.....................................................
Que bom que você entrou Convidado
Últimos assuntos
» Noticiário Escatológico
Ontem à(s) 11:52 pm por Jarbas

» O que é idolatria?
Sab 21 Abr 2018, 8:14 pm por Cartman

» O que você está ouvindo agora?
Sab 21 Abr 2018, 8:09 am por rbarros

» Poesias desperdiçadas ao vento
Sex 20 Abr 2018, 1:12 pm por thynno

» É Lula lá...
Qui 19 Abr 2018, 4:27 pm por Cartman

» Consequências da Reeleição
Ter 17 Abr 2018, 6:42 pm por Cartman

» Jesus está às portas
Sex 13 Abr 2018, 2:09 am por Jarbas

» Igreja Católica Brasileira: doutrina e história
Seg 02 Abr 2018, 12:45 pm por thynno

» Não ameis o mundo...
Ter 27 Mar 2018, 12:26 pm por thynno

Consulta Bíblica
Ex: fé - Ex: Gn 1:1-10


Os sistemas regulatórios do RNA são um sistema computacional avançado

Ir em baixo

Os sistemas regulatórios do RNA são um sistema computacional avançado

Mensagem por Eduardo em Sab 25 Set 2010, 11:14 pm

Notas do blogger Enézio E. de Almeida Filho na cor azul.

Em entrevista concedida à Agência Fapesp, Mattick destacou que o RNA não-codificador de proteínas [até há pouco tempo conhecido como “DNA lixo] tem um papel regulatório tão importante que pode ser comparado a um software que controla todo o sistema dos organismos complexos. [Na década de 1990 os teóricos do Design Inteligente foram contra esta posição da Nomenklatura científica e afirmaram que o "DNA lixo" não era lixo e teria função, mas não deram ouvidos aos hereges do DI.]
O senhor compara os sistemas regulatórios do RNA a um sistema computacional avançado.

Sim. Podemos fazer uma analogia com um sistema sofisticado que é o Boeing 777. Seus componentes mecânicos já eram conhecidos há 50 anos: motores, jatos, aerofólios, bombas hidráulicas e assim por diante. Mas há um mundo de diferenças entre um avião feito em 2010 e outro de 1960, quando os computadores ainda não eram populares e não se usavam fibras ópticas. Os objetos mais sofisticados na nossa sociedade se tornam cada vez mais ricos em informação. E essa informação que está codificada em computadores é transmitida por fibras e fios, que não são precisamente componentes mecânicos, mas sim aparatos de transmissão. Portanto, ir de um objeto simples para outro mais complexo não é apenas uma questão de fazer novos componentes, mas de expandir os sistemas de controle e a arquitetura, no caso dos aviões, para que os componentes funcionem de modos cada vez mais sofisticados.
...
Agência FAPESP – Esse era o dogma central?

Mattick – Sim, o DNA é transcrito pelo RNA e copiado na proteína. Esse é o dogma e ele está certo [NOTA DESTE BLOGGER: Alguns dogmas são mais certos do que outros dogmas...]: o DNA faz RNA e alguns RNAs fazem proteína. Esse é o fluxo de informação. O erro é que se pensava que a maior parte da informação do RNA fluía pela proteína. Mas parece que, nos humanos, apenas uma quantidade muito pequena das informações vai para a proteína. A maior parte vai ao RNA. E, agora, estamos conseguindo evidências de que esse RNA está envolvido em regulações muito mais sofisticadas do sistema. Então, para entender [NOTA DESTE BLOGGER: Programação é linguagem teleológica. Deve ter sido lapso do Mattick... ou é isso que detectamos realmente (não é ilusão como afirma Dawkins) nas formas bióticas?], temos que pensar não apenas em termos de proteínas, que são componentes mecânicos do sistema. Por trás, há uma arquitetura altamente sofisticada que permite decidir quais componentes devem ser expressos e as mais diversas funções [NOTA DESTE BLOGGER: Traduzindo em graúdos -- design inteligente reconhecido na linguagem teleológica empregada por Mattick -- arquitetura altamente sofisticada que permite decidir. Pelo paradogma darwinista, não há nenhuma finalidade nas formas bióticas, muito menos dispor uma forma biótica inteligente que decida].

Agência FAPESP – O senhor compara os sistemas regulatórios do RNA a um sistema computacional avançado.

Mattick – Sim. Podemos fazer uma analogia com um sistema sofisticado que é o Boeing 777. Seus componentes mecânicos já eram conhecidos há 50 anos: motores, jatos, aerofólios, bombas hidráulicas e assim por diante. Mas há um mundo de diferenças entre um avião feito em 2010 e outro de 1960, quando os computadores ainda não eram populares e não se usavam fibras ópticas. Os objetos mais sofisticados na nossa sociedade se tornam cada vez mais ricos em informação. E essa informação que está codificada em computadores é transmitida por fibras e fios, que não são precisamente componentes mecânicos, mas sim aparatos de transmissão. Portanto, ir de um objeto simples para outro mais complexo não é apenas uma questão de fazer novos componentes, mas de expandir os sistemas de controle e a arquitetura, no caso dos aviões, para que os componentes funcionem de modos cada vez mais sofisticados. [NOTA DESTE BLOGGER: Será que a Nomenklatura científica não vai cair de pau em cima do Mattick por ele ter usado esta analogia do Boeing 777. Afinal de contas, isso pode remeter à comparação feita por Fred Hoyle que, para detonar com a evolução darwiniana, usou da analogia de um monte de ferro velho ter sido levado por um furacão e se transformado por ACASO num Boeing. O que Mattick tinha em mente com esta analogia???]
...
Qual a consequência dessa mudança de rumo? O que muda na ciência?

[i]Acho que o que muda realmente é a ideia simplista de como a genética funciona. Ficamos muito mais sofisticados. É um pouco como ter mudado da física newtoniana para a física relativista – embora essa não seja uma analogia muito boa. Mas, de certo modo, é como se o mundo da programação genética ficasse muito mais sofisticado, complexo e diferente do que pensávamos. Ainda trabalhamos com moléculas, com DNA e com proteínas. Mas o RNA é o grande personagem hoje. Todo mundo pensava que ele era só um intermediário temporário entre o “disco rígido” e a proteína. Mas as pessoas vão começar a considerar que o RNA não é apenas um intermediário e entender que ele é o motor computacional da célula e do desenvolvimento. É também o motor computacional do cérebro. Assim, uma vez que entendermos esse princípio, poderemos começar a explorá-lo.

Agência FAPESP – Como estudar uma genética que assume tamanha complexidade?

Mattick – Algumas pessoas dizem que, com essas descobertas, a genética está ficando complicada demais. Acho que nunca vamos conseguir entender um sistema a menos que entendamos sua complexidade, pelo menos no plano conceitual. Assumindo a complexidade dos princípios, poderemos começar a fazer perguntas que vão mais adiante e trabalhar sobre o que está de fato ocorrendo. Então, é realmente mais complicado, mas o primeiro passo é entender que de fato é mais complicado. E o segundo passo é buscar um meio para explorar esse novo espaço. [NOTA DESTE BLOGGER: Que tal incorporar as teses de complexidade irredutível de sistemas biológicos e a informação complexa especificada? Fazem parte do arcabouço teórico do Design Inteligente. E daí? Daí que a TDI é um desses meios para explorar o novo espaço de um genética extremamente complexa.]
+++++
NOTA CAUSTICANTE DE ENÉZIO:

Se "a programação genética dos organismos multicelulares foi essencialmente mal compreendida durante os últimos 50 anos" o que isso significa em termos de robustez epistêmica para a teoria da evolução através da seleção natural e/ou n mecanismos evolutivos de A a Z? Ou esta teoria foi imune à mal compreensão da programação genética dos organismos multicelulares? Perguntas assim não podem ser feitas, senão o jornalista científico perde o emprego.

E ainda dizem que a Teoria do Design Inteligente é pseudociência e que impede o avanço da ciência. Quem impediu o avanço da ciência, cara-pálida, se não o paradogma darwinista que considerou o DNA lixo como lixo e entulho evolutivo? Por que não ouviram e nem ouvem os teóricos da TDI???

Nota de Michelson: É bom viver para ver caírem paradigmas teimosamente defendidos por ultradarwinistas empedernidos. Em discussões, tive que ouvir muitas vezes que o tal “DNA lixo” não tinha função alguma e que era tão-somente subproduto de milhões de anos de evolução. Mais ou menos como o velho argumento dos “órgãos vestigiais” dos quais hoje se conhece a função (frequentemente vital). Mattick faz comparações muito felizes (software avançado, Boeing 777, fibra ótica) para ilustrar a complexidade da vida, mas o paradigma naturalista parece tão entranhado em sua mente que ele atribui essa complexidade toda à biologia e à evolução! Duvido que ele atribua a origem do avião ou dos softwares a causas naturais... Outra coisa: se o RNA é tão mais complexo do que se supunha, a ponto de ser chamado de “motor computacional da célula”, como a vida pode ter existido sem esse “motor”? Afinal, não nos dizem que foi o RNA autocatalítico (seja lá o que for) que “surgiu” primeiro? Mistérios de complexidade...[MB]

Leia a mesma entrevista com os comentários de Enézio de Almeida Filho.


Visite-me no Fórum Adventista:

http://adventista.forumbrasil.net/
avatar
Eduardo
‎Moderador Adventista
‎Moderador Adventista

Número de Mensagens : 8397
Idade : 42
flag : Brasil
Data de inscrição : 17/10/2008

http://adventista.forumbrasil.net/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum