.....................................................
Que bom que você entrou Convidado
Quem está conectado
45 usuários online :: 1 usuário cadastrado, Nenhum Invisível e 44 Visitantes :: 2 Motores de busca

Khwey

O recorde de usuários online foi de 2364 em Seg 19 Dez 2011, 5:49 pm
Consulta Bíblica
Ex: fé - Ex: Gn 1:1-10

nova negaçao da ciencia?

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

nova negaçao da ciencia?

Mensagem por EVANGELISTA/RJ/MSN em Qua 02 Jan 2013, 1:03 am



Existência Divina: Uma Hipótese Científica Descartada
Roberto F. Costa

Esconde esse título um conceito da maior importância para a humanidade, pois se de um lado os teólogos querem que a hipótese divina seja vista como de natureza diversa da científica, portanto imune à especulações racionais, também por outro lado muitos cientistas, que propõem uma conciliação entre a ciência e a teologia, defendem a tese de Ministérios Não Interferentes, o MNI de que tanto fala Richard Dawkins.

As coisas não são exatamente assim, eis que na sua investigação da natureza fenomenológica, seres vivos criados por uma mente inteligente seriam totalmente diferentes dos que tenham evoluído por processos algorítmicos, da mesma forma que um Universo criado por uma mente inteligente, onisciente e onipotente, seria totalmente diferente de um outro que evoluiu a partir de estados menos complexos, seguindo rígidas leis físicas.


Dizia-nos Martinho Lutero (1483-1546), monge agostiniano e teólogo alemão, "A Razão deveria ser destruída em todos os cristãos. Ela é o maior inimigo da Fé. Quem quiser ser um cristão deve arrancar os olhos de sua Razão.", e no mesmo diapasão diversos outros teólogos. Com efeito, é de se prever que embasando-se a ciência primordialmente em argumentos racionais, suas áreas de atrito com os teólogos sejam por questões intrínsecas ao método investigativo em cada uma das searas.


A última pena capital aplicada por um Tribunal da Santa Inquisição ocorreu na década de 1830, na Inglaterra, mas mantendo-se uma "paz negociada" entre as religiões monoteístas abraâmicas (islamismo, cristianismo e judaísmo) e a ciência até a década de 1860, quando o naturalista Charles Darwin publicou A Origem das Espécies, onde demonstra cabalmente que as espécies vivas não surgiram exatamente como são hoje em dia, como alegavam os teólogos, teoria que é conhecida como fixismo, mas evoluíram por processos algorítmicos a partir de formas menos complexas.


Desde então, travou-se uma verdadeira batalha filosófica entre teólogos e, principalmente, biólogos, seus alvos preferenciais, eis que contestavam dogmas muito caros aos canônes religiosos. Tornaram-se os teólogos ainda mais virulentos a partir da publicação da Teoria dos Coacervados, de A.I. Oparin, que enunciava que não somente os seres vivos não surgiram como são hoje em dia, mas que também a própria origem da vida era um processo bioquímico, a partir de matéria inanimada. Quando Stanley Miller, em apoio à Teoria dos Coacervados, sintetizou aminoácidos e lipídeos em seu experimento, reproduzindo as condições da Terra primitiva, já não havia possibilidades de convivência pacífica entre a biologia e a teologia.


Enquanto isso, os físicos se mantiveram relativamente à salvo dos ataques e da fúria teológica, a uma porque o esoterismo da sua linguagem eminentemente matemática, poucas deserções poderia causar entre os fiéis das diversas religiões e, por outro lado, os fenômenos a que se dedicava a física não se chocavam frontalmente com a hipótese da existência divina, encontrando-se mesmo muitos físicos crentes em deuses, mesmo depois do indissolúvel casamento da física com a astronomia.


O primeiro sintoma de incômodo começou quando Albert Einstein, teorizando sobre a geometria do Universo, fez concessões aos modelos teológicos e em seus cálculos inseriu uma desnecessária "constante cosmológica", de modo a que se tornasse o Universo anisotrópico e euclidiano (estável no tempo e homogêneo no espaço), sendo entretanto fortemente contestado por Edwin Hubble, que descobriu o efeito Doppler (Christian Doppler (1803-1853)) a partir de análises espectrais da luz de estrelas e galáxias inteiras.


A relativa paz entre a física e a teologia só foi quebrada a partir de 1970, quando cientistas franceses observaram algo peculiar na composição de isótopos em um minério de urânio extraído de Oklo, no Gabão. Surpreendentemente, cerca de 2 bilhões de anos atrás, Oklo deve ter sido o palco de um reator nuclear natural!


Mas onde isto pode atacar de tal modo a existência divina, de modo a declarar a guerra aberta dos teólogos, desta feita com a física? Muito simples.


Martin Rees, um físico religioso, em seu livro "Apenas Seis Números", lista seis constante fundamentais, que se acreditam sejam constantes em todo o Universo.


Afirmam os teístas fundamentalistas, que deus é um "Ajustador de Botões Divinos", que ajustou acuradamente cada um dos botões correspondentes a cada uma dessas constantes de modo que pudesse existir a vida.


Concordam até os teólogos mais renhidos que se uma mente inteligente, um "criador do Universo" tivesse projetado nosso Universo exatamente como ele é, as "constantes" físicas se manteriam inalteradas desde a criação, dado a onisciência e inerrância divinas.


Uma das constantes mais caras aos físicos é a chamada "Constante de Estrutura Fina", representada pela letra grega alfa, definida através de relações entre a carga elétrica do elétron, a velocidade da luz, a Constante de Planck e a permissividade do vácuo (alfa = e^2 / 2 E h c, onde e = carga elétrica do elétron, c = velocidade da luz, h = Constante de Planck e E = permissividade do vácuo), presentemente calculada em 1/137,03576, algo da ordem de 0,007 (aliás, essa constante é tão cara aos físicos que muitos deles usam o número 137 em senhas e segredos de cadeados).

Caso alfa fosse menor, a densidade de matéria atômica sólida diminuiria na proporção de alfa^3; as ligações moleculares seriam quebradas a temperaturas menores, na proporção de alfa^2 e o número de elementos atômicos estáveis na tabela periódica poderia aumentar, na proporção de 1/alfa.


Se alfa fosse grande demais, núcleos atômicos pequenos não poderiam existir, pois a repulsão elétrica entre os prótons superaria a força nuclear forte, que os mantém unidos. Um valor de alfa igual a 0,1 desintegraria o carbono.


Um valor de alfa > 1 a fusão nuclear no interior das estrelas seria impossível, pois a tendência dos núcleos atômicos é se repelirem, somente ocorrendo a fusão em razão da produção de temperaturas suficientemente altas no interior das estrelas (por seu colapso gravitacional!).


Uma mudança de apenas 4% no valor de alfa alteraria de tal maneira os níveis de energia no núcleo do carbono que a produção desse elemento nas estrelas simplesmente cessaria.


Em 1976 Alexander Shlyakhter, do Instituto de Física Nuclear de São Petersburgo, na Rússia, percebeu que o funcionamento de um reator nuclear natural depende da exata energia de um estado particular do núcleo do elemento samário, que facilita a captura de nêutrons, e essa energia é bastante sensível ao valor de alfa.


Então, com o valor atual de alfa a reação atômica natural em Oklo não poderia ter ocorrido, o que implica que a "constante" de estrutura fina variou, câmbio estimado em não mais do que uma parte em 10^8 nos últimos dois bilhões de anos.


Aplicando-se o mesmo princípio em meteoritos, verificou-se que o decaimento beta do Rênio para o Ósmio, indica uma modificação de alfa de 2 partes em 10^6, em 4,6 bilhões de anos, desde a formação do sistema solar, segundo Keith Olive, da Universidade de Minnesota.


Já Victor V. Flambaum, da Universidade de Nova Gales do Sul, Austrália, a partir da análise espectral da luz de quasares distantes, determinou um aumento médio de alfa de 6 partes em 1 milhão, ao longo dos últimos 12 bilhões de anos.


Como você vê, estando o valor de alfa aumentando com a evolução do Universo, chegará um momento em que a vida se tornará impossível no nosso Universo, o que de igual forma já ocorreu quando este valor era baixo demais para permitir a estabilidade de ligações químicas nas moléculas necessárias à vida.

Mas é justamente aí que a hipótese divina é inexoravelmente derrubada, pois o "Ajustador de Botões Divino", se existisse este ser extraordinário, teria feito com que as constantes do Universo se mantivessem inalteradas, conforme a vontade divina, e não evoluindo concomitantemente à evolução do Universo.

Vemos acontecer agora com a física a mesmíssima coisa que aconteceu com a biologia do final do século XIX, ou seja, ambas são descobertas de fenômenos que demonstram o vazio da plausibilidade de modelos fixistas, a biologia no que concerne ao surgimento e evolução da vida, e a física no surgimento e evolução do Universo.

Um Deus capaz de calcular cada um dos valores das constantes físicas seria um ser tão improvável quanto conseguirmos este "fine tunning" aleatoriamente, pois deveria ser necessariamente tão complexo que não poderia ter surgido por si, concomitantemente ao surgimento do nosso Universo, mas necessariamente em um momento anterior, por um processo evolutivo qualquer em algum outro Universo.

Independentemente da hipótese dos multiversos, pelo que a astrofísica mais modernamente vem indicando, as seis constantes nunca tiveram a liberdade de variar, pois os números dependem um dos outros, como por exemplo a proporção da circunferência em relação ao diâmetro de um círculo.

Quando finalmente tivermos a "Everything Theory", podemos achar até alguma coisa com a qual os valores das constantes universais se relacionem, mas certamente esta "alguma coisa" não é um deus barbudo sentado numa nuvem, fumando cachimbo (ops, misturei as lendas... Quem fuma cachimbo é o saci-pererê! Bah... É tudo igual!).


http://www.mphp.org/racionalismo/existencia-divina-uma-hipotese-cientifica-descartada.html

EVANGELISTA/RJ/MSN
administrador
administrador

Número de Mensagens : 6002
flag : Brasil
Data de inscrição : 14/04/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: nova negaçao da ciencia?

Mensagem por Khwey em Qua 02 Jan 2013, 1:24 am

Olha o mau exemplo!

Khwey
administrador
administrador

Número de Mensagens : 17151
flag : Brasil
Data de inscrição : 17/08/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum