.....................................................
Que bom que você entrou Convidado
Últimos assuntos
Quem está conectado
35 usuários online :: 1 usuário cadastrado, Nenhum Invisível e 34 Visitantes :: 2 Motores de busca

Lit San Ares

O recorde de usuários online foi de 2364 em Seg 19 Dez 2011, 5:49 pm
Consulta Bíblica
Ex: fé - Ex: Gn 1:1-10

CONSTANTINO, UMA VIDA

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

caf? CONSTANTINO, UMA VIDA

Mensagem por DANNILO STELIO em Qua 11 Jun 2014, 9:18 am

O ano é 312. Nos oito anos anteriores, a Igreja Cristã sofreu uma das maiores perseguições de sua história, com milhares de mortes. Mas nesse ano algo incrível acontece: o imperador Constantino converte-se à fé perseguida, a qual era abraçada por, no máximo, dez por cento de uma população de cerca de 70 milhões de pessoas, que abrangia o Império Romano daquela época.

Calculista cínico ? Supersticioso ferrenho ? Ou homem de larga visão ? Teria sido o simples interesse egoísta que levou Constantino a realizar tudo o que começou naquele ano ? Se foi, temos que admirar sua coragem !

Vejamos: ele contrariou a fé de quase noventa por cento da população do seu Império.

Ao longo de quase oitenta anos, o paganismo foi sendo proibido, acabando por ser vencido sem que tenham ocorrido perseguições como aquelas movidas contra os cristãos por quase três séculos.

Interessante que nenhuma profecia bíblica referia-se a Constantino. No entanto, é inegável o papel representado por Constantino no Cristianismo moderno. Com ele, o trono romano se tornou cristão, e a Igreja se tornou uma potência. Sem ele, os cristãos seriam apenas uma “seita de vanguarda”.

No entanto, para muitos (especialmente “desigrejados”), Constantino representou o começo do fim da Igreja, o estopim da paganização do Cristianismo.

A conversão de Constantino, através de um sonho, na véspera da Batalha da Ponte Mílvio (29.10.312) marca o início de um novo tempo para o Cristianismo. Para o bem e para o mal, nada mais seria como antes.

Poucos se lembram que a experiência mística de Constantino parece ter acontecido com Licínio, um co-imperador que governava o Ocidente do império (regiões danubianas e o Magreb).

No ano de 313, Licínio combateu e venceu o Co-imperador do Oriente. Relatou que um anjo prometeu-lhe a vitória na véspera da batalha, se dirigisse suas preces a um “deus supremo”. O certo é que, após a vitória, Licínio baixou um edito de tolerância, livrando os cristãos orientais das perseguições, mesmo comportamento adotado, um ano antes, por Constantino.

Dois imperadores, governando uma população de quase 70 milhões de pessoas, adotam uma política de tolerância baseada na confissão religiosa de um percentual não superior a dez por cento do império. Por quê ?

E mais: o que levou um deles (Constantino) a passar seus últimos 25 anos de vida repetindo que era apenas um servo de Cristo ?

Guardando as devidas proporções, era como se nos dias atuais o governo brasileiro mudasse de Estado laico para um Estado baseado na confissão religiosa do Espiritismo (dois por cento da população, segundo o censo de 2010 do IBGE).

DANNILO STELIO
Diamante Azul
Diamante Azul

Número de Mensagens : 1639
Idade : 42
Localização : Macapá-AP-Brasil
flag : Brasil
Data de inscrição : 17/02/2014

http://palavravivaefiel.blogspot.com.br

Voltar ao Topo Ir em baixo

caf? Re: CONSTANTINO, UMA VIDA

Mensagem por DANNILO STELIO em Qui 12 Jun 2014, 9:16 am

A população romana deve ter ficado muito surpresa com o comportamento de Constantino naquele momento, mas ficou mais ainda depois disso. Esperavam, talvez, que ele “pagasse sua dívida” com o Deus cristão, construindo-lhe um santuário e culto local, e seguisse como antes; afinal, foi assim que Augusto César tinha procedido em relação ao deus Apolo, após vencer em seu nome Marco Antônio e Cleópatra na batalha de Actium.


É preciso que se diga que as relações dos pagãos com seus deuses eram muito diferentes daquelas que os cristãos mantinham com Deus. Os primeiros tinham um relacionamento espiritual meramente contratual e ocasional: clamavam aos deuses nos momentos de aflição, pagavam seus votos com eles, mas sem dar-lhes a proeminência em suas vidas.


E então surge Constantino, repetindo até o fim de sua vida que era um servo de Cristo. Certamente, o Império ficou muito surpreso.

DANNILO STELIO
Diamante Azul
Diamante Azul

Número de Mensagens : 1639
Idade : 42
Localização : Macapá-AP-Brasil
flag : Brasil
Data de inscrição : 17/02/2014

http://palavravivaefiel.blogspot.com.br

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum