.....................................................
Que bom que você entrou Convidado
Últimos assuntos
» Palavras são palavras, nada mais do que palavras. Será?
Hoje à(s) 7:37 pm por Eterna

» Livre arbítrio, auto idolatria
Hoje à(s) 4:17 pm por Justo

» Noticiário Escatológico
Hoje à(s) 2:38 pm por Jarbas

» Mulher de piloto do voo da Chapecoense pede desculpas: "Ele não é bandido"
Hoje à(s) 2:08 pm por gusto

» Onde congregar?
Hoje à(s) 1:39 pm por gusto

» A religião e o ateísmo - tópico oficial
Hoje à(s) 12:50 pm por gusto

» Um conselho aos debatedores de internet
Hoje à(s) 10:23 am por gusto

» A Verdadeira Liberdade
Hoje à(s) 10:02 am por gusto

» Frases
Hoje à(s) 9:54 am por gusto

Quem está conectado
62 usuários online :: 2 usuários cadastrados, Nenhum Invisível e 60 Visitantes :: 2 Motores de busca

Eterna, Lit San Ares

O recorde de usuários online foi de 2364 em Seg 19 Dez 2011, 5:49 pm
Consulta Bíblica
Ex: fé - Ex: Gn 1:1-10

Falando em chibata-Como educar seu filho

Página 3 de 4 Anterior  1, 2, 3, 4  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: Falando em chibata-Como educar seu filho

Mensagem por Convidad em Sex 13 Maio 2011, 12:26 pm

Cal escreveu:
lordakner escreveu:
Jan Mozol escreveu:Ah tá! Suzanne Richtofen era classe baixa,seus pais a surravam...
Acorda lordakner!
Seja bem sincero:nunca apanhou de seus pais??

Não. Nunca apanhei.
E não me fez falta. oh my
x2

Nunca apanhei de meus pais e isso nunca atrapalhou minha educação.

Olhe a resposta que dei ao Akner logo acima , em resumo : você o diz assim , é tua ótica , mas não necessariamente a dos outros. Existem milhares de graduações morais, em alguns pontos você , a nosso ver, poderia ter-se beneficiado de pais mais exigentes , você poderá dizer o mesmo de nós , em sentido contrário.
Depois olhe os estudos apensados por mim , o que valerá mesmo nossos testemunhos pessoais e relativos à nossa binocularidade pessoal, perante 2.600 casos estudados ? Vcs dizem gostar de racionalidade, os fatos a trouxeram.

Outra coisa , que a surra não é a única restrição possível , você foi restringido quando lia livros com algum cunho religioso implícito , quando lia e via fábulas entre bem vs mal , quando foi influenciado por professores e parentes , amigos , pelo caráter de seus pais , pelos programas que escolhia , pelos hobbys que patrocinava , etc.. teu mundo particular não cria amostragem por conta de toda esta leva de fatores , mas um filho rebelde que não obedeça os pais , ainda criará SOZINHO uma amostragem, pois neste caso vcs teriam que dizer O QUE FAZER , QUAL RECURSO sobraria aos pais... e ainda não disseram.




Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Falando em chibata-Como educar seu filho

Mensagem por Convidad em Sex 13 Maio 2011, 12:27 pm

Diego escreveu:
lordakner escreveu:
Diego escreveu:
Jan Mazol escreveu: Ah tá! Suzanne Richtofen era classe baixa,seus pais a surravam...
Acorda lordakner!
Seja bem sincero:nunca apanhou de seus pais??
Se sim:vc os odeia?
Vamos rever as últimas notícias de filhos que mataram ou espancaram pais e vejamos seus níveis socias...

Concordo que o Akner usou um estudo que comprova que os mais miseráveis são os mais vitimados por agressão, mas isso pode ocorrer em qualquer nível social, ou não?

Não sei se a Suzana R. sofreu agressão, assim tbm não sei se recebeu os cuidados necessários de uma educação baseada na confiança e amizade ( isso se enquadra a qualquer sociopata). O fato dos pais da Suzana serem psicólogos e ricos não quer dizer que criavam bem seus filhos, além é claro que estamos falando de humanos, que com o tempo toma suas próprias decisões, baseadas ou não na criação.

Suzana não era uma "menina mimadinha" que "fez maldade".
Ela se enquadra na Psico-SOCIOPATIA, doença mental com quadro clínico definido.
Só chamou a atenção por ser rica.
Existem milhares de casos semelhantes.
É DOENÇA.

Pois é!! Não são tipos de educação que define o cidadão, muito embora fazem peso.

Hitler apanhou e no que deu ?
SuZana não aponhou e no que deu ?

A Educação deve ser moldada na confiança, se alguém consegue moldar outro na porrada que o faça.

aguardando :
O QUE JEOVÁ DIZ ? só sobre o sábado e prepúcio , ou nos orienta sobre isto também , em sua GRANDE sabedoria ?

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Falando em chibata-Como educar seu filho

Mensagem por Convidad em Sex 13 Maio 2011, 12:29 pm

lordakner escreveu:
Jan Mozol escreveu:não é,mas demonstra quem defende o que.
Mostra que quando confrontadas as pessoas demonstram uma dualidade que beira a tolice.Confundem o crime de agressão com a educação de milhares de anos que tem dado certo.
Tem dado "tanto certo" que vocês vivem apregoando o "fim do Mundo", pois o "Mundo está podre", "A sociedade está corrmpida" etc.
Tudo fruto do modêlo educacional que estão defendendo.
Sabia que Hitler apanhava feito um cão, quando criança? oh my

e está, na holanda sexo é permitido com meros 12 anos , e sem consentimento dos pais , então é óbvio que não foi o conservadorismo que criou isto , foi o secularismo e esta cultura de 'deixe cada um ser feliz como quer, ninguém limite, ninguém condene , ninguém castigue' , estamos às portas de oficializar a pedofilia , e em alguns lugares já existe, este declive escorregadio não tem fim , e não fomos nós que criamos , foi a ideologia de vocês.


Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Falando em chibata-Como educar seu filho

Mensagem por lordakner em Sex 13 Maio 2011, 12:58 pm

Articulador escreveu:
lordakner escreveu:
Diego escreveu:
Jan Mazol escreveu: Ah tá! Suzanne Richtofen era classe baixa,seus pais a surravam...
Acorda lordakner!
Seja bem sincero:nunca apanhou de seus pais??
Se sim:vc os odeia?
Vamos rever as últimas notícias de filhos que mataram ou espancaram pais e vejamos seus níveis socias...

Concordo que o Akner usou um estudo que comprova que os mais miseráveis são os mais vitimados por agressão, mas isso pode ocorrer em qualquer nível social, ou não?

Não sei se a Suzana R. sofreu agressão, assim tbm não sei se recebeu os cuidados necessários de uma educação baseada na confiança e amizade ( isso se enquadra a qualquer sociopata). O fato dos pais da Suzana serem psicólogos e ricos não quer dizer que criavam bem seus filhos, além é claro que estamos falando de humanos, que com o tempo toma suas próprias decisões, baseadas ou não na criação.

Suzana não era uma "menina mimadinha" que "fez maldade".
Ela se enquadra na Psico-SOCIOPATIA, doença mental com quadro clínico definido.
Só chamou a atenção por ser rica.
Existem milhares de casos semelhantes.
É DOENÇA.

ah sim , tudo é 'genético' quando vocês querem diferir determinados comportamentos para blindá-los por algum motivo conveniente , no entanto a justiça não a colocou em um hospital psiquiátrico, foi em presídio comum mesmo . A realidade não admite sofismas assim. Ela era mesmo doente , MORALMENTE , e o pai e mãe criaram ela desta maneira, ao deixarem ela ser incontrolável até a idade de sua monstruosidade. você quer se mostrar como exemplo ... já vimos que isto seria questionável , Suzane é exemplo perfeito , ela seria ERA TIDA como bom exemplo por seus familiares, antes do ocorrido , então ficamos claro que este método não dá samba , porque aí deveríamos discutir se é moral alguém que defenda aborto e homossexualismo , contra alguém que os recrimine , teu óculos , não serão nossos óculos , no entanto vocês sempre querem erigir vossos FAKES , COMO SE ser um ser moral é simplesmente não roubar ou matar , não Akner, a coisa envolve muito mais que isto , muito mais do que meramente fazer o mínimo que a polícia social já impede e impoe.


Os
estudos científicos modernos têm concentrado esforços na análise
de questões bem mais intangíveis, como a psicopatia, distúrbio
psiquiátrico de diagnóstico complexo. O psicopata não é
um deficiente mental e tampouco sofre de alucinações ou problemas
de identidade, como pode ocorrer com as vítimas da esquizofrenia. É
um sujeito, muitas vezes, com inteligência acima da média. Pode ainda
ser simpático e sedutor – e usar essas qualidades para mentir e enganar
os outros.
Embora no plano intelectual entenda perfeitamente a diferença
entre o certo e o errado, o psicopata não é dotado de emoções
morais: não tem arrependimento, culpa, piedade nem vergonha. É incapaz
de nutrir qualquer empatia pelo próximo. "Para um psicopata, atirar em
uma pessoa e jogar fora um copo plástico são atos muito parecidos",
diz o neurologista Ricardo de Oliveira-Souza, da Unirio.


Um estudo realizado
em 2002, na Nova Zelândia, com mais de 400 homens, aponta para relações
bem mais complexas entre genética e ambiente na formação
da personalidade violenta. A atividade de um gene específico, chamado MAOA,
foi examinada. Em algumas pessoas, o gene é mais ativo do que em outras
– cerca de 37% dos homens possuem o gene de baixa atividade. Em estudos com
ratos, esse gene era determinante na agressividade.


http://veja.abril.com.br/100107/p_082.html

lordakner
Arcturus
Arcturus

Número de Mensagens : 5811
flag : Brasil
Data de inscrição : 27/08/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Falando em chibata-Como educar seu filho

Mensagem por lordakner em Sex 13 Maio 2011, 1:04 pm

Articulador escreveu:
lordakner escreveu:
Jan Mozol escreveu:não é,mas demonstra quem defende o que.
Mostra que quando confrontadas as pessoas demonstram uma dualidade que beira a tolice.Confundem o crime de agressão com a educação de milhares de anos que tem dado certo.
Tem dado "tanto certo" que vocês vivem apregoando o "fim do Mundo", pois o "Mundo está podre", "A sociedade está corrmpida" etc.
Tudo fruto do modêlo educacional que estão defendendo.
Sabia que Hitler apanhava feito um cão, quando criança? oh my

e está, na holanda sexo é permitido com meros 12 anos , e sem consentimento dos pais , então é óbvio que não foi o conservadorismo que criou isto.


E são os 16.531.00 de Holandeses é que determinam o Quoeficente Moral do Planeta Terra?
É por isso que o mundo tem de acabar?
Quantos pedófilos nasceram na Holanda?
E quantos, Nos EUA, "Uma Nação sob o Senhor"? oh my

lordakner
Arcturus
Arcturus

Número de Mensagens : 5811
flag : Brasil
Data de inscrição : 27/08/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Falando em chibata-Como educar seu filho

Mensagem por Convidad em Sex 13 Maio 2011, 1:07 pm

lordakner escreveu:
Articulador escreveu:
lordakner escreveu:
Diego escreveu:
Jan Mazol escreveu: Ah tá! Suzanne Richtofen era classe baixa,seus pais a surravam...
Acorda lordakner!
Seja bem sincero:nunca apanhou de seus pais??
Se sim:vc os odeia?
Vamos rever as últimas notícias de filhos que mataram ou espancaram pais e vejamos seus níveis socias...

Concordo que o Akner usou um estudo que comprova que os mais miseráveis são os mais vitimados por agressão, mas isso pode ocorrer em qualquer nível social, ou não?

Não sei se a Suzana R. sofreu agressão, assim tbm não sei se recebeu os cuidados necessários de uma educação baseada na confiança e amizade ( isso se enquadra a qualquer sociopata). O fato dos pais da Suzana serem psicólogos e ricos não quer dizer que criavam bem seus filhos, além é claro que estamos falando de humanos, que com o tempo toma suas próprias decisões, baseadas ou não na criação.

Suzana não era uma "menina mimadinha" que "fez maldade".
Ela se enquadra na Psico-SOCIOPATIA, doença mental com quadro clínico definido.
Só chamou a atenção por ser rica.
Existem milhares de casos semelhantes.
É DOENÇA.

ah sim , tudo é 'genético' quando vocês querem diferir determinados comportamentos para blindá-los por algum motivo conveniente , no entanto a justiça não a colocou em um hospital psiquiátrico, foi em presídio comum mesmo . A realidade não admite sofismas assim. Ela era mesmo doente , MORALMENTE , e o pai e mãe criaram ela desta maneira, ao deixarem ela ser incontrolável até a idade de sua monstruosidade. você quer se mostrar como exemplo ... já vimos que isto seria questionável , Suzane é exemplo perfeito , ela seria ERA TIDA como bom exemplo por seus familiares, antes do ocorrido , então ficamos claro que este método não dá samba , porque aí deveríamos discutir se é moral alguém que defenda aborto e homossexualismo , contra alguém que os recrimine , teu óculos , não serão nossos óculos , no entanto vocês sempre querem erigir vossos FAKES , COMO SE ser um ser moral é simplesmente não roubar ou matar , não Akner, a coisa envolve muito mais que isto , muito mais do que meramente fazer o mínimo que a polícia social já impede e impoe.


Os
estudos científicos modernos têm concentrado esforços na análise
de questões bem mais intangíveis, como a psicopatia, distúrbio
psiquiátrico de diagnóstico complexo. O psicopata não é
um deficiente mental e tampouco sofre de alucinações ou problemas
de identidade, como pode ocorrer com as vítimas da esquizofrenia. É
um sujeito, muitas vezes, com inteligência acima da média. Pode ainda
ser simpático e sedutor – e usar essas qualidades para mentir e enganar
os outros.
Embora no plano intelectual entenda perfeitamente a diferença
entre o certo e o errado, o psicopata não é dotado de emoções
morais: não tem arrependimento, culpa, piedade nem vergonha. É incapaz
de nutrir qualquer empatia pelo próximo. "Para um psicopata, atirar em
uma pessoa e jogar fora um copo plástico são atos muito parecidos",
diz o neurologista Ricardo de Oliveira-Souza, da Unirio.


Um estudo realizado
em 2002, na Nova Zelândia, com mais de 400 homens, aponta para relações
bem mais complexas entre genética e ambiente na formação
da personalidade violenta. A atividade de um gene específico, chamado MAOA,
foi examinada. Em algumas pessoas, o gene é mais ativo do que em outras
– cerca de 37% dos homens possuem o gene de baixa atividade. Em estudos com
ratos, esse gene era determinante na agressividade.


http://veja.abril.com.br/100107/p_082.html


SE isto fosse conclusivo , não haveriam mais julgamentos de psicopatas, bastaria identificar este gene , e já descobrir a GRADUAÇÃO de influência que ele teria no comportamento alheio. No entanto vc conhece algum tribunal do mundo que faça isto no automático , sem pesar o circunstânciamento da culpa-delito-agravantes ? Pois é , Suzane NÃO está presa em instituição psiquiátrica , então a justiça RECONHECEU que ela tinha plena consciência , e poderia EVITAR seus atos. Até porque , se 37% de pessoas tem genes menos ativos , teríamos que induzir que 37% das pessoas seriam psicopatas , te parece lógico isto ? vcs compram muito abrobrinha pseudo-científica sem meditar, porque convém.

Esta conversa de geneticidade do psicopata é a mesmo truque do homossexualismo 'genético', criam-se ilações e estudos cheios de falhas epistêmicas , amostragens eivadas de tendências , e conclusividades tendênciosas - todos sabem que o meio de criação envolve MUITO mais predominância do que qualquer disposição genética , SE houver alguma predisposição genética significativa , porque esta conversa nos levaria a justificar qualquer nervosinho que sair atirando em alguém porque ultrapassou o semáforo vermelho.




Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Falando em chibata-Como educar seu filho

Mensagem por Convidad em Sex 13 Maio 2011, 1:09 pm

lordakner escreveu:
Articulador escreveu:
lordakner escreveu:
Jan Mozol escreveu:não é,mas demonstra quem defende o que.
Mostra que quando confrontadas as pessoas demonstram uma dualidade que beira a tolice.Confundem o crime de agressão com a educação de milhares de anos que tem dado certo.
Tem dado "tanto certo" que vocês vivem apregoando o "fim do Mundo", pois o "Mundo está podre", "A sociedade está corrmpida" etc.
Tudo fruto do modêlo educacional que estão defendendo.
Sabia que Hitler apanhava feito um cão, quando criança? oh my

e está, na holanda sexo é permitido com meros 12 anos , e sem consentimento dos pais , então é óbvio que não foi o conservadorismo que criou isto.


E são os 16.531.00 de Holandeses é que determinam o Quoeficente Moral do Planeta Terra?
É por isso que o mundo tem de acabar?
Quantos pedófilos nasceram na Holanda?
E quantos, Nos EUA, "Uma Nação sob o Senhor"? oh my

Ué, os países nórdicos não lhes servem quando é para falar do quão rápido o secularismo está entrando nos países cristãos ? é evidente que 16milhões de pessoas servem como amostragem , assim como e mais evidente tua falácia de 'no senhor', para um paises que está em processo de secularismo tão avançado quanto a Holanda , e de sincretismo (como já lhe demonstrei) , ainda bem anterior.


Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Falando em chibata-Como educar seu filho

Mensagem por Jan Mozol em Sex 13 Maio 2011, 1:12 pm

lordakner escreveu:
Jan Mozol escreveu:
Num lugar defende-se a chibata cubana,a morte de inocentes e em outro fala-se que cristãos são doentes por educar seus filhos da maneira que foram educados e deu certo.
Aceita-se somente as excessões que deram errado,e quando confrontados com uma prova de que a falta de porrada gerou um monstro,aí sim falam em excessão...

a) Eu não citei "cristãos" em momento algum. Você esta supondo isso, numa mania de perseguição que beira a paranóia.
b) Não é o lugar para essa comparação, mas se Cuba te incomoda tanto porque não se lembra das torturas perpetradas AQUI no Brasil, pelos ditadores fantoches da "Família e Prosperidade"?
c) Se "Falta de Porrada" gerou um monstro (Deve ser a Suzane) basta que você estabeleça a tal "Falta de Porrada" como CAUSA DIRETA do comportamento SOCIOPATA dela. A comunidade Psiquiátrica e eu aguardamos sua tese.
Então vc confirma que a unica diferença para vc idolatrar uns e espezinhar outros é a ideologia....se for de esquerda (comprometida com a destruição de valores morais,que dão certo hà séculos) ok.
Mas se for de direita aí não!
Lord,mais uma vez vc prova que o que te move é a ideologia pura e simples.
O resto que vc diz é balela para apoiar o vale-tudo da esquerda.
Muito interessante essa causa-efeito entre ateus e esquerda.


"Pois eu digo: Jesus Cristo virá nos arrebatar em 2010...
Maranata.
"Eis que venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa." (Apocalipse 3 : 11)"

Néééé!
O certo é isso:
“Que não vos movais facilmente do vosso entendimento, nem vos perturbeis, quer por espírito, quer por palavra, quer por epístola, como de nós, como se o dia de Cristo estivesse já perto. Ninguém de maneira alguma vos engane; porque não será assim sem que antes venha a apostasia, e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição, O qual se opõe, e se levanta contra tudo o que se chama Deus, ou se adora; de sorte que se assentará, como Deus, no templo de Deus, querendo parecer Deus” (2Ts 2.2-4)ACF

Jan Mozol
Sirius
Sirius

Número de Mensagens : 3574
Idade : 54
flag : Argentina
Data de inscrição : 27/04/2008

http://www.thundercnc.com.br

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Falando em chibata-Como educar seu filho

Mensagem por lordakner em Sex 13 Maio 2011, 2:58 pm

Articulador escreveu:
lordakner escreveu:
Articulador escreveu:
lordakner escreveu:
Diego escreveu:
Jan Mazol escreveu: Ah tá! Suzanne Richtofen era classe baixa,seus pais a surravam...
Acorda lordakner!
Seja bem sincero:nunca apanhou de seus pais??
Se sim:vc os odeia?
Vamos rever as últimas notícias de filhos que mataram ou espancaram pais e vejamos seus níveis socias...

Concordo que o Akner usou um estudo que comprova que os mais miseráveis são os mais vitimados por agressão, mas isso pode ocorrer em qualquer nível social, ou não?

Não sei se a Suzana R. sofreu agressão, assim tbm não sei se recebeu os cuidados necessários de uma educação baseada na confiança e amizade ( isso se enquadra a qualquer sociopata). O fato dos pais da Suzana serem psicólogos e ricos não quer dizer que criavam bem seus filhos, além é claro que estamos falando de humanos, que com o tempo toma suas próprias decisões, baseadas ou não na criação.

Suzana não era uma "menina mimadinha" que "fez maldade".
Ela se enquadra na Psico-SOCIOPATIA, doença mental com quadro clínico definido.
Só chamou a atenção por ser rica.
Existem milhares de casos semelhantes.
É DOENÇA.

ah sim , tudo é 'genético' quando vocês querem diferir determinados comportamentos para blindá-los por algum motivo conveniente , no entanto a justiça não a colocou em um hospital psiquiátrico, foi em presídio comum mesmo . A realidade não admite sofismas assim. Ela era mesmo doente , MORALMENTE , e o pai e mãe criaram ela desta maneira, ao deixarem ela ser incontrolável até a idade de sua monstruosidade. você quer se mostrar como exemplo ... já vimos que isto seria questionável , Suzane é exemplo perfeito , ela seria ERA TIDA como bom exemplo por seus familiares, antes do ocorrido , então ficamos claro que este método não dá samba , porque aí deveríamos discutir se é moral alguém que defenda aborto e homossexualismo , contra alguém que os recrimine , teu óculos , não serão nossos óculos , no entanto vocês sempre querem erigir vossos FAKES , COMO SE ser um ser moral é simplesmente não roubar ou matar , não Akner, a coisa envolve muito mais que isto , muito mais do que meramente fazer o mínimo que a polícia social já impede e impoe.


Os
estudos científicos modernos têm concentrado esforços na análise
de questões bem mais intangíveis, como a psicopatia, distúrbio
psiquiátrico de diagnóstico complexo. O psicopata não é
um deficiente mental e tampouco sofre de alucinações ou problemas
de identidade, como pode ocorrer com as vítimas da esquizofrenia. É
um sujeito, muitas vezes, com inteligência acima da média. Pode ainda
ser simpático e sedutor – e usar essas qualidades para mentir e enganar
os outros.
Embora no plano intelectual entenda perfeitamente a diferença
entre o certo e o errado, o psicopata não é dotado de emoções
morais: não tem arrependimento, culpa, piedade nem vergonha. É incapaz
de nutrir qualquer empatia pelo próximo. "Para um psicopata, atirar em
uma pessoa e jogar fora um copo plástico são atos muito parecidos",
diz o neurologista Ricardo de Oliveira-Souza, da Unirio.


Um estudo realizado
em 2002, na Nova Zelândia, com mais de 400 homens, aponta para relações
bem mais complexas entre genética e ambiente na formação
da personalidade violenta. A atividade de um gene específico, chamado MAOA,
foi examinada. Em algumas pessoas, o gene é mais ativo do que em outras
– cerca de 37% dos homens possuem o gene de baixa atividade. Em estudos com
ratos, esse gene era determinante na agressividade.


http://veja.abril.com.br/100107/p_082.html
SE isto fosse conclusivo , não haveriam mais julgamentos de psicopatas, bastaria identificar este gene , e já descobrir a GRADUAÇÃO de influência que ele teria no comportamento alheio.
Não.
Realmente não é conclusivo.
Assim como tambem não são os "estudos" que vocês mostraram.
Na verdade nem foi um "estudo".
Foi um livrinho, que ninguém leu.
Agora pesquise a posição da UNICEF, dos Conselhos de Psicologia, de Sociologia, de Psiquiatria - no Brasil e no mundo, sobre a questão.

lordakner
Arcturus
Arcturus

Número de Mensagens : 5811
flag : Brasil
Data de inscrição : 27/08/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Falando em chibata-Como educar seu filho

Mensagem por Convidad em Sex 13 Maio 2011, 3:19 pm

lordakner escreveu:
Articulador escreveu:
lordakner escreveu:
Articulador escreveu:
lordakner escreveu:
Diego escreveu:
Jan Mazol escreveu: Ah tá! Suzanne Richtofen era classe baixa,seus pais a surravam...
Acorda lordakner!
Seja bem sincero:nunca apanhou de seus pais??
Se sim:vc os odeia?
Vamos rever as últimas notícias de filhos que mataram ou espancaram pais e vejamos seus níveis socias...

Concordo que o Akner usou um estudo que comprova que os mais miseráveis são os mais vitimados por agressão, mas isso pode ocorrer em qualquer nível social, ou não?

Não sei se a Suzana R. sofreu agressão, assim tbm não sei se recebeu os cuidados necessários de uma educação baseada na confiança e amizade ( isso se enquadra a qualquer sociopata). O fato dos pais da Suzana serem psicólogos e ricos não quer dizer que criavam bem seus filhos, além é claro que estamos falando de humanos, que com o tempo toma suas próprias decisões, baseadas ou não na criação.

Suzana não era uma "menina mimadinha" que "fez maldade".
Ela se enquadra na Psico-SOCIOPATIA, doença mental com quadro clínico definido.
Só chamou a atenção por ser rica.
Existem milhares de casos semelhantes.
É DOENÇA.

ah sim , tudo é 'genético' quando vocês querem diferir determinados comportamentos para blindá-los por algum motivo conveniente , no entanto a justiça não a colocou em um hospital psiquiátrico, foi em presídio comum mesmo . A realidade não admite sofismas assim. Ela era mesmo doente , MORALMENTE , e o pai e mãe criaram ela desta maneira, ao deixarem ela ser incontrolável até a idade de sua monstruosidade. você quer se mostrar como exemplo ... já vimos que isto seria questionável , Suzane é exemplo perfeito , ela seria ERA TIDA como bom exemplo por seus familiares, antes do ocorrido , então ficamos claro que este método não dá samba , porque aí deveríamos discutir se é moral alguém que defenda aborto e homossexualismo , contra alguém que os recrimine , teu óculos , não serão nossos óculos , no entanto vocês sempre querem erigir vossos FAKES , COMO SE ser um ser moral é simplesmente não roubar ou matar , não Akner, a coisa envolve muito mais que isto , muito mais do que meramente fazer o mínimo que a polícia social já impede e impoe.


Os
estudos científicos modernos têm concentrado esforços na análise
de questões bem mais intangíveis, como a psicopatia, distúrbio
psiquiátrico de diagnóstico complexo. O psicopata não é
um deficiente mental e tampouco sofre de alucinações ou problemas
de identidade, como pode ocorrer com as vítimas da esquizofrenia. É
um sujeito, muitas vezes, com inteligência acima da média. Pode ainda
ser simpático e sedutor – e usar essas qualidades para mentir e enganar
os outros.
Embora no plano intelectual entenda perfeitamente a diferença
entre o certo e o errado, o psicopata não é dotado de emoções
morais: não tem arrependimento, culpa, piedade nem vergonha. É incapaz
de nutrir qualquer empatia pelo próximo. "Para um psicopata, atirar em
uma pessoa e jogar fora um copo plástico são atos muito parecidos",
diz o neurologista Ricardo de Oliveira-Souza, da Unirio.


Um estudo realizado
em 2002, na Nova Zelândia, com mais de 400 homens, aponta para relações
bem mais complexas entre genética e ambiente na formação
da personalidade violenta. A atividade de um gene específico, chamado MAOA,
foi examinada. Em algumas pessoas, o gene é mais ativo do que em outras
– cerca de 37% dos homens possuem o gene de baixa atividade. Em estudos com
ratos, esse gene era determinante na agressividade.


http://veja.abril.com.br/100107/p_082.html
SE isto fosse conclusivo , não haveriam mais julgamentos de psicopatas, bastaria identificar este gene , e já descobrir a GRADUAÇÃO de influência que ele teria no comportamento alheio.
Não.
Realmente não é conclusivo.
Assim como tambem não são os "estudos" que vocês mostraram.
Na verdade nem foi um "estudo".
Foi um livrinho, que ninguém leu.
Agora pesquise a posição da UNICEF, dos Conselhos de Psicologia, de Sociologia, de Psiquiatria - no Brasil e no mundo, sobre a questão.


nos engane que nos 'gostamos'...rs
O estudo, conduzido sob o patrocínio do Estudo dos Perfis da Vida Americana (EPVA) {http://pals.nd.edu/} e feito pela Dra. Marjorie Gunnoe, professora de psicologia na Faculdade Calvin em Grand Rapids, Michigan, revelou que há falta de evidências provando que uma surra prejudica as crianças, e que o uso sensato da surra como conseqüência normal para a má conduta é benéfico para as crianças. "Não há base para as alegações que se fazem contra a surra disciplinar. Elas não estão em coerência com os dados", disse Gunnoe. "Penso na surra como um instrumento perigoso, mas há ocasiões em que há uma tarefa grande o bastante para um instrumento perigoso - não podemos simplesmente usá-lo para todas as nossas tarefas", acrescentou ela.

A professora Gunnoe entrevistou 2.600 adolescentes, fazendo-lhes perguntas sobre surras. Ela constatou que quando as respostas dos participantes foram comparadas com sua conduta, tais como sucesso acadêmico, otimismo sobre o futuro, conduta anti-social, violência, ataques de depressão, aqueles que haviam sido fisicamente disciplinados só entre ....

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Falando em chibata-Como educar seu filho

Mensagem por lordakner em Sex 13 Maio 2011, 6:07 pm

Ah, entendi.
Quando eu mostro um estudo ele não significa nada.
Quando você fica "batendo na mesma tecla" com esse estudo, é porque ele é conclusivo e definitivo.
Difícil, né? oh my

lordakner
Arcturus
Arcturus

Número de Mensagens : 5811
flag : Brasil
Data de inscrição : 27/08/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Falando em chibata-Como educar seu filho

Mensagem por lordakner em Sex 13 Maio 2011, 6:14 pm

DEFINIÇÃO DE VIOLÊNCIA OU MAUS-TRATOS CONTRA
CRIANÇAS E ADOLESCENTES
A violência contra crianças e adolescentes é um grave problema
mundial, que atinge e prejudica esta população durante importante
período de desenvolvimento. Apesar dos diferentes tipos
de violência contra crianças e adolescentes terem características
comuns, é importante defini-los adequadamente, uma vez
que estas definições têm implicações práticas para a prevenção
e manejo do problema.
Definir diferentes tipos de violência ou maus-tratos é apenas
uma forma didática de compreender o problema, que muitas vezes
ocorre de forma dinâmica e simultânea.
Os maus-tratos ou abuso ocorrem quando “um sujeito em condições
de superioridade (idade, força, posição social ou econômica,
inteligência, autoridade) comete um ato ou omissão capaz
de causar dano físico, psicológico ou sexual, contrariamente à
vontade da vítima, ou por consentimento obtido a partir de indução
ou sedução enganosa” (17).
O tipo mais freqüente de maus-tratos contra a criança ou adolescente
é a violência doméstica, que ocorre na maioria das vezes
dentro dos lares ou no convívio familiar.
Costuma prolongar-se
por muito tempo, uma vez que a família, considerada o agente
protetor da criança, tende a acobertar ou silenciar o ato de violência,
seja pela cumplicidade dos adultos e /ou pelo medo que
as vítimas têm de denunciar o abusador(18).
Os principais tipos de maus-tratos passíveis de notificação incluem
negligência ou abandono, sevícias ou abuso físico, Síndrome
de Munchausen por procuração, Síndrome do Bebê Sacudido,
abuso sexual e abuso psicológico.

Síndrome do bebê sacudido
É o termo utilizado para denominar uma forma de violência freqüentemente
praticada e que não deixa marcas. O agressor é
geralmente o pai biológico, que se irrita com o choro da criança,
habitualmente com idade inferior a um ano, na maioria das vezes
menos de seis meses. Envolve sacudir ou chacoalhar fortemente
a criança, principalmente no sentido ântero-posterior, podendo
provocar graves lesões cerebrais, hemorragias oculares, causar
atraso do desenvolvimento neuro-psicomotor e até a morte.

O diagnóstico é feito pela identificação de uma combinação de
hemorragias retinianas e subdural(28).

http://www.cienciasdasaude.famerp.br/Vol-12-1/08%20-%20id%20102.pdf

Conforme eu já disse:

Quer chutar, compre um GATO!

lordakner
Arcturus
Arcturus

Número de Mensagens : 5811
flag : Brasil
Data de inscrição : 27/08/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Falando em chibata-Como educar seu filho

Mensagem por Convidad em Sex 13 Maio 2011, 6:27 pm

lordakner escreveu:Ah, entendi.
Quando eu mostro um estudo ele não significa nada.
Quando você fica "batendo na mesma tecla" com esse estudo, é porque ele é conclusivo e definitivo.
Difícil, né? oh my

não , é que vc usou 2 pesos , o teu estudo era 'ciência' , o nosso 'um livrinho', aí tive que mostrar a realidade, OS nossos estudos são melhores, com maior amostragem , e menos subjetivismo.


Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Falando em chibata-Como educar seu filho

Mensagem por Convidad em Sex 13 Maio 2011, 6:39 pm

lordakner escreveu:DEFINIÇÃO DE VIOLÊNCIA OU MAUS-TRATOS CONTRA
CRIANÇAS E ADOLESCENTES
A violência contra crianças e adolescentes é um grave problema
mundial, que atinge e prejudica esta população durante importante
período de desenvolvimento. Apesar dos diferentes tipos
de violência contra crianças e adolescentes terem características
comuns, é importante defini-los adequadamente, uma vez
que estas definições têm implicações práticas para a prevenção
e manejo do problema.
Definir diferentes tipos de violência ou maus-tratos é apenas
uma forma didática de compreender o problema, que muitas vezes
ocorre de forma dinâmica e simultânea.
Os maus-tratos ou abuso ocorrem quando “um sujeito em condições
de superioridade (idade, força, posição social ou econômica,
inteligência, autoridade) comete um ato ou omissão capaz
de causar dano físico, psicológico ou sexual, contrariamente à
vontade da vítima, ou por consentimento obtido a partir de indução
ou sedução enganosa” (17).
O tipo mais freqüente de maus-tratos contra a criança ou adolescente
é a violência doméstica, que ocorre na maioria das vezes
dentro dos lares ou no convívio familiar.
Costuma prolongar-se
por muito tempo, uma vez que a família, considerada o agente
protetor da criança, tende a acobertar ou silenciar o ato de violência,
seja pela cumplicidade dos adultos e /ou pelo medo que
as vítimas têm de denunciar o abusador(18).
Os principais tipos de maus-tratos passíveis de notificação incluem
negligência ou abandono, sevícias ou abuso físico, Síndrome
de Munchausen por procuração, Síndrome do Bebê Sacudido,
abuso sexual e abuso psicológico.

Síndrome do bebê sacudido
É o termo utilizado para denominar uma forma de violência freqüentemente
praticada e que não deixa marcas. O agressor é
geralmente o pai biológico, que se irrita com o choro da criança,
habitualmente com idade inferior a um ano, na maioria das vezes
menos de seis meses. Envolve sacudir ou chacoalhar fortemente
a criança, principalmente no sentido ântero-posterior, podendo
provocar graves lesões cerebrais, hemorragias oculares, causar
atraso do desenvolvimento neuro-psicomotor e até a morte.

O diagnóstico é feito pela identificação de uma combinação de
hemorragias retinianas e subdural(28).

http://www.cienciasdasaude.famerp.br/Vol-12-1/08%20-%20id%20102.pdf

Conforme eu já disse:

Quer chutar, compre um GATO!


tú é daqueles que não gosta de abandonar as mesmas falacinhas batidas :

a) falácia de generalização apressada
todo pai chacoalha o bebê ? é isto que estamos defendendo ?
b) Falácia 'olha o avião'
Lei alguma vai coibir o pai de chacoalhar bebês, isto a lei atual já faria (quando consegue comprovar) , tentam é proibir de EDUCARMOS nossos filhos com castigos corporais LEVES .
c) Falácia declive escorregadio
Educar filhos , não é o mesmo que espancar filhos , se você quer dramatizar , sempre vai ser um debatedor sem razão , pois estará cutucando o próprio drama que vc tá fazendo , não o argumento do outro debatedor.

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Falando em chibata-Como educar seu filho

Mensagem por lordakner em Dom 15 Maio 2011, 7:39 pm

Articulador escreveu:
a) falácia de generalização apressada
todo pai chacoalha o bebê ? é isto que estamos defendendo ?
Onde eu disse que todo pai chacoalha?
Eu não chacoalhei nem chacoalharia. Só citei um comportamento que não é incomum, em quem gosta de agredir crianças. Um comportamento tão constatado, que a orientação para o Serviço Social nas Unidades de Emergência é entrevistar TODOS os pais de bebês que chegam com TC.

Articulador escreveu:

b) Falácia 'olha o avião'
Lei
alguma vai coibir o pai de chacoalhar bebês, isto a lei atual já faria
(quando consegue comprovar) , tentam é proibir de EDUCARMOS nossos
filhos com castigos corporais LEVES .


Defina "Castigos Corporais LEVES". Qual deve ser a força aplicada nas pancadas? ( Mike Tyson tem um soco de 120 quilos de potência. Força é igual a massa vezes velocidade.) Você aconselharia o uso de aparelhos medidores dessa força? Existe uma Tabela Pedagógica da Porrada? oh my oh my oh my

Articulador escreveu:

Educar
filhos , não é o mesmo que espancar filhos .
Não.
Não é.
E é exatamente isso que nós estamos repetindo e repetindo. Mas parece que está ALÉM do alcance do entendimento de alguns.
oh my

lordakner
Arcturus
Arcturus

Número de Mensagens : 5811
flag : Brasil
Data de inscrição : 27/08/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Falando em chibata-Como educar seu filho

Mensagem por Convidad em Ter 17 Maio 2011, 5:23 pm

Federação Americana de Pediatras: “É certo os pais darem surras”


John-Henry Westen
WASHINGTON, DC, 3 de dezembro de 2007 (LifeSiteNews.com) — A Federação Americana de Pediatras (FAP), uma associação médica nacional de médicos e profissionais da área de saúde autorizados e especializados no cuidado de bebês, crianças e adolescentes, divulgou sua posição oficial acerca do uso de surras por parte dos pais, bem no momento em que a assembléia legislativa de Massachusetts começa a considerar um projeto de lei que proíbe essa forma de disciplina por parte dos pais.

Apesar da evidência científica indicando que castigos físicos razoáveis aplicados pelos pais são benéficos para os filhos, a ONU vem forçando as nações a proibir os pais de usar a surra como forma de disciplina. Essa interferência nos direitos dos pais é uma das questões que tem causado muito alarme acerca da Convenção da ONU sobre os Direitos das Crianças. A FAP examinou com cuidado as pesquisas disponíveis acerca do castigo físico e conclui, em sua posição oficial sobre o assunto, que surras disciplinares aplicadas por pais podem ser eficientes quando utilizadas de modo apropriado. “É claro que os pais não devem se apoiar exclusivamente em surras disciplinares para efetuar controle sobre a conduta de seus filhos”, diz a posição oficial recentemente divulgada. “A evidência indica que pode ser uma parte útil e necessária de um plano disciplinar bem-sucedido”.

O Dr. Den Trumbull, principal autor da declaração, explicou: “Quando uma criança desafia a instrução do pai ou da mãe, uma surra é uma das poucas opções que os pais podem considerar para corrigir a conduta errada”. O Dr. Trumbull acrescentou: “Dar surra pode ser mais adequado com crianças de 2 a 6 anos, e quando tipos mais brandos de correção fracassaram”.

A FAP criou um folheto para os pais intitulado “Recomendações para uso dos pais em surras disciplinares”. As recomendações aconselham que surras “só devem ser usadas quando a criança recebe pelo menos tanto incentivo e elogio por boa conduta quanto correção por conduta problemática”. As recomendações também dizem que “formas mais brandas de disciplina, tais como correção verbal, conseqüências lógicas e naturais, e pausas devem ser usadas inicialmente, seguidos por uma surra quando a desobediência persiste”.

“O pai ou a mãe não deve administrar uma surra quando sente vontade ou quando está fora de controle”, adverte o documento, observando que “uma surra sempre deve ser motivada por amor, com o propósito de ensinar e corrigir, e não com o propósito de vingança ou retaliação”.

As recomendações também apresentam as idades em que as surras são adequadas. “Uma surra é imprópria antes dos 15 meses e é geralmente não necessária até depois de 18 meses. Será menos necessária depois dos 6 anos de idade e raramente será usada depois dos 10 anos de idade”, diz o documento. Além de sua posição oficial, a FAP publicou uma análise extensa da literatura científica sobre o assunto de castigo físico e seu uso na disciplina.

http://juliosevero.blogspot.com/2007/12/federao-americana-de-pediatras-certo-os.html

ouçam a voz da ciência senhores.
mais uma vez os conservadores estavam com a razão.
Agora mostrarei o absurdo a que este país tem chegado , criminalizando o que sempre soubemos benéfico, por conta do marketing-secularista que quer relativizar todo tipo de moral e conservadorismo :

Pastor brasileiro condenado à prisão por bater em filhas fica louco
Matthew Cullinan Hoffman
AMAZONAS, Brasil, 28 de março de 2011 (Notícias Pró-Família) — Um pastor brasileiro da região do Amazonas ficou mentalmente doente depois de ser preso por bater em suas duas filhas, de acordo com reportagens dos meios de comunicação locais. Até recentemente, conforme noticiaram as reportagens, o pastor estava algemado a uma cama de hospital presidiário, onde ele era forçado até mesmo a fazer necessidade em frente dos funcionários.

Jeremias Rocha permaneceu preso durante meses por bater em suas filhas, na total ausência de evidências ou até mesmo uma condenação . Jeremias Albuquerque Rocha, que acabou de completar 26 anos, era um atuante pastor evangélico na cidade de Carauari até maio do ano passado, quando uma agente do conselho tutelar o denunciou por bater em suas filhas, pelo que ele foi acusado de “tortura”.
Apesar de que nenhuma evidência física tivesse sido apresentada ao juiz
, Rocha foi colocado em detenção preventiva, numa cela de prisão tão cheia de presos que ele era forçado a ficar de pé o dia inteiro, e tinha de dormir agachado no chão, que estava coberto de papelão.

Passaram-se meses sem nenhuma solução. Em nenhum momento se apresentou algum relatório médico documentando qualquer marca física [no caso de suas filhas] nem houve nenhum exame físico confirmando ferimentos - provas que a lei exige. Em agosto, Rocha havia, conforme as reportagens, começado a chorar e desmaiar dentro de sua cela. Quando foi levado a um hospital próximo e diagnosticado com doença mental, o juiz Jânio Tutomu Takeda se recusou a acreditar no diagnóstico, afirmando que Rocha estava “fingindo”, e ordenou que ele fosse algemado à cama do hospital.
As reportagens mostraram que o juiz Takeda rejeitou os relatórios dos médicos enquanto a situação de Rocha estava se deteriorando. Em 9 de dezembro, os médicos deram dois relatórios sobre Rocha, diagnosticando-o com “graves ataques de pânico e profunda depressão, tentativas suicidas” e recomendando que lhe retirassem as algemas e que ele fosse transferido para uma instituição psiquiátrica especializada. Outro relatório foi dado em 21 de janeiro deste ano, notando a grave situação de Rocha e recomendando prisão domiciliar ou remoção para uma unidade especializada.Apesar dos pedidos de seus médicos, Rocha continuou algemado à cama até 2 de fevereiro, quando seu pai entrou com pedido de habeas corpus e uma queixa formal diante da comissão de direitos humanos do Amazonas. Embora as algemas tivessem sido removidas, as reportagens mostraram que ele ainda tem marcas nos pulsos e pés e permanece em situação grave.

“Na semana passada, mais precisamente no dia 3 de março, Jeremias Albuquerque Rocha, que há dois anos era ministro evangélico em Carauari, um município 786 km distante de Manaus, completou 26 anos de idade, mas ele esteve alheio a data”, conforme reportagem feita no começo deste mês pelo jornal Portal do Holanda. “Jeremias não lembrou do próprio aniversário, mal lembra do seu nome. Seu estado é catatônico, olhar preso ao teto ou ao chão, fica permanentemente calado, a não ser nos momentos em que entra em pânico, aos berros pede para não lhe colocarem algemas ou passa horas tendo repetidas crises de choro convulsivo”.
Quando Epitácio da Silva Almeida, o presidente da Comissão de Direitos Humanos do Amazonas, chegou em 3 de março para examinar Rocha e investigar o caso, o juiz Takeda de repente anunciou que ele já tinha dado a sentença em fevereiro, embora as reportagens tivessem mostrado que os autos processuais não foram achados em parte alguma e o veredicto jamais tivesse sido anunciado. Takeda disse que condenou Rocha e o sentenciou a seis anos e meio de prisão.
Almeida diz que planeja iniciar representação legal contra Takeda, e o presidente do Tribunal de Justiça do Amazonas, João Simões, também prometeu tomar medidas legais no caso, depois de sua própria investigação.

Fonte: http://noticiasprofamilia.blogspot.com http://www.lifesitenews.com/news/brazilian-pastor-condemned-to-prison-for-spanking-children-loses-mind


Agora o que faltou a este magistrado ? SURRA (e neste caso não leve), para aprender a não se vingar ideologicamente dos outros , nem extrapolar suas funções.


Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Falando em chibata-Como educar seu filho

Mensagem por meninao em Ter 17 Maio 2011, 5:36 pm

Articulador escreveu:
“uma surra sempre deve ser motivada por amor

Que contradição.

Se o cara tem discernimento para aplicar uma surra com amor, pra que aplica-la então?
Violência só é praticada por quem tem ódio. Ou no mínimo uma raiva momentânea.

meninao
Pérola
Pérola

Número de Mensagens : 275
flag : Brasil
Data de inscrição : 19/04/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Falando em chibata-Como educar seu filho

Mensagem por Convidad em Ter 17 Maio 2011, 5:46 pm

meninao escreveu:
Articulador escreveu:
“uma surra sempre deve ser motivada por amor

Que contradição.

Se o cara tem discernimento para aplicar uma surra com amor, pra que aplica-la então?
Violência só é praticada por quem tem ódio. Ou no mínimo uma raiva momentânea.

tenha dó...
vc finge não ver todas as fontes acima , até de associações pediátricas (que revisaram inúmeros estudos sobre) , e vem nos dizer que só se bate com raiva ou ódio ? ...., bah

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Falando em chibata-Como educar seu filho

Mensagem por meninao em Sex 20 Maio 2011, 5:09 pm

Articulador escreveu:
meninao escreveu:
Articulador escreveu:
“uma surra sempre deve ser motivada por amor

Que contradição.

Se o cara tem discernimento para aplicar uma surra com amor, pra que aplica-la então?
Violência só é praticada por quem tem ódio. Ou no mínimo uma raiva momentânea.

tenha dó...
vc finge não ver todas as fontes acima , até de associações pediátricas (que revisaram inúmeros estudos sobre) , e vem nos dizer que só se bate com raiva ou ódio ? ...., bah

Filhão, estou te surrando, mas é tudo feito com amor.

meninao
Pérola
Pérola

Número de Mensagens : 275
flag : Brasil
Data de inscrição : 19/04/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Falando em chibata-Como educar seu filho

Mensagem por lordakner em Sex 20 Maio 2011, 5:13 pm

meninao escreveu:
Articulador escreveu:
meninao escreveu:
Articulador escreveu:
“uma surra sempre deve ser motivada por amor

Que contradição.

Se o cara tem discernimento para aplicar uma surra com amor, pra que aplica-la então?
Violência só é praticada por quem tem ódio. Ou no mínimo uma raiva momentânea.

tenha dó...
vc finge não ver todas as fontes acima , até de associações pediátricas (que revisaram inúmeros estudos sobre) , e vem nos dizer que só se bate com raiva ou ódio ? ...., bah

Filhão, estou te surrando, mas é tudo feito com amor.
Tem até Funk sobre isso. oh my

lordakner
Arcturus
Arcturus

Número de Mensagens : 5811
flag : Brasil
Data de inscrição : 27/08/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Falando em chibata-Como educar seu filho

Mensagem por lordakner em Sex 20 Maio 2011, 5:41 pm

Articulador escreveu:
Federação Americana de Pediatras: “É certo os pais darem surras”

http://juliosevero.blogspot.com/2007/12/federao-americana-de-pediatras-certo-os.html

ouçam a voz da ciência senhores.
mais uma vez os conservadores estavam com a razão.



Faláscia de Apelo à Autoridade.
Não é assunto fechado e muito menos é consenso:



Love and Anger


the parental dilemma



The first book of its kind to talk about parental anger!



Viking
Penguin published Nancy's second book, LOVE AND ANGER: The Parental
Dilemma
to teach parents how to express anger without hurting or insulting
children. This invaluable book has been translated into many languages
including Spanish, Italian, French, Portuguese, Chinese and many more.
Love and Anger was chosen by Child Magazine as the best
parenting book of the year.


In this book, Nancy explores anger, the most treacherous
area of parent-child relationships. Her goal is not to eliminate anger
-- which is normal and inevitable -- but to help parents express it without
hurting their children. Samalin identifies the hidden triggers that generate
frustration and fury in even the most well-meaning parents, provides alternatives
to hitting, bribing, and threatening.

Learn how and when to use these valuable parenting
techniques:



  • Saying "I'm mad," not "You're bad"
  • Exiting instead of exploding
  • Expressing anger without hurting self-esteem
  • Getting out of the middle when kids fight
  • Restoring good feelings after a blowup

This book is an indispensable tool for guilt-free parenting -- one that
will help you discipline your children lovingly, effectively, and consistently.


Além do mais Pediatria não é o campo da ciencia responsável pela definição da questão.
Isso deveria ser Óbvio, até mesmo para um leigo.

oh my oh my oh my oh my oh my oh my oh my oh my oh my oh my oh my oh my oh my oh my oh my oh my oh my oh my oh my oh my oh my oh my oh my oh my


O Impacto da Violência na Saúde Mental das Crianças
Autor(es): Sheila Abramovitch1, Maria Lúcia Moreira2, Elie Cheniaux3

The Impact of the Violence in Childhood Mental Health


Introdução: A violência tem sido considerada um dos
eventos traumáticos responsáveis pela doença mental na infância. Um
conjunto de fatores interage e torna a criança vulnerável ou resiliente
ao trauma psíquico. Um evento violento terá expressão diferenciada em
cada criança, considerando-se os aspectos biológicos, genéticos,
psicológicos e ambientais. O pediatra, muitas vezes, é o primeiro a
receber estas crianças com sintomas psiquiátricos, o que demanda
diagnóstico diferencial, intervenção e encaminhamento adequado. Objetivo:
Revisão não sistemática da literatura sobre associação entre violência e
doença mental na infância. Chamar a atenção dos pediatras para o
aumento do número de casos clínicos envolvendo esta associação. Metodologia:
Revisão bibliográfica nas bases Medline/PubMed, Lilacs e Scielo,
referente ao período de junho de 2001 a maio de 2007, com emissão de
opinião e exemplos clínicos. Foram incluídos, por sua relevância, livros
de anos anteriores. Resultados: Foram listados 211
trabalhos, sendo selecionados 39 artigos de acordo com: título, resumo,
assunto, ser artigo original ou de revisão e disponibilidade de acesso
pelo portal da CAPES. Ainda, textos clássicos, de importância à
compreensão do tema. Conclusões: Os trabalhos
analisados encontraram associação entre violência e doença mental na
infância. É necessário o acompanhamento da criança vítima de violência
com manifestações psiquiátricas, para se avaliar o desenvolvimento de
sintomas reativos, adaptativos ou de transtornos psiquiátricos.

Palavras-chave: Violência. Estresse Traumático. Transtornos Mentais da Criança.


Abstract

Introduction: Violence is considered a traumatic event
responsible for some mental disorders of children. A combination of
factors contributes to child vulnerability or resilience to the psychic
trauma. A violent event will bring distinctive repercussions to each
child, according to biological, genetic, psychological and environmental
aspects. Frequently, the pediatrician is the first to be called to care
for a child presenting psychiatric symptoms, demanding differential
diagnosis and appropriate intervention and referral. Objective:
To review the literature on the association between violence and mental
disorders in children, calling attention to the increasing number of
clinical cases involving such association. Methodology:
A Medline/Pub Med, Lilacs, Scielo-based review of papers published
between June 2001 and May 2007, with opinions and clinical examples.
Some relevant books from previous years have also been included. Results:
A total of 211 articles were listed and 39 were selected, based on:
title, abstract, subject, accessibility to the original or review
articles and availability trough the CAPES homepage. Classical texts
were also included for a better comprehension of the theme. Conclusions:
The analyzed studies found a clear association between violence and
mental disorders in children. The continuous observation of children
victimized by violence, who present psychiatric manifestations, is of
utmost importance for the evaluation of the development of reactive or
adjustment symptoms or even of a psychiatric disorder.

Keywords: Violence. Stress Disorders, Traumatic. Mental Disorders Diagnosed in Childhood.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. Lubit R, Rovine D, De Francisci, L Eth S. Impact of trauma on children. J Psychiatr Pract 2003;9(2):128-38.

2. Dyregrov A, Gupta L, Gjestad R, Siva E. Trauma Exposure and
Psychological Reactions to Genocide Among Rwandan Children. Journal of
Traumatic Stress 2001;3(1):3-21.

3. Sidebotham P, Heron J. Child maltreatment in the "children of the
nineties": a cohort study of risk factors. Child Abuse Negl
2006;30:497-522.

4. Nair P, Schuler ME, Black MM, Kettinger L, Harrington D. Cumulative
Environmental Risk in Substance Abusing Women: Early Intervention,
Parenting Stress, Child Abuse Potential Development. Child Abuse Negl
2003;27(9):997-1017.

5. Garbarino J, Dubrow N, Kostelny, Prado C. In: Children in danger:
coping with the consequences of community violence. New York:
Jossey-Bass 1998; p.1-21 e 223-34.

6. Bordin IA & Paula CS - Estudos Populacionais sobre Saúde Mental
de Crianças e Adolescentes Brasileiros. In: Mello MC, Mello ABF, Kohn R
(eds.) Epidemiologia da Saúde Mental no Brasil. Porto Alegre: Artmed
2007; p.101-17.

7. Halpern R, Figueiras AC. Influências Ambientais na Saúde Mental da Criança. J Pediatr 2004;80(2):104-10.

8. Sadock BJ, Sadock, VA. Compêndio de Psiquiatria: Ciências do
Comportamento e Psiquiatria Clínica; trad. Claudia Dornelles et als.
Porto Alegre: Artmed 2007; p.1227-37.

9. Sandberg S, Rutter M, Pickies A, Mc Guinness D, Angold A. Do
high-threat life events really provoke the onset of psychiatric disorder
in children? J Child Psychol Psychiatr 2001;42 (4): 523-32.

10. Figueira I. O estresse pós-traumático em áreas afetadas pelo Tsunami. Rev Bras Psiquiatr 2005; 27:94.

11. Freud, S (1939). Moisés e o monoteísmo. Edição Standard Brasileira
das Obras Completas. Rio de Janeiro: Imago. 1980; vol.23:13-161.

12. Soler C. Discurso e trauma. In: Alberti S, Carneiro Ribeiro eds.
Retorno do exílio - o corpo entre a psicanálise e a ciência. Rio de
Janeiro: Contracapa 2004; p.71-88.

13. Bogat GA, DeJonghe E, Levendosky AA, Davidson WS, Eye AV. Trauma
symptoms among infants exposed to intimate partner violence. Child Abuse
Negl 2006; 30:109-25.

14. Harland P, Reijneveld AS, Brugman E, Verloove- Vanhorick SP,
Verhulst FC. Family factors and life events as risk factors for
behavioural and emotional problems in children. Eur Child Adolesc
Psychiatry 2002; 11(4): 176-84.

15. Ariès P. História social da criança e da família. Trad. De Dora Flaksman. 2ª ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar; 1981.

16. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Violência
Intrafamiliar: Orientações para práticas em serviço. Brasília: MS; 2001.

17. Day VP, Telles LEB, Zoratto PH, Azambuja MFF, Machado DA, Silveira
MB, Debiagi M, Reis MG, Cardoso RG, Blank P. Violência doméstica e suas
diferentes manifestações. R Psiquiatr RS 2003 (suplemento 1): 9-21.

18. Putnam, FW. J Am Acad Child adolesc Psychiatry 2003, 42(3):269-78.

19. Phebo L, Moura de ATMS. Violência urbana: um desafio para o pediatra. J Pediatr (Rio J). 2005; 81(5 Supl):S189-96.

20. Seedat S, Nyamai C, Njenga F. trauma exposure and post-traumatic
stress symptoms in urban African schools. Brit J Psychiatry 2004;
184:169-75.

21. Green B. Traumatic stress and its consequences. In: Green BL et al.
Trauma interventions in war and peace: prevention, practice, and policy.
New York: Kluwer Academic/Plenum Publishers 2000. p.17-32.

22. World Health Organization - International Society for Prevention of
Child Abuse and Neglect (ISPCAN). The nature and consequences of child
maltreatment. In: Prevention child maltreatment: a guide to taking
action and generating evidence; 2006:7-16.

23. Morrison AP, Frame L, Larkin W. Relationships between trauma and
psychosis: A review and integration. Brit J Clin Psychol 2003;
42:331-53.

24. Janneke S, Krabbendam L, Os JV. Impact of psychological trauma on
the development of psychotic symptoms: relationship with psychosis
proneness. Brit J Psychiatry 2006; 188:627-33.

25. Read J, van Os J, Morrison AP, Ross CA. Childhood trauma, psychosis
and schizophrenia: a literature review with theoretical and clinical
implications. Acta Psychiatr Scand 2005; 112: 330-50.

26. Morgan L, Scourfileld J, Williams D, Jasper A, Glyn L. The Aberfan's accident. Brit J Psychiatr 2003; 18 (2):532-6.

27. Flouri E. Post-Traumatic Stress Disorder (PTSD): what we have learns
and what we still have found. Journal of Interpersonal Violence 2005;
20(4): 373-9.

28. Khamis V. Post-traumatic stress disorder among school age Palestinian. Child Abuse Negl 2005; 29(1):81-95.

29. Vasconcelos MM, Malheiros AF de A, Werner J, Brito AR, Barbosa JB,
Santos ISSO, Lima DFN. Contribuição dos fatores de risco psicossociais
para o transtorno de déficit de atenção/hiperatividade. Arq.
Neuro-Psiquiatr 2005; 63(1):68-74.

30. Rowland AS, Lesesne CA, Abramowitz AJ. The epidemiology of attention
deficit/ hyperactivity disorder (ADAH): a public health view. Ment Ret
Disabil Res Rev 2002; 8:162-70.

31. Appleyard K, Egeland B, van Dulmen MH, Sroufe LA. When more is not
better: the role of cumulative risk in child behavior outcomes. J Child
Psychol Psychiatry 2005; 46(3):235-45.

32. Fleitlich -Bilyk B, Goodman R. Social factors associate with child
mental health problems in Brazil: cross sectional survey. BMJ 2001;
323:599-600.

33. Boer F, Markus MT, Maingay R, Lindhout IE, Borst SR, Hoogendijk TH. Child Psychiatry Hum Dev 2002; 32(3): 187-99.

34. Caffo E, Forresi B, Liebres. Curr Opin Psychiatry 2005; 18 (4):422-8.

35. Williams LCA, Maldonado DA, Brancalhone. The impact of domestic
violence on students: implications for inclusionary practices. Inclusive
and Supportive Education Congress (ISEC), Glasgow, Scotland, 2005.

36. Mitchell PB, Parker GB, Gladstone GL, Wilhelm K, Austin MP. J Affect Disord 2003; 73(3):245-52.

37. Williamson DE, Birmaher B, Dahl RE, Ryan ND. J Child Adolesc Neglect
(ISPCAN). The nature and consequences of child maltreatment. In:
Preventing Psychopharmacol 2005; 15(4):571-80.

38. Shemesh E, Annunziato RA, Schneider BL, Newcorn JH, Warshaw JK,
Dugan CA, Gelb BD, Kerkar N, Yehuda R, Emre S. Parents and clinicians
underestimate distress and depression in children who had a transplant.
Pediatr transplant 2005; 9(5):673-9.

39. Ferreira AL. Acompanhamento de crianças vítimas de violência:
desafios para o pediatra. J Pediatr (Rio J). 2005; 81(5 Supl):173-80.






1 Médica, Psicanalista de FCCL-Rio, Mestre em Psicologia Clínica pela
PUC-Rio, Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Ciências Médicas da
Universidade do Estado do Rio de Janeiro. (Coordenadora do Serviço de
Psiquiatria da Infância e Adolescência - Hospital Universitário Pedro
Ernesto - UERJ)
2 Médica, Especialista em Psiquiatria da Infância e Adolescência pelo
Instituto de Psiquiatria da Universidade Federal do Rio de Janeiro
(Médica do Hospital Universitário Pedro Ernesto - Univeridade do Estado
do Rio de Janeiro)
3 Médico, Psicanalista da SPRJ, Doutor em Psiquiatria pela Universidade
Federal do Rio de Janeiro (Professor Adjunto de Psiquiatria da
Universidade Estadual do Rio de Janeiro) Serviço de Psiquiatria da
Infância e Adolescência do Hospital Universitário Pedro Ernesto -
Universidade do Estado do Rio de Janeiro.


lordakner
Arcturus
Arcturus

Número de Mensagens : 5811
flag : Brasil
Data de inscrição : 27/08/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Falando em chibata-Como educar seu filho

Mensagem por lordakner em Sex 20 Maio 2011, 5:58 pm

Numa publicação da sociedade Brasileira de Pediatria (acima) QUEM opina sobre a questão são os Psiquiatras e Psicanalistas.


Autor(es): Sheila Abramovitch1, Maria Lúcia Moreira2, Elie Cheniaux3

1 Médica, Psicanalista de FCCL-Rio, Mestre em Psicologia Clínica pela
PUC-Rio,
Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Ciências Médicas da
Universidade do Estado do Rio de Janeiro. (Coordenadora do Serviço de
Psiquiatria da Infância e Adolescência - Hospital Universitário Pedro
Ernesto - UERJ)
2 Médica, Especialista em Psiquiatria da Infância e Adolescência pelo
Instituto de Psiquiatria da Universidade Federal do Rio de Janeiro

(Médica do Hospital Universitário Pedro Ernesto - Univeridade do Estado
do Rio de Janeiro)
3 Médico, Psicanalista da SPRJ, Doutor em Psiquiatria pela Universidade
Federal do Rio de Janeiro (Professor Adjunto de Psiquiatria da
Universidade Estadual do Rio de Janeiro) Serviço de Psiquiatria da
Infância e Adolescência do Hospital Universitário Pedro Ernesto -

Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Pediatra entende tanto de Psicologia Infantil quanto eu entendo de engessar perna quebrada. oh my oh my oh my oh my oh my oh my oh my

lordakner
Arcturus
Arcturus

Número de Mensagens : 5811
flag : Brasil
Data de inscrição : 27/08/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Falando em chibata-Como educar seu filho

Mensagem por Jan Mozol em Sex 20 Maio 2011, 6:17 pm

Metodologia:
Revisão bibliográfica nas bases Medline/PubMed, Lilacs e Scielo,
referente ao período de junho de 2001 a maio de 2007, com emissão de
opinião e exemplos clínicos. Foram incluídos, por sua relevância, livros
de anos anteriores. Resultados: Foram listados 211
trabalhos, sendo selecionados 39 artigos de acordo com: título, resumo,
assunto, ser artigo original ou de revisão e disponibilidade de acesso
pelo portal da CAPES
. Ainda, textos clássicos, de importância à
compreensão do tema. Conclusões: Os trabalhos
analisados encontraram associação entre violência e doença mental na
infância. É necessário o acompanhamento da criança vítima de violência
com manifestações psiquiátricas, para se avaliar o desenvolvimento de
sintomas reativos, adaptativos ou de transtornos psiquiátricos.
Traduzindo: de 211 escolhemos 39 que nos apoiam,os outros,que apoiam outra corrente,descartamos.


"Pois eu digo: Jesus Cristo virá nos arrebatar em 2010...
Maranata.
"Eis que venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa." (Apocalipse 3 : 11)"

Néééé!
O certo é isso:
“Que não vos movais facilmente do vosso entendimento, nem vos perturbeis, quer por espírito, quer por palavra, quer por epístola, como de nós, como se o dia de Cristo estivesse já perto. Ninguém de maneira alguma vos engane; porque não será assim sem que antes venha a apostasia, e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição, O qual se opõe, e se levanta contra tudo o que se chama Deus, ou se adora; de sorte que se assentará, como Deus, no templo de Deus, querendo parecer Deus” (2Ts 2.2-4)ACF

Jan Mozol
Sirius
Sirius

Número de Mensagens : 3574
Idade : 54
flag : Argentina
Data de inscrição : 27/04/2008

http://www.thundercnc.com.br

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Falando em chibata-Como educar seu filho

Mensagem por lordakner em Sex 20 Maio 2011, 6:45 pm

Jan Mozol escreveu:
Metodologia:
Revisão bibliográfica nas bases Medline/PubMed, Lilacs e Scielo,
referente ao período de junho de 2001 a maio de 2007, com emissão de
opinião e exemplos clínicos. Foram incluídos, por sua relevância, livros
de anos anteriores. Resultados: Foram listados 211
trabalhos, sendo selecionados 39 artigos de acordo com: título, resumo,
assunto, ser artigo original ou de revisão e disponibilidade de acesso
pelo portal da CAPES
. Ainda, textos clássicos, de importância à
compreensão do tema. Conclusões: Os trabalhos
analisados encontraram associação entre violência e doença mental na
infância. É necessário o acompanhamento da criança vítima de violência
com manifestações psiquiátricas, para se avaliar o desenvolvimento de
sintomas reativos, adaptativos ou de transtornos psiquiátricos.
Traduzindo: de 211 escolhemos 39 que nos apoiam,os outros,que apoiam outra corrente,descartamos.
Para você ver como quando a questão é levada sob um rigor Científico a "Peneirada" é mais severa.
Existe uma coisa chamada MEDODOLOGIA CIENTÍFICA.

Sabia que os artigos não escolhidos PODIAM SER MAIS contra que os PUBLICADOS?

Não é igual a Internet, onde cada LEIGO posta a bobagem que quiser e sai alardeando que "Refutei", "Já disse"...

lordakner
Arcturus
Arcturus

Número de Mensagens : 5811
flag : Brasil
Data de inscrição : 27/08/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Falando em chibata-Como educar seu filho

Mensagem por Convidad em Sex 20 Maio 2011, 7:50 pm

lordakner escreveu:
Articulador escreveu:
Federação Americana de Pediatras: “É certo os pais darem surras”

http://juliosevero.blogspot.com/2007/12/federao-americana-de-pediatras-certo-os.html

ouçam a voz da ciência senhores.
mais uma vez os conservadores estavam com a razão.



Faláscia de Apelo à Autoridade.
Não é assunto fechado e muito menos é consenso:



Love and Anger


the parental dilemma

'ah sim', então um livro , com julgamento singular, deve entender mais que uma entidade que REVISOU TODOS OS ESTUDOS EXISTENTES ? Porque não me espanto em vc sempre tentar usar falácias de 'olha o avião' ? Primeiro que Apelo a Autoridade é diferente de citar a autoridade , segundo que até então vocês estavam apenas no GOGÓ , terceiro que estes estudos revisados por eles , que SIM LEIGOS TAMBÉM ENTENDEM (quanto mais uma instituição de pediatras , assessorados por vários profissionais) , não são feitos só por pediatras , portanto falha completa da tua embromação.


Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Falando em chibata-Como educar seu filho

Mensagem por Conteúdo patrocinado Hoje à(s) 7:49 pm


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 3 de 4 Anterior  1, 2, 3, 4  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum