.....................................................
Que bom que você entrou Convidado
Quem está conectado
45 usuários online :: 1 usuário cadastrado, Nenhum Invisível e 44 Visitantes :: 2 Motores de busca

Khwey

O recorde de usuários online foi de 2364 em Seg 19 Dez 2011, 5:49 pm
Consulta Bíblica
Ex: fé - Ex: Gn 1:1-10

A CCB e o sono dos justos

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

A CCB e o sono dos justos

Mensagem por Eduardo em Qui 17 Nov 2011, 2:46 pm

CRISTÃOCCB escreveu:Sim estes hinos são da CCB, Hinários de Louvores e Suplicas há DEUS, usados como canticos no serviço divino de Funeral, que é um culto, para para familia, e não para o morto, cremos sim que o homem foi formado do pó da terra, e Deus soprou nele o folego de vida, e o homem tornou-se alma vivente, o homem Não tem uma Alma, ELE É UMA ALMA, e quando o folego de vida sai do homem seu corpo volta ao pó e o espirito há Deus que o deu, a alma deixa de existir, quando JESUS vier, no soar da trombeta na ressureição dos mortos então tornaremos um alma vivente para viver com Deus na eternidade, cremos NA RESSUREIÇÃO, se alma estive-se consciente no céu não necessitaria da ressureição, se a alma já estive-se no céu para que então no ultimo dia iriamos subir, a biblia ensina que NO SEPULCRO NÃO HÁ LEMBRANÇA, o salmista diz no sepulcro quem te louvará Senhor, assim a morte é como um sono estamos repousando, no SONO DOS JUSTOS aguardando a nossa vitória A REDENÇÃO DO NOSSO CORPO. posteriormente em topico especifico apresentarei minhas razões mais detalhadamente, porém acreditamos sim no REPOUSO COM O SENHOR, nós cantamos no hino 398 OS QUE NO SENHOR DORMIRÃO DESCANSANDO JA ESTÃO AOS HEROIS SE REUNIRAM ONDE NÃO HÁ MAIS SEPARAÇÃO, JUNTOS NÓS ENCONTRAREMOS LÁ NA PATRIA DO SENHOR PARA SEMPRE LOUVAREMOS AO CRDEIRO FIEL REDENTOR.
Como é a doutrina do sono dos justos após a morte na CCB ?


Visite-me no Fórum Adventista:

http://adventista.forumbrasil.net/

Eduardo
‎Moderador Adventista
‎Moderador Adventista

Número de Mensagens : 8396
Idade : 40
flag : Brasil
Data de inscrição : 17/10/2008

http://adventista.forumbrasil.net/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A CCB e o sono dos justos

Mensagem por CRISTÃOCCB em Qui 17 Nov 2011, 8:14 pm

A Congregação Cristã no Brasil, é uma sociedade Religiosa, que se originou de um grupo de Italianos em 1.904 sem denominação alguma buscando servir há DEUS na sã doutrina apostolica, é apolitica, está fundamentada no Novo Testamento da Biblia seu intuito é servir há Deus na simplicidade, e propagar o evangelho, sem fins lucrativos, na CCB todos somos iguais, não há registro de membros a responsabilidade é entre a pessoa e DEUS apenas servimos ao Senhor conforme a Igreja Primitiva, devido a Isso a CCB não tem seminários Teologicos, pois Cremos que a Salvação é pela FÉ, tendo como autoridade UNICA E SUPREMA, somente a biblia, evitamos ao maximo nos expor, pois nosso intuito não é glórias terrenas deevido a isso há muitas criticas, que neste ultimos anos, discretamente vem sendo confutadas, para que nosso querido povo não vem ter uma imagem irreal da CCB, porém qualquer que frequentar seus culltos poderá perceber, que somos um povo genuinamente Cristão, após estes pequenos esclarecimentos segue abaixo minhas razões concernete ao assunto em pauto.

CRISTÃOCCB
Quartzo
Quartzo

Número de Mensagens : 64
flag : Brasil
Data de inscrição : 14/11/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A CCB e o sono dos justos

Mensagem por CRISTÃOCCB em Qui 17 Nov 2011, 8:29 pm

O sentido bíblico e doutrinário da morte
- A morte como o salário do pecado; (Romanos 6.23). O
pecado no contexto desse versículo é representado pela
cruel figura de um feitor de escravos que dá a morte como
pagamento. O salário requerido pelo pecado é por
merecimento a morte. Como pagamento, a morte não
aniquila o pecador. A verdade que a bíblia nos ensina que a
morte física não é uma simples cessação da existência, mas
uma conseqüência dolorosa pela prática do pecado, que é
seu pagamento, a sua justa retribuição. Quando morre, o pecador está ceifando na
forma de corrupção aquilo que plantou na forma de pecado; (Gálatas 6.7-8) “Não vos
enganeis; Deus não se deixa escarnecer; pois tudo o que o homem semear, isso
também ceifará; Porque quem semeia na sua carne, da carne ceifará a corrupção; mas
quem semeia no Espírito, do Espírito ceifará a vida eterna”; (II Coríntios 5.10) “Porque
é necessário que todos nós sejamos manifestos diante do tribunal de Cristo, para que
cada um receba o que fez por meio do corpo, segundo o que praticou o bem ou o mal”.
Portanto, a morte física é o primeiro efeito externo e visível da ação do pecado;
(Gênesis 2.17) “mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dessa não comerás;
44
porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás”; (I Coríntios 15.21)
“Porque, assim como por um homem veio a morte, também por um homem veio a
ressurreição dos mortos”; (Tiago 1.15) “então a concupiscência, havendo concebido,
dá à luz o pecado; e o pecado, sendo consumado, gera a morte”.
- A morte é sinal e fruto do pecado. O homem vive inevitavelmente dentro da esfera da
morte e não pode fugir da condenação. Somente quem tem Cristo e o aceitou está fora
dessa esfera. Só em Cristo o homem consegue salvar-se do poder da morte eterna.
Tiago mostra uma relação entre o pecado e a morte, quando diz: “Mas cada um é
tentado, quando atraído e engodado pela sua própria concupiscência. Depois a
concupiscência concebida, dá á luz o pecado; e o pecado consumado, gera a morte”
(Tiago 1.14-15). O pecado, portanto, frutifica e gera a morte.
- A morte foi vencida por Cristo no Calvário. A resposta única, clara, evidente e
independente de quaisquer idéias filosóficas a respeito da morte é a Palavra de Deus
revelada e pronunciada através de Cristo Jesus no calvário, Ele é a última palavra e a
única solução para o problema do pecado e a crueldade da morte; (Romanos 5.17)
“Porque, se pela ofensa de um só, a morte veio a reinar por esse, muito mais os que
recebem a abundância da graça, e do dom da justiça, reinarão em vida por um só,
Jesus Cristo”.
7.3.2. Morte espiritual e morte eterna
A morte espiritual tem dois sentidos na perspectiva bíblica: Positivo e negativo.
No sentido negativo, a morte pode se expressar como “morte no pecado” é um
estado de separação da comunhão com Deus. Significa estar debaixo do pecado, sob
o seu domínio; (Efésios 2.1,5) “Ele vos vivificou, estando vós mortos nos vossos delitos
e pecados; estando nós ainda mortos em nossos delitos, nos vivificou juntamente com
Cristo (pela graça sois salvos)”. O seu efeito é presente e futuro. No presente refere-se
a uma condição temporal de que está separado da vida de Deus (Efésios 4.18)
“entenebrecidos no entendimento, separados da vida de Deus pela ignorância que há
neles, pela dureza do seu coração”. No futuro refere-se ao estado de eterna separação
de Deus, o que acontecerá no Juízo Final; (Mateus 25.46) “E irão eles para o castigo
eterno, mas os justos para a vida eterna”.
No sentindo positivo é a morte espiritual experimentada pelo crente em relação
ao mundo, isto é, a sua pena do pecado foi cancelada e, agora vive livre do domínio do
45
pecado (Romanos 6.14) “Pois o pecado não terá domínio sobre vós, porquanto não
estais debaixo da lei, mas debaixo da graça”. Quanto ao futuro, o verdadeiro cristão
terá a vida eterna, ou seja, a redenção do corpo do pecado; (Apocalipse 21.27; 22.15)
“E não entrará nela coisa alguma impura, nem o que pratica abominação ou mentira;
mas somente os que estão inscritos no livro da vida do Cordeiro; Ficarão de fora os
cães, os feiticeiros, os adúlteros, os homicidas, os idólatras, e todo o que ama e pratica
a mentira”.
A morte eterna é chamada de segunda morte, porque a primeira é a física;
(Apocalipse 2.11) “Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas. O que
vencer, de modo algum sofrerá o dado da segunda morte”. Ela é identificada como
punição do pecado; (Romanos 6.23) “Porque o salário do pecado é a morte, mas o
dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus nosso Senhor”. Também é
denominado castigo eterno, a eterna separação da presença de Deus, não há
possibilidade de arrependimento e perdão (Mateus 25.46). Analisaremos essa questão
no tópico IX.
7.3.3. O estado do homem na morte
Na Bíblia, a morte é comparada a um “sono” cerca de cinqüenta e três vezes,
indicando assim o estado de inconsciência dos mortos até a volta de Jesus (Salmo 6.5)
“Pois na morte não há lembrança de ti; no Seol quem te louvará?”; (13.3) “Considera e
responde-me, ó Senhor, Deus meu; alumia os meus olhos para que eu não durma o
sono da morte”. Outros versículos também mencionam essa idéia (Salmos 88.10-12;
115.17; Isaías 38.18-19; Eclesiastes 9.5-6 e 10; I Tessalonicenses 4.13-16).
A Bíblia não apóia a doutrina popular de que os mortos permanecem conscientes
até a ressurreição, pelo contrário, enfaticamente refuta tal ensinamento (Salmos
115.17; Eclesiastes 9.5) “Os mortos não louvam ao Senhor, nem os que descem ao
silêncio”; “Pois os vivos sabem que morrerão, mas os mortos não sabem coisa
nenhuma, nem tampouco têm eles daí em diante recompensa; porque a sua memória
ficou entregue ao esquecimento”. Emprega-se comumente o verbo dormir como
símbolo da morte (I Coríntios 15.51) “Eis aqui vos digo um mistério: Nem todos
dormiremos, mas todos seremos transformados”, ver também; (I Tessanolicenses
4.13-17; etc).
46
A declaração de Jesus, que consolava a seus discípulos com a idéia de que eles
voltariam a estar com ele na ocasião de sua segunda vinda e não na morte, ensina
claramente que o “sono” não é uma comunicação consciente dos justos com o Senhor
(João 14.1-3). Do mesmo modo, Paulo explicou que ao produzir-se o segundo advento,
todos os justos que então estão vivos e os mortos que ressuscitarão neste momento se
unirão simultaneamente com Cristo, sem que os vivos precedam os mortos; (I
Tessanolicenses 4.16-17) “Porque o Senhor mesmo descerá do céu com grande
brado, à voz do arcanjo, ao som da trombeta de Deus, e os que morreram em Cristo
ressuscitarão primeiro; Depois nós, os que ficarmos vivos seremos arrebatados
juntamente com eles, nas nuvens, ao encontro do Senhor nos ares, e assim estaremos
para sempre com o Senhor”.
Se a morte fosse um começo de uma nova existência, não poderia ser chamada
pelas Escrituras de nossa “inimiga” (I Coríntios 15.26) “Ora, o último inimigo a ser
destruído é a morte”; teria de ser chamada de amiga, pois estaria nos ajudando a ir
para o paraíso.
7.3.4. Reflexões sobre imortalidade
Se a pessoa ao morrer fosse para o céu ou para o inferno, que necessidade
haveria de Jesus voltar e nos ressuscitar, se já estivéssemos nesse plano espiritual?
(os de Cristo, na sua vinda - I Coríntios 15.23) “Cada um, porém, na sua ordem: Cristo
as primícias, depois os que são de Cristo, na sua vinda”. É ilógico Jesus enviar-nos do
céu 'em espírito' para a sepultura para depois ter de ressuscitar.
Ao morrermos não iremos para o céu, pois em (Hebreus 11.39-40) os heróis da fé
ainda não obtiveram a concretização da promessa, pois Deus não quer que sem nós
eles sejam aperfeiçoados. (I Coríntios 15.20) “Mas na realidade Cristo foi ressuscitado
dentre os mortos, sendo ele as primícias dos que dormem”.
Jesus diz ser a morte um sono (João 11.11-14). Como harmonizar a doutrina da
imortalidade da alma com o texto de (Mateus 16.27), no qual diz que “a recompensa
será dada quando Jesus voltar”? Se estivessem os mortos no céu, já teriam recebido a
recompensa.
Tal doutrina (vida após a morte) não se harmoniza com a doutrina do Juízo.
Jesus disse em (João 11.25) “Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim,
ainda que esteja morto, viverá”, Ele não disse: “... ainda que morra, vive...” ao
47
contrário, Ele declarou que no futuro trará da sepultura aqueles que morreram nele.
(João 5.28-29) “Não vos admireis disso, porque vem a hora em que todos os que estão
nos sepulcros ouvirão a sua voz e sairão: os que tiverem feito o bem, para a
ressurreição da vida, e os que tiverem praticado o mal, para a ressurreição do juízo”.
Porém os mortos sairão do sepulcro não em corpo material, pois este ao pó retornou, e
junto com aqueles que estiverem vivos serão transformados em corpo espiritual no
arrebatamento (I Tessanolicenses 4.16-17).
7.3.5. Quando receberemos a imortalidade?
Em (João 5.24) o Senhor Jesus diz que ao cremos nele, temos a imortalidade
garantida. Mas isto não significa que hoje tenhamos recebido a imortalidade. Isto fica
claro nos seguintes textos, onde se afirma que a receberemos quando Jesus voltar e
ressuscitar os justos: “Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em
mim, ainda que morra, viverá” (João 11.25); “E serás bem-aventurado, pelo fato de não
terem eles com que recompensar-te; a tua recompensa, porém, tu a receberás na
ressurreição dos justos” (Lucas 14.14); “De fato, a vontade de meu Pai é que todo
homem que vir o Filho e nele crer tenha a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último
dia” (João 6.40). Outros versículos concluem que a
idéia de imortalidade somente se dará quando Cristo voltar: “Ora, todos estes que
obtiveram bom testemunho por sua fé não obtiveram, contudo, a concretização da
promessa, por haver Deus provido coisa superior a nosso respeito, para que eles, sem
nós, não fossem aperfeiçoados” (Hebreus 11.39-40).
“Cada um, porém, por sua própria ordem: Cristo, as primícias; depois, os que são de
Cristo, na sua vinda” (I Coríntios 15.23). “Não queremos, porém, irmãos, que sejais
ignorantes com respeito aos que dormem, para não vos entristecerdes como os
demais, que não têm esperança. Pois, se cremos que Jesus morreu e ressuscitou,
assim também Deus, mediante Jesus, trará, em sua companhia, os que dormem. Ora,
ainda vos declaramos, por palavra do Senhor, isto: nós, os vivos, os que ficarmos até a
vinda do Senhor, de modo algum precederemos os que dormem. Porquanto o Senhor
mesmo, dada a sua palavra de ordem, ouvida a voz do arcanjo, e ressoada à trombeta
de Deus, descerá dos céus, e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro; depois, nós,
os vivos, os que ficarmos, seremos arrebatados juntamente com eles, entre nuvens,
para o encontro do Senhor nos ares, e, assim, estaremos para sempre com o Senhor”
(I Tessanolicenses 4.13-17).
48
7.3.6. Conceitos finais sobre alma, espírito, morte, vida e castigo eterno
A partir da leitura, conclui-se que, o homem é formado por três componentes:
Corpo (pó da terra) /Espírito (fôlego) e Alma (Vida do corpo). Na morte, o corpo sendo
pó ao pó retorna, o espírito volta a Deus quem o deu, e alma permanece inconsciente
(dormindo), até o dia da volta de Cristo onde será ressuscitada e terá parte na árvore
da vida onde alcancará sua imortalidade, ler; (Mateus 10.28).
É necessário que os filhos de Deus se abstenham de toda espécie de mal, para
que Deus os santifique e os conserve até a vinda de Cristo para a salvação (I
Tessanolicenses 5.22-23), (I Pedro 2.11). Após a morte a alma apenas adormece
ficando inconsciente, se mantendo incorrupta (II Timóteo 1.10), pois o corpo não tem
mais vida para sustentá-la, sabendo que, é a alma a que Cristo virá ressuscitar para o
Juízo e não o corpo já decomposto. Os que estiverem vivos serão transformados. A
morte é a prova máxima da fé cristã, que produz aos cristãos uma consciência de
vitória (I Pedro 4.12-13). Os sofrimentos e aflições dessa vida são temporais, e
aperfeiçoa nossa esperança para enfrentar a morte física, que se constitui um passo
para a vida eterna. Ela se torna a porta que se abre para o céu de glória a nós
reservado. A bíblia consola o cristão acerca dos mortos em Cristo quando declara que
a morte do crente é “agradável aos olhos do Senhor” (Salmos 116.15). Diz também
que morrer em Cristo é estar “presente com o Senhor” (II Coríntios 5.8).


Última edição por CRISTÃOCCB em Qui 17 Nov 2011, 10:34 pm, editado 3 vez(es)

CRISTÃOCCB
Quartzo
Quartzo

Número de Mensagens : 64
flag : Brasil
Data de inscrição : 14/11/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A CCB e o sono dos justos

Mensagem por CRISTÃOCCB em Qui 17 Nov 2011, 8:30 pm

O sentido bíblico e doutrinário da morte
- A morte como o salário do pecado; (Romanos 6.23). O
pecado no contexto desse versículo é representado pela
cruel figura de um feitor de escravos que dá a morte como
pagamento. O salário requerido pelo pecado é por
merecimento a morte. Como pagamento, a morte não
aniquila o pecador. A verdade que a bíblia nos ensina que a
morte física não é uma simples cessação da existência, mas
uma conseqüência dolorosa pela prática do pecado, que é
seu pagamento, a sua justa retribuição. Quando morre, o pecador está ceifando na
forma de corrupção aquilo que plantou na forma de pecado; (Gálatas 6.7-8) “Não vos
enganeis; Deus não se deixa escarnecer; pois tudo o que o homem semear, isso
também ceifará; Porque quem semeia na sua carne, da carne ceifará a corrupção; mas
quem semeia no Espírito, do Espírito ceifará a vida eterna”; (II Coríntios 5.10) “Porque
é necessário que todos nós sejamos manifestos diante do tribunal de Cristo, para que
cada um receba o que fez por meio do corpo, segundo o que praticou o bem ou o mal”.
Portanto, a morte física é o primeiro efeito externo e visível da ação do pecado;
(Gênesis 2.17) “mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dessa não comerás;
44
porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás”; (I Coríntios 15.21)
“Porque, assim como por um homem veio a morte, também por um homem veio a
ressurreição dos mortos”; (Tiago 1.15) “então a concupiscência, havendo concebido,
dá à luz o pecado; e o pecado, sendo consumado, gera a morte”.
- A morte é sinal e fruto do pecado. O homem vive inevitavelmente dentro da esfera da
morte e não pode fugir da condenação. Somente quem tem Cristo e o aceitou está fora
dessa esfera. Só em Cristo o homem consegue salvar-se do poder da morte eterna.
Tiago mostra uma relação entre o pecado e a morte, quando diz: “Mas cada um é
tentado, quando atraído e engodado pela sua própria concupiscência. Depois a
concupiscência concebida, dá á luz o pecado; e o pecado consumado, gera a morte”
(Tiago 1.14-15). O pecado, portanto, frutifica e gera a morte.
- A morte foi vencida por Cristo no Calvário. A resposta única, clara, evidente e
independente de quaisquer idéias filosóficas a respeito da morte é a Palavra de Deus
revelada e pronunciada através de Cristo Jesus no calvário, Ele é a última palavra e a
única solução para o problema do pecado e a crueldade da morte; (Romanos 5.17)
“Porque, se pela ofensa de um só, a morte veio a reinar por esse, muito mais os que
recebem a abundância da graça, e do dom da justiça, reinarão em vida por um só,
Jesus Cristo”.
7.3.2. Morte espiritual e morte eterna
A morte espiritual tem dois sentidos na perspectiva bíblica: Positivo e negativo.
No sentido negativo, a morte pode se expressar como “morte no pecado” é um
estado de separação da comunhão com Deus. Significa estar debaixo do pecado, sob
o seu domínio; (Efésios 2.1,5) “Ele vos vivificou, estando vós mortos nos vossos delitos
e pecados; estando nós ainda mortos em nossos delitos, nos vivificou juntamente com
Cristo (pela graça sois salvos)”. O seu efeito é presente e futuro. No presente refere-se
a uma condição temporal de que está separado da vida de Deus (Efésios 4.18)
“entenebrecidos no entendimento, separados da vida de Deus pela ignorância que há
neles, pela dureza do seu coração”. No futuro refere-se ao estado de eterna separação
de Deus, o que acontecerá no Juízo Final; (Mateus 25.46) “E irão eles para o castigo
eterno, mas os justos para a vida eterna”.
No sentindo positivo é a morte espiritual experimentada pelo crente em relação
ao mundo, isto é, a sua pena do pecado foi cancelada e, agora vive livre do domínio do
45
pecado (Romanos 6.14) “Pois o pecado não terá domínio sobre vós, porquanto não
estais debaixo da lei, mas debaixo da graça”. Quanto ao futuro, o verdadeiro cristão
terá a vida eterna, ou seja, a redenção do corpo do pecado; (Apocalipse 21.27; 22.15)
“E não entrará nela coisa alguma impura, nem o que pratica abominação ou mentira;
mas somente os que estão inscritos no livro da vida do Cordeiro; Ficarão de fora os
cães, os feiticeiros, os adúlteros, os homicidas, os idólatras, e todo o que ama e pratica
a mentira”.
A morte eterna é chamada de segunda morte, porque a primeira é a física;
(Apocalipse 2.11) “Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas. O que
vencer, de modo algum sofrerá o dado da segunda morte”. Ela é identificada como
punição do pecado; (Romanos 6.23) “Porque o salário do pecado é a morte, mas o
dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus nosso Senhor”. Também é
denominado castigo eterno, a eterna separação da presença de Deus, não há
possibilidade de arrependimento e perdão (Mateus 25.46). Analisaremos essa questão
no tópico IX.
7.3.3. O estado do homem na morte
Na Bíblia, a morte é comparada a um “sono” cerca de cinqüenta e três vezes,
indicando assim o estado de inconsciência dos mortos até a volta de Jesus (Salmo 6.5)
“Pois na morte não há lembrança de ti; no Seol quem te louvará?”; (13.3) “Considera e
responde-me, ó Senhor, Deus meu; alumia os meus olhos para que eu não durma o
sono da morte”. Outros versículos também mencionam essa idéia (Salmos 88.10-12;
115.17; Isaías 38.18-19; Eclesiastes 9.5-6 e 10; I Tessalonicenses 4.13-16).
A Bíblia não apóia a doutrina popular de que os mortos permanecem conscientes
até a ressurreição, pelo contrário, enfaticamente refuta tal ensinamento (Salmos
115.17; Eclesiastes 9.5) “Os mortos não louvam ao Senhor, nem os que descem ao
silêncio”; “Pois os vivos sabem que morrerão, mas os mortos não sabem coisa
nenhuma, nem tampouco têm eles daí em diante recompensa; porque a sua memória
ficou entregue ao esquecimento”. Emprega-se comumente o verbo dormir como
símbolo da morte (I Coríntios 15.51) “Eis aqui vos digo um mistério: Nem todos
dormiremos, mas todos seremos transformados”, ver também; (I Tessanolicenses
4.13-17; etc).
46
A declaração de Jesus, que consolava a seus discípulos com a idéia de que eles
voltariam a estar com ele na ocasião de sua segunda vinda e não na morte, ensina
claramente que o “sono” não é uma comunicação consciente dos justos com o Senhor
(João 14.1-3). Do mesmo modo, Paulo explicou que ao produzir-se o segundo advento,
todos os justos que então estão vivos e os mortos que ressuscitarão neste momento se
unirão simultaneamente com Cristo, sem que os vivos precedam os mortos; (I
Tessanolicenses 4.16-17) “Porque o Senhor mesmo descerá do céu com grande
brado, à voz do arcanjo, ao som da trombeta de Deus, e os que morreram em Cristo
ressuscitarão primeiro; Depois nós, os que ficarmos vivos seremos arrebatados
juntamente com eles, nas nuvens, ao encontro do Senhor nos ares, e assim estaremos
para sempre com o Senhor”.
Se a morte fosse um começo de uma nova existência, não poderia ser chamada
pelas Escrituras de nossa “inimiga” (I Coríntios 15.26) “Ora, o último inimigo a ser
destruído é a morte”; teria de ser chamada de amiga, pois estaria nos ajudando a ir
para o paraíso.
7.3.4. Reflexões sobre imortalidade
Se a pessoa ao morrer fosse para o céu ou para o inferno, que necessidade
haveria de Jesus voltar e nos ressuscitar, se já estivéssemos nesse plano espiritual?
(os de Cristo, na sua vinda - I Coríntios 15.23) “Cada um, porém, na sua ordem: Cristo
as primícias, depois os que são de Cristo, na sua vinda”. É ilógico Jesus enviar-nos do
céu 'em espírito' para a sepultura para depois ter de ressuscitar.
Ao morrermos não iremos para o céu, pois em (Hebreus 11.39-40) os heróis da fé
ainda não obtiveram a concretização da promessa, pois Deus não quer que sem nós
eles sejam aperfeiçoados. (I Coríntios 15.20) “Mas na realidade Cristo foi ressuscitado
dentre os mortos, sendo ele as primícias dos que dormem”.
Jesus diz ser a morte um sono (João 11.11-14). Como harmonizar a doutrina da
imortalidade da alma com o texto de (Mateus 16.27), no qual diz que “a recompensa[/i][/b]será dada quando Jesus voltar”? Se estivessem os mortos no céu, já teriam recebido a
recompensa.
Tal doutrina (vida após a morte) não se harmoniza com a doutrina do Juízo.
Jesus disse em (João 11.25) “Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim,
ainda que esteja morto, viverá”, Ele não disse: “... ainda que morra, vive...” ao
47
contrário, Ele declarou que no futuro trará da sepultura aqueles que morreram nele.
(João 5.28-29) “Não vos admireis disso, porque vem a hora em que todos os que estão
nos sepulcros ouvirão a sua voz e sairão: os que tiverem feito o bem, para a
ressurreição da vida, e os que tiverem praticado o mal, para a ressurreição do juízo”.
Porém os mortos sairão do sepulcro não em corpo material, pois este ao pó retornou, e
junto com aqueles que estiverem vivos serão transformados em corpo espiritual no
arrebatamento (I Tessanolicenses 4.16-17).
7.3.5. Quando receberemos a imortalidade?
Em (João 5.24) o Senhor Jesus diz que ao cremos nele, temos a imortalidade
garantida. Mas isto não significa que hoje tenhamos recebido a imortalidade. Isto fica
claro nos seguintes textos, onde se afirma que a receberemos quando Jesus voltar e
ressuscitar os justos: “Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em
mim, ainda que morra, viverá” (João 11.25); “E serás bem-aventurado, pelo fato de não
terem eles com que recompensar-te; a tua recompensa, porém, tu a receberás na
ressurreição dos justos” (Lucas 14.14); “De fato, a vontade de meu Pai é que todo
homem que vir o Filho e nele crer tenha a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último
dia” (João 6.40). Outros versículos concluem que a
idéia de imortalidade somente se dará quando Cristo voltar: “Ora, todos estes que
obtiveram bom testemunho por sua fé não obtiveram, contudo, a concretização da
promessa, por haver Deus provido coisa superior a nosso respeito, para que eles, sem
nós, não fossem aperfeiçoados” (Hebreus 11.39-40).
“Cada um, porém, por sua própria ordem: Cristo, as primícias; depois, os que são de
Cristo, na sua vinda” (I Coríntios 15.23). “Não queremos, porém, irmãos, que sejais
ignorantes com respeito aos que dormem, para não vos entristecerdes como os
demais, que não têm esperança. Pois, se cremos que Jesus morreu e ressuscitou,
assim também Deus, mediante Jesus, trará, em sua companhia, os que dormem. Ora,
ainda vos declaramos, por palavra do Senhor, isto: nós, os vivos, os que ficarmos até a
vinda do Senhor, de modo algum precederemos os que dormem. Porquanto o Senhor
mesmo, dada a sua palavra de ordem, ouvida a voz do arcanjo, e ressoada à trombeta
de Deus, descerá dos céus, e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro; depois, nós,
os vivos, os que ficarmos, seremos arrebatados juntamente com eles, entre nuvens,
para o encontro do Senhor nos ares, e, assim, estaremos para sempre com o Senhor”
(I Tessanolicenses 4.13-17).
48
7.3.6. Conceitos finais sobre alma, espírito, morte, vida e castigo eterno
A partir da leitura, conclui-se que, o homem é formado por três componentes:
Corpo (pó da terra) /Espírito (fôlego) e Alma (Vida do corpo). Na morte, o corpo sendo
pó ao pó retorna, o espírito volta a Deus quem o deu, e alma permanece inconsciente
(dormindo), até o dia da volta de Cristo onde será ressuscitada e terá parte na árvore
da vida onde alcancará sua imortalidade, ler; (Mateus 10.28).
É necessário que os filhos de Deus se abstenham de toda espécie de mal, para
que Deus os santifique e os conserve até a vinda de Cristo para a salvação (I
Tessanolicenses 5.22-23), (I Pedro 2.11). Após a morte a alma apenas adormece
ficando inconsciente, se mantendo incorrupta (II Timóteo 1.10), pois o corpo não tem
mais vida para sustentá-la, sabendo que, é a alma a que Cristo virá ressuscitar para o
Juízo e não o corpo já decomposto. Os que estiverem vivos serão transformados. A
morte é a prova máxima da fé cristã, que produz aos cristãos uma consciência de
vitória (I Pedro 4.12-13). Os sofrimentos e aflições dessa vida são temporais, e
aperfeiçoa nossa esperança para enfrentar a morte física, que se constitui um passo
para a vida eterna. Ela se torna a porta que se abre para o céu de glória a nós
reservado. A bíblia consola o cristão acerca dos mortos em Cristo quando declara que
a morte do crente é “agradável aos olhos do Senhor” (Salmos 116.15). Diz também
que morrer em Cristo é estar “presente com o Senhor” (II Coríntios 5.8)

CRISTÃOCCB
Quartzo
Quartzo

Número de Mensagens : 64
flag : Brasil
Data de inscrição : 14/11/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A CCB e o sono dos justos

Mensagem por Eduardo em Dom 20 Nov 2011, 11:18 am

Na Bíblia, a morte é comparada a um “sono” cerca de cinqüenta e três vezes...
É incrivel como os imortalistas não encontraram nenhum desses textos.


Visite-me no Fórum Adventista:

http://adventista.forumbrasil.net/

Eduardo
‎Moderador Adventista
‎Moderador Adventista

Número de Mensagens : 8396
Idade : 40
flag : Brasil
Data de inscrição : 17/10/2008

http://adventista.forumbrasil.net/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A CCB e o sono dos justos

Mensagem por famado em Dom 20 Nov 2011, 1:37 pm

A doutrina do sono da morte falha nos seguintes pontos:

1 - É basicamente firmada sobre o VT, que não serve como fonte doutrinária;
2 - O "mundo" onde Deus está não está sujeito ao crónous. O tempo é uma grandeza física natural deste mundo material onde vivemos.
3 - O NT fala que o juízo segue-se à morte. Como o tempo é relativo, é provável que os mortos já estejam vivendo o porvir, pós-juízo. Contudo não garanto, porque este é um tema muito controverso. O que é importante dizer é que o NT não confirma o sono da morte.

famado
Sirius
Sirius

Número de Mensagens : 3373
Idade : 48
flag : Brasil
Data de inscrição : 26/02/2009

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A CCB e o sono dos justos

Mensagem por Eduardo em Dom 20 Nov 2011, 1:41 pm

famado escreveu:2 - O "mundo" onde Deus está não está sujeito ao crónous.
Mas nós estamos, e somos nós que seguimos a revelação.
1 - É basicamente firmada sobre o VT, que não serve como fonte doutrinária;
Você faz parte do 0,01% dos cristãos que crêem nisso. Nesse ponto você não faz parte da ortodoxia.
3 - O NT fala que o juízo segue-se à morte. Como o tempo é relativo, é provável que os mortos já estejam vivendo o porvir, pós-juízo. Contudo não garanto, porque este é um tema muito controverso. O que é importante dizer é que o NT não confirma o sono da morte.
Mas para nós o juizo ainda vai se realizar, estamos presos ao tempo.


Visite-me no Fórum Adventista:

http://adventista.forumbrasil.net/

Eduardo
‎Moderador Adventista
‎Moderador Adventista

Número de Mensagens : 8396
Idade : 40
flag : Brasil
Data de inscrição : 17/10/2008

http://adventista.forumbrasil.net/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A CCB e o sono dos justos

Mensagem por CRISTÃOCCB em Dom 20 Nov 2011, 2:10 pm

Amado, Tanto o Antigo como o Novo Testamento é claro em dizer, que o HOMEM é uma Alma VIVENTE, e Não que ele TENHA UMA ALMA VIVENTE, os teologos baseados no Conceito Grego, acreditam em uma Alma Imortal, mas isto está errado, está escrito, QUE TODA ALMA QUE PECAR ESSA MORRERÁ, não existe alma Imortal, existe sim O ESPIRITO IMORTAL, seria errados ensinar que o Espirito DORME, porém a Alma nada mais é que a JUNÇÃO do corpo com o Espirito, quando o homem morre o pó volta a terra, e o Espirito volta há DEUS, a Alma deixa de exitir pois sem corpo e sem Espirito não existe alma. É IMPOSSIVEL. exitir Vida sem corpo, o Espirito é o folego de vida dada por DEUS ele é o Pai de todos Espiritos, ELE É O ESPIRITO ETERNO, os anjos são espiritos ministradores, mas ele tem corpo, de uma natureza diferente da nossa mais tem, Satanaz é um espirito Mal mas ele tem Corpo Inclusive, é comparado com um Dragão, o Verbo eterno, apesar de ser a Essencia da Divinida adquiriu um corpo terreno, por isso é verdadeiro homem, e assim ressucitando fazendo se primicia dos que " DORMEM" num corpo glorioso agora está a direita do Pai, os Test de Jeová erram em querer diminuir o poder de Cristo quando a biblia diz que ele está a direita do Pai o que eles não entedem que o Verbo eterno é o proprio DEUS que SAIU do Pai, e adquiriu UM CORPO, e e por ele ter esse Corpo é DISTINTO DO PAI. e quando ele tomou a destra da Magestade que Inclui o Pai , ele o Filho, o Espirito Santo, foi envaido como Consolador, antes da Manifestação do Cristo seria impossivél ENSINAR SOBRE A TRINDADE, pois ela EXISITIA, como UNICO DEUS VERDADEIRO, e demosntradas em diversas passagens como em 1º de Genises, porém a DISTINÇÃO, só veio ser comprendida na MANIFESTAÇÃO DO FILHO DE DEUS. por isso após crer em Jesus Cristo qual a maior esperança do Homem NA RESSUREIÇÃO, a Doutrina é essa CONVERSÃO, SANTIFICAÇÃO E REDENÇÃO, se a Alma fosse imortal para que necessitaria da ressureição, se já estivessem com Cristo por que necessitariam de ser despertadas, não há logica, PORÉM A DOUTRINA BIBLIA É CLARA, no spulcor não a lembranças no Sepulcro não há louvor, todos DORMEM. e serão despertados uns PARA VIDA ETERNA outros para CONDENAÇAO ETERNA, o fundamento dessa DOUTRINA APESAR DE CONTER NO ANTIGO TESTAMENTO, É TOTALMENTE NÉO TESTAMENTÁRIA VEJAMOS: os que Dormiram antes de Cristo dormiram no pó da terra ou seja Sem ter a Certeza da Rdenção, mas em esperança enchegando de longe na promessa do redendentor como disse daniel:E muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para vida eterna, e outros para vergonha e desprezo eterno.
Daniel 12:2

Mas com a manifestação de Cristo já não dormimos mais simplesmente no pó mas em Cristo que é CERTEZA da RESSUREIÇÃO pois ele é O PRIMEIRO ENTRE MUIOTOS IRMÃOS OU SEJA, ele ressucitou ele é O MODELO, de todo o projeto

Porque, se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também aos que em Jesus dormem, Deus os tornará a trazer com ele.
1 Tessalonicenses 4:14
Mas de fato Cristo ressuscitou dentre os mortos

Antes de Cristo o homem dormia no pó muitos sem esperança da ressureição, exemplo disso OS SADUCEUS que não criam na ressureição,MAS PAULO ENSINA QUE AGORA PODEMOS TER ESPERANÇA E REAL CERTEZA QUE OS QUE DOREM RECUSSITARÃO

Não quero, porém, irmãos, que sejais ignorantes acerca dos que já dormem, para que não vos entristeçais, como os demais, que não têm esperança.
1 Tessalonicenses 4:13

QUANDO ALGUEM MORRE, PAULO ENSINA QUE NÃO DEVEMOS CONSOLAR DIZENDO QUE ESSA PESSOA ESTÁ NOS CÉUS, MAS QUE ELA IRA RECUSSITAR, E MARTA E MARIA SABIA DESSA VERDADE QUANDO SEU IRMÃO LAZARO MORREU, SABIM QUE ELE VOLTARIA SOMENTE NA RESSUREIÇAO DO ULTIMO DIA, QUANDO LAZARO FI RECUSSITADO POR CRISTO ELE NÃO CONTOU ONDE ELE ESTAVA ANTES NADA FOI MENCIONADO PORQUE DE NADA ELE SE LEMBROU SE LEMBROU DO MOMENTO EM QUE DORMIU BEM COMO DOS MOMENTOS QUE TINHA PASSADO EM VIDA, AO DESPERTAR ELE CONTINUOU A VIVER COMO SE TIVESSE DORMIDO, UM SONO SEM SONHOS, NO ULTIMO DIA AO RECUSSITARMOS TEREMOS CONSICIENCIA DE QUEM SOMOS, TEREMOS NOSSA PERSONALIDADE, RECORDAREMOS DE NOSSA PARTIDA, POR MAIS QUE PASSAR MIL ANOS, PARA NOS SERA COMO SE DIVESSEMOS DEITADOS E LEVANTADOS, FOI UM REPOUSO, PO ISSO É PRECIOSA AOS OLHOS DO SENHOR A MORTE DOS SEUS SANTOS, POIS, QUANDO MORREMOS NÓS VENCEMOS, NÃO CORREMOS PERIGOS MAIS, DE SE DESVIAR DA FÉ, ESTAMOS SEGUROS, ACABA-SE O LABOR, POIS ISSO DISSE PAULO TERMINEI A CARREIRA GUARDEI A FÉ, AGORA RESTA A RECEBER A COROA DO JUSTO JUIZ, ELE NÃO RECEBERIA A COROA APOS MORRER, MAS SOMENTE QUANDO RECUSSITASE.

ALGUNS VERSOS PARA MEDITAÇAO.

Depois foi visto, uma vez, por mais de quinhentos irmãos, dos quais vive ainda a maior parte, mas alguns já dormem também.
1 Coríntios 15:6

Preciosa é à vista do SENHOR a morte dos seus santos.
Salmos 116:15

CRISTÃOCCB
Quartzo
Quartzo

Número de Mensagens : 64
flag : Brasil
Data de inscrição : 14/11/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A CCB e o sono dos justos

Mensagem por famado em Dom 20 Nov 2011, 2:16 pm

Eduardo escreveu:
1 - É basicamente firmada sobre o VT, que não serve como fonte doutrinária;
Você faz parte do 0,01% dos cristãos que crêem nisso. Nesse ponto você não faz parte da ortodoxia.

A ortodoxia não fala que o VT é fonte doutrinária. O máximo que ela fala é que a bíblia é a única fonte inspirada (sola scriptura), logo minha opinião não é heterodoxa e nem herética.

Além do mais, doutrinas que se baseiam no VT não as piores que eu conheço:

O dízimo, a teologia da prosperidade... Os pastores que pregam isso têm muitos motivos para sustentar tal doutrina não é mesmo?...


famado
Sirius
Sirius

Número de Mensagens : 3373
Idade : 48
flag : Brasil
Data de inscrição : 26/02/2009

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A CCB e o sono dos justos

Mensagem por Eduardo em Dom 20 Nov 2011, 2:45 pm

famado escreveu:
Eduardo escreveu:
1 - É basicamente firmada sobre o VT, que não serve como fonte doutrinária;
Você faz parte do 0,01% dos cristãos que crêem nisso. Nesse ponto você não faz parte da ortodoxia.
A ortodoxia não fala que o VT é fonte doutrinária....
A Confissão de Fé de Westminster, baluarte da ortodoxia, afirma que o AT e o NT são fonte doutrinária e por isso "em todas as controvérsias religiosas a Igreja deve apelar para eles como para um supremo tribunal".

http://www.monergismo.com/textos/credos/cfw.htm

CONFISSÃO DE FÉ BATISTA DE NEW HAMPSHIRE (1833)

"CONFISSÃO DE FÉ

Das Escrituras

Cremos que a Bíblia Sagrada foi escrita por homens divinamente inspirados, e é um perfeito tesouro de instrução celestial; que tem Deus como seu autor, salvação como seu fim, e verdade sem qualquer mistura de erro como seu conteúdo; que ela revela os princípios pelos quais Deus nos julgará; e por isso é, e continuará sendo até o fim do mundo, o verdadeiro centro da união cristã, e o supremo padrão pelo qual toda conduta, credos, e opiniões humanas devem ser julgados."
http://www.luz.eti.br/do_declaracaobatista1833.html

As demais que dão autoridade a toda a escritura são:

Data
Confissão
Comentário
1529
Catecismo Menor
Trata-se de uma síntese das doutrinas bíblicas essenciais direcionadas ao povo.
1529
Catecismo Maior
Trata-se de uma “repetição” do Catecismo Menor, porém, com explicações doutrinárias minuciosamente direcionadas aos adultos.
1530
Confissão de Augsburgo
Elaborada na Alemanha, a pedido do imperador Carlos V, e compiladas por Philipp Melanchthon, é considerada a principal confissão de fé luterana e reúne, ao todo, 28 artigos, divididos em duas partes: as que tratavam de fé e doutrina (1-21) e as que tratavam dos abusos medievais, corrigidos pelos luteranos (22-28).
1531
A Apologia da Confissão
Trata-se de uma defesa do conteúdo doutrinário exposto na Confissão de Augsburgo.
1536
Confissões Helvéticas
Trata-se de documentos doutrinários expositivos sobre a fé comum das igrejas protestantes suíças. Foi, sem dúvida, uma das mais conhecidas confissões reformadas entre os protestantes.
1537
Artigos de Esmalcalde
Além de fazer apologia à Confissão de Augsburgo, se alonga na exposição da doutrina da Santa Ceia.
1558
Confissão de Fé de Guanabara
Foi elaborada na Bahia de Guanabara, no Rio de Janeiro, pelos calvinistas refugiados da França. Perseguidos e condenados à pena capital, esses calvinistas foram obrigados, antes de serem mortos, a professar, por escrito, sua fé, documento que se tornou a primeira confissão de fé na América.
1559
Confissão Galicana
Também chamada de Confissão de La Rochelle, foi o resultado do primeiro Sínodo da Igreja Reformada Francesa. Esse documento foi inteiramente redigido pelo reformador João Calvino.
1560
Confissão de Fé Escocesa
Documento erudito elaborado por John Knox e outros cinco “Johns” (Willock, Winram, Spottiswood, Row e Douglas). Redigido após a guerra civil escocesa, suas doutrinas centrais são a eleição dos santos e a igreja.
1561
Confissão Belga
Trata-se de 37 artigos elaborados por Guido de Brès. Adotados pelo Sínodo de Dort, em 1619, tornaram-se o modelo confessional das igrejas reformadas holandesas e belgas.
1563
Os 30 Artigos
Trata-se das declarações doutrinárias aceitas pela Igreja da Inglaterra que consubstanciaram a fé anglicana (episcopal) em face do catolicismo romano.
1577
Fórmula de Concórdia
Trata-se de uma exposição doutrinária sobre o pecado original, a salvação pela graça e a cristologia.
1618
Cânones do Sínodo de Dort
Baseada nas confissões das igrejas reformadas, o Sínodo de Dort foi o resultado dos cinco artigos de fé disputados na Holanda: a divina eleição e reprovação; a morte de Cristo e a redenção do homem por meio dela; a corrupção do homem, sua conversão a Deus e como essa conversão ocorria; e a perseverança dos santos.
1646
Confissão de Westminster
Incontestavelmente, o resultado mais importante da teologia do século 18. Foi norteada por quatro grandes princípios: a autoridade das Escrituras, a soberania de Deus, os direitos da consciência e a responsabilidade da Igreja em seu campo de atuação.


Visite-me no Fórum Adventista:

http://adventista.forumbrasil.net/

Eduardo
‎Moderador Adventista
‎Moderador Adventista

Número de Mensagens : 8396
Idade : 40
flag : Brasil
Data de inscrição : 17/10/2008

http://adventista.forumbrasil.net/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A CCB e o sono dos justos

Mensagem por Conteúdo patrocinado Hoje à(s) 2:01 pm


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum