.....................................................
Que bom que você entrou Convidado
Últimos assuntos
Quem está conectado
60 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 60 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 2364 em Seg 19 Dez 2011, 5:49 pm
Consulta Bíblica
Ex: fé - Ex: Gn 1:1-10

Perguntas sem respostas?

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Interroga??o Perguntas sem respostas?

Mensagem por Diego Yo'ets em Ter 20 Dez 2011, 10:18 am



PERGUNTAS DE UM JAPONES SOBRE O ESTADO PALESTINO

Vale a pena ler com toda a atenção todas e cada pergunta formulados por
este senhor.

UMA INTERESSANTE VISÃO JAPONESA. Os japoneses tem os olhos obliquos, no entanto vêem as coisas com muita direção.

Um cidadão japones de Tokio enviou esta carta a um diário local:

Se voces estão tão seguros que Palestina, o país, foi fundado há muitos seculos, ou gerações e registrado a traves da historia escrita, espero que estão capacitados para responder as seguintes perguntas:

1) Quando a Palestina foi fundada e por quem ?

2) Quais eram suas fronteiras ?

3) Qual era sua Capital ?

4) Quais eram suas grandes cidades ?

5) Qual era a base de sua economia ?

6) Qual era sua forma de governo ?

7) Voces podem citar pelo menos um lider palestino antes de Arafat ?

8) A Palestina foi reconhecida por algum país cuja existência, em algum tempo não deixa a más interpretações ?

9) Qual era a lingua falada na Palestina ?

10) Qual a religião que prevalecia no país Palestina ?

11) Qual era o nome da sua moeda ?

Escolhe uma data no passado e responda, qual era a taxa de cambio da moeda Palestina frente ao dolar, yen, franco, etc. ??

Desde que tal país não existe hoje, explique porque deixou de existir ?

Se voce se lamenta pelo destino da pobre Palestina, responde em que epoca esta país foi orgulhoso e independente ?

Se o povo que voce, por engano, chama de palestinos é algo mais que uma coleção de gente saído dos países árabes e se eles tem realmente uma identidade etnica definida que lhes asseguram o direito da autodeterminação, por que eles não trataram de ser um país árabe independente até a derrota devastadora na guerra dos Seis Dias?

Porque desdenharam a oportunidade de estabelecer um Estado Palestino, baseado então na Resolução das Nações Unidas em 1947, que estabeleceu simultaneamente o direito do povo judeu a ter seu proprio Estado que atualmente é o Estado de Israel ?

Espero que voces não confundem palestinos com filisteus. Trocar etnologia por historia não funciona.

É curioso que os palestinos querem hoje o que recusaram em 1947, e continuam em insistir na eliminação de Israel, legitimamente criado pelas Nações Unidas e da qual é membro integral.

Tokio, 2 de novembro de 2002

Yoshiro Shagamori


Acessem:


Diego Yo'ets
Sol
Sol

Número de Mensagens : 2206
flag : Brasil
Data de inscrição : 06/01/2010

http://adonayechad.forumeiros.com/forum.htm

Voltar ao Topo Ir em baixo

Interroga??o Re: Perguntas sem respostas?

Mensagem por Diego Yo'ets em Ter 20 Dez 2011, 4:38 pm

Escrito por Daniel Pipes | 06 Julho 2011
Internacional - Oriente Médio

Os israelenses deveriam andar de cabeça erguida e salientar que a construção do seu país baseou-se no movimento menos violento e mais civilizado do que qualquer outro povo da história.

Os sionistas roubaram terras palestinas: é esse o mantra que tanto a Autoridade Palestina quanto o Hamas ensinam aos seus filhos e disseminam na mídia. Essa alegação tem uma importância enorme, conforme explica o Palestinian Media Watch: "Apresentar a criação do estado [israelense] como um ato de ladroagem e a continuação de sua existência como uma injustiça histórica serve como base da AP para o não reconhecimento do direito de Israel istir". A acusação de roubo também corrói a posição de Israel internacionalmente.

Contudo, essa acusação é verdadeira?

Não, não é. Ironicamente, a criação de Israel representa uma das mais pacíficas migrações e criações de um estado na história. Para entender porque, requer considerar o sionismo no contexto. Colocado de maneira simples, conquista é a norma histórica, em todos os lugares governos foram estabelecidos por meio de invasões, praticamente todos os estados se formaram às custas de alguém. Ninguém fica permanentemente no comando, as raízes de todo e qualquer indivíduo se originam em algum outro lugar.

Tribos germânicas, hordas da Ásia Central, czares russos e conquistadores espanhóis e portugueses redesenharam o mapa. Os gregos modernos têm apenas uma conexão tênue com os gregos da antiguidade. Quem é capaz de enumerar quantas vezes a Bélgica foi invadida? Os Estados Unidos foram criados com a derrota dos americanos nativos. Reis saquearam a África, os arianos invadiram a Índia. No Japão, os falantes do idioma Yamato eliminaram praticamente a todos, menos alguns minúsculos grupos como o Ainu.

O Oriente Médio, devido a sua centralidade e posição geográfica, viu a sua cota de invasões passar da conta, incluindo os gregos, romanos, árabes, cruzados, seljúcidas, timúridas e europeus modernos. Na região, ressentimento e tormento dinástico fizeram com que o mesmo território - o Egito por exemplo - fosse conquistado e reconquistado.

A terra que constitui o Estado de Israel de hoje, não é exceção. Em Jerusalem Besieged: From Ancient Canaan to Modern Israel, Eric H. Cline escreve sobre Jerusalém: "Por nenhuma outra cidade se combateu de maneira tão implacável através de sua história". Ele fundamenta a alegação enumerando "pelo menos 118 conflitos distintos, em e por Jerusalém durante os últimos quatro milênios". Ele calcula que Jerusalém foi destruída por completo ao menos duas vezes, sitiada 23 vezes, capturada 44 vezes e atacada 52 vezes. A AP fantasia que os palestinos de hoje são descendentes de uma tribo do antigo Canaã, os jebusitas; de fato, mas a maioria esmagadora é descendente de invasores e imigrantes a procura de oportunidades econômicas.

Contra esse quadro de conquistas, violência e golpes incessantes, o empenho sionista em construir uma presença na Terra Santa até 1948 se destaca como espantosamente moderada, mais mercantil do que militar. Dois grandes impérios, o otomano e o britânico governaram Eretz Yisrael; contrastando, os sionistas careciam de poder militar. Eles não poderiam alcançar a soberania por meio da conquista.

Como alternativa, compravam terras. Adquirir propriedade quilômetro quadrado por quilômetro quadrado, fazenda por fazenda, casa por casa, estava no coração do espírito empreendedor sionista até 1948. O Fundo Nacional Judaico, fundado em 1901 com o objetivo de comprar terras na Palestina "para ajudar na formação de uma nova comunidade de judeus livres comprometidos com atividades produtivas e pacíficas", foi a instituição chave - e não a Haganah, a organização de defesa clandestina fundada em 1920.

Os sionistas também se concentraram na reabilitação do árido e do considerado imprestável. Eles não só fizeram o deserto florescer como também drenaram os pântanos, limparam os canais de água, recuperaram terras devolutas, reflorestaram colinas despojadas, removeram rochas e retiraram sal do solo. O trabalho de recuperação e saneamento judaico reduziu radicalmente o número de mortes relacionadas a doenças.

Somente quando a potência mandatária britânica desistiu da Palestina em 1948, imediatamente seguida pelo ataque dos países árabes usando todos os recursos e meios disponíveis para esmagar e expulsar os sionistas, que eles tiraram a espada da bainha em legítima defesa e passaram a adquirir terras através da conquista militar. Mesmo então, segundo demonstra o historiador Efraim Karsh em Palestine Betrayed, a maioria dos árabes fugiram de suas terras, sendo que um número extremamente reduzido foi forçado.

Essa história contradiz a explicação palestina de que "gangues sionistas roubaram a Palestina e expulsaram a sua gente", que levou à catástrofe "sem precedentes na história" (de acordo com um livro escolar do 3º ano do ensino médio da AP) ou que os sionistas "pilharam as terras e os interesses nacionais palestinos e estabeleceram seu estado sobre as ruínas do povo árabe palestino" (conforme escreve um colunista no diário da AP). Organizações internacionais, editoriais de jornais e petições de faculdades reiteram essa falsidade em todo o mundo.

Os israelenses deveriam andar de cabeça erguida e salientar que a construção do seu país baseou-se no movimento menos violento e mais civilizado do que qualquer outro povo da história. Gangues não roubaram a Palestina, comerciantes compraram Israel.




Publicado na National Review Online.

Original em inglês: Not Stealing Palestine but Purchasing Israel

Tradução: Joseph Skilnik


Acessem:


Diego Yo'ets
Sol
Sol

Número de Mensagens : 2206
flag : Brasil
Data de inscrição : 06/01/2010

http://adonayechad.forumeiros.com/forum.htm

Voltar ao Topo Ir em baixo

Interroga??o Re: Perguntas sem respostas?

Mensagem por Josoco em Qua 22 Fev 2012, 11:18 pm

Foi uma deslealdade da ONU. O mesmo decreto, em 1948 que criou o estado Judeu criou o estado palestino. A Onu é um órgão a serviço dos Iluminatis, não é um órgão sério, ela é mnipulada pelos EUA, Inglaterra, china, Rússia ps outros são só para aumentar a festa....

Josoco
Banido

Número de Mensagens : 1930
Idade : 63
Localização : Brasil
flag : Brasil
Data de inscrição : 16/06/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Interroga??o Re: Perguntas sem respostas?

Mensagem por oliveira leite em Qua 29 Fev 2012, 5:58 pm

A volta de Israel não tem nada a ver com a ONU
a volta de Israel tem a ver com as promessas de D'us
a ONU nessa História serve de marionete :risadinha:

oliveira leite
‎moderador
‎moderador

Número de Mensagens : 6552
Idade : 51
Localização : Natal RN
flag : Brasil
Data de inscrição : 28/04/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Interroga??o Re: Perguntas sem respostas?

Mensagem por Conteúdo patrocinado Hoje à(s) 2:16 pm


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum