nas suas convicções e esta, sim, pode ser trabalhada pela educação, pode ser trabalhada pelo debate, pode ser trabalhada por estímulos ao contraditório para poder conviver com a diferença de uma tolerância ativa, o que significa que eu rejeito a intolerância, mas rejeito também a tolerância passiva, aquela que diz: “não tenho nada contra X e Y, desde que não sentem ao meu lado”. Isso é tolerância passiva. A tolerância ativa, que é o meu desejo e que é a minha utopia, é o dia que eu entender que a diferença não me enfraquece, mas me fortalece. E eu não ser o padrão do mundo, além de ser uma alegria para o mundo e uma felicidade, faz com que eu possa ver as questões sob pontos de vista distintos.

Para encerrar, Leandro, seja pela visão do historiador seja de um indivíduo comum apenas, você acredita que teremos um mundo mais generoso?

Leandro Karnal: Um dos axiomas, um dos princípios mais fundamentais da história, é que ela é feita por homens; ela não é feita por forças extra-humanas. Isso significa que tudo o que nós temos hoje pode ser transformado para melhor ou para pior. Mas, se nós lembrarmos que há 20 anos ninguém usava cinto de segurança, e que a junção de dois elementos, coerção e consenso, transformou por completo a relação do brasileiro com o cinto de segurança – multas mais educação no trânsito –; se nós lembrarmos que há 50 anos nenhum de nós pensava na questão da água e que hoje quase todas as crianças, nas escolas, têm uma consciência hídrica muito maior do que havia na minha infância, significa que as pessoas podem ser transformadas para melhor ou para pior. Então, estabeleço como princípio possível, afirmativa categórica, que sim: é possível transformar o mundo para um mundo melhor, menos injusto, menos preconceituoso, que se livre de todas as suas mazelas, como o racismo, a misoginia, a homofobia, a demofobia ou quaisquer outros problemas. Nós podemos lutar por um mundo melhor. Isso é possível e é exequível. Porém, se isso vai acontecer, vai depender de uma resposta muito relevante dada por mim, por você, por quem está lendo esta entrevista ou por quaisquer outras pessoas que possam agir a esse respeito. Mas não há forças externas aos homens. A sociedade do futuro será o que nós fizermos, e isto é possível melhorar.

*Trecho da entrevista a Revista Cultura - Dez/2015


Que o espírito dos selvagens permaneça um espírito selvagem!

rbarros
Moderador Espírita
Moderador Espírita

Número de Mensagens : 1400
Idade : 53
Localização : São Paulo - Capital
flag : Brasil
Data de inscrição : 14/05/2012

http://www.vigilia.com.br/vforum/viewforum.php?f=16

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Entrevista a Leandro Karnal

Mensagem por rbarros em Sab 26 Dez 2015, 2:19 pm

Link da entrevista:

Revista Cultura


Que o espírito dos selvagens permaneça um espírito selvagem!

rbarros
Moderador Espírita
Moderador Espírita

Número de Mensagens : 1400
Idade : 53
Localização : São Paulo - Capital
flag : Brasil
Data de inscrição : 14/05/2012

http://www.vigilia.com.br/vforum/viewforum.php?f=16

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Entrevista a Leandro Karnal

Mensagem por gusto em Sab 26 Dez 2015, 4:39 pm

Admiro o Leandro, mas algumas afirmações dele vão contra os princípios cristãos, cristãos no sentido puro da palavra.

" Mas não há forças externas aos homens. A sociedade do futuro será o que nós fizermos, e isto é possível melhorar."

Esta por exemplo nega o afirmado por Paulo;

Romanos 1:16 Porque não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê; primeiro do judeu, e também do grego.

gusto
Antares
Antares

Número de Mensagens : 10550
Idade : 47
Localização : Ponta Grossa Pr
flag : Brasil
Data de inscrição : 12/08/2012

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Entrevista a Leandro Karnal

Mensagem por gusto em Dom 27 Dez 2015, 2:50 pm

Mas "eles" ainda teimam em acreditar no poder do homem mortal.

Que pena. :chapeu:

gusto
Antares
Antares

Número de Mensagens : 10550
Idade : 47
Localização : Ponta Grossa Pr
flag : Brasil
Data de inscrição : 12/08/2012

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Entrevista a Leandro Karnal

Mensagem por rbarros em Dom 27 Dez 2015, 9:17 pm

gusto escreveu:" Mas não há forças externas aos homens. A sociedade do futuro será o que nós fizermos, e isto é possível melhorar."

Acho que ele está corretíssimo. Assisti no YT uma entrevista que ele deu, que falava exatamente sobre isto - mas não lembro os detalhes.

Ele cita exemplos do que fazíamos há 50 anos atrás e que, pela força da vontade humana, hoje já não fazemos mais. Houve uma melhora considerável.

Se Deus nos deu livre-arbítrio, foi para que pudéssemos caminhar com os nossos próprios pés - e não para que ficássemos de braços cruzados esperando a vontade divina de melhorar as nossas condições de vida. As nossas e as dos outros. Se nos unirmos para melhorar o que está ruim, sem precisar levantar as mãos para os céus em preces de petições, nós conseguiremos melhorar todas as coisas pela força de vontade.


Que o espírito dos selvagens permaneça um espírito selvagem!

rbarros
Moderador Espírita
Moderador Espírita

Número de Mensagens : 1400
Idade : 53
Localização : São Paulo - Capital
flag : Brasil
Data de inscrição : 14/05/2012

http://www.vigilia.com.br/vforum/viewforum.php?f=16

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Entrevista a Leandro Karnal

Mensagem por gusto em Dom 27 Dez 2015, 9:33 pm

Não crê no Evangelho?

Sem a boa nova da Graça, ninguém seria salvo.

E a graça de Deus é um poder que não vem do homem, e muda ele de dentro para fora, ou seja, um poder "externo" que age no espírito do homem mudando o coração dele, tirando o de pedra e dando um novo.

gusto
Antares
Antares

Número de Mensagens : 10550
Idade : 47
Localização : Ponta Grossa Pr
flag : Brasil
Data de inscrição : 12/08/2012

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Entrevista a Leandro Karnal

Mensagem por gusto em Dom 27 Dez 2015, 9:39 pm

Sabe, um homem sábio fez uma ilustração da ação da  graça de Deus no coração do homem, é mais ou menos assim:

Poderia o urubu, que gosta de carniça e a come, passar a comer milho como uma galinha?

Não, pois a natureza dele é gostar de carniça. O único jeito seria mudar a natureza (coração), dele.

Isso a graça de Deus faz no homem, muda a natureza dele, ou seja, a disposição interior dele, fazendo com que um homem acostumado a fazer o mal de uma guinada de direção, e tenha o desejo de fazer o bem. Compreende?

gusto
Antares
Antares

Número de Mensagens : 10550
Idade : 47
Localização : Ponta Grossa Pr
flag : Brasil
Data de inscrição : 12/08/2012

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Entrevista a Leandro Karnal

Mensagem por rbarros em Seg 28 Dez 2015, 9:34 pm

Não duvido que uma pessoa religiosa possa se tornar melhor, apenas pelo desejo de seguir esta religião.

Mas não é a religião que o torna melhor, é o seu próprio desejo.

Porém, se um homem se torna melhor não pelo seu desejo de se melhorar, mas sim, pelo medo que lhe impõe a religião - então ele não se tornou melhor em nada. Apenas tem medo.

É diferente de quando um homem quer se tornar melhor por saber que, em se melhorando, também a sociedade em que vive vai melhorar. Ele não está sendo coagido a melhorar, sob ameaças de um fogo eterno, é sua própria consciência que o diz para se melhorar. Aí ele não precisa de religião, apenas de vontade.

Compreende?

Wink


Que o espírito dos selvagens permaneça um espírito selvagem!

rbarros
Moderador Espírita
Moderador Espírita

Número de Mensagens : 1400
Idade : 53
Localização : São Paulo - Capital
flag : Brasil
Data de inscrição : 14/05/2012

http://www.vigilia.com.br/vforum/viewforum.php?f=16

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Entrevista a Leandro Karnal

Mensagem por gusto em Seg 28 Dez 2015, 10:31 pm

Compreendo, mas isso não é o Evangelho. O Evangelho é o poder de Deus e sem ele não seria possível a salvação da alma.

gusto
Antares
Antares

Número de Mensagens : 10550
Idade : 47
Localização : Ponta Grossa Pr
flag : Brasil
Data de inscrição : 12/08/2012

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Entrevista a Leandro Karnal

Mensagem por Conteúdo patrocinado Hoje à(s) 9:30 am


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum