.....................................................
Que bom que você entrou Convidado
Últimos assuntos
» O Jesus diferente do Espiritismo
Ontem à(s) 7:39 pm por David de Oliveira

» Renan é afastado da presidência do Senado após tornar-se réu por peculato
Ontem à(s) 6:53 pm por David de Oliveira

» Oportunidades de emprego
Ontem à(s) 3:55 pm por Christiano

» Noticiário Escatológico
Ontem à(s) 3:33 pm por Jarbas

» Absurdário Escatológico
Ontem à(s) 9:56 am por Ed

» Olá...
Sex 09 Dez 2016, 10:25 pm por Ed

» Qual a verdadeira intenção dos organizadores das manifestações?
Sex 09 Dez 2016, 7:40 pm por Lit San Ares

» Meditações da Bíblia
Sex 09 Dez 2016, 4:59 pm por Discipulah

» Só há um jeito do Lula perder a próxima eleição!
Sex 09 Dez 2016, 7:36 am por gusto

Quem está conectado
57 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 57 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 2364 em Seg 19 Dez 2011, 5:49 pm
Consulta Bíblica
Ex: fé - Ex: Gn 1:1-10

O Encapetado Rick Joyner

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

O Encapetado Rick Joyner

Mensagem por Ed em Ter 27 Abr 2010, 6:25 am

Rick Joyner é um dos “superprofetas” dos últimos tempos, refletindo a derrocada do Cristianismo nominal rumo ao engodo da Nova Era . Um cristão, bom conhecedor da Bíblia, vai achar muito difícil que os crentes cheguem a um ponto em que já não mais precisarão da Sagrada Escritura.

Contudo, existe um crescente grupo de “mestres”, que se autodenominam apóstolos e profetas autoungidos, ensinando, ostensivamente, que a Bíblia se tornou obsoleta e, portanto, já não tem aplicação nos dias de hoje. Embora tais ensinos ainda não tenham chegado a uma ordem decisiva de “livrem-se da Bíblia”, as “profecias e revelações” desses “mestres” são tratadas como novas, excitantes e sumamente necessárias para os dias atuais. Esses visionários promovem também um falso evangelho, com o autoengrandecimento e construção do seu império religioso. [N.T - Eles tentam ressuscitar numa religião moderna o que o Catolicismo Romano fez na Idade Média]. Eles chegam a dizer que, algum dia, toda a riqueza do mundo passará às mãos da igreja.

Um exemplo da falta de consideração à Bíblia é o popular autor Tommy Tenney, o qual tem um passado no Unitarismo e declara, acintosamente, em seu livro bestseller -“The God Chasers” : “Um verdadeiro caçador de Deus não se contenta apenas com a verdade ultrapassada, mas precisa de uma verdade presente. Os caçadores de Deus não se contentam em estudar apenas o que Deus fez. Eles estão ansiosos para ver o que Deus está fazendo”. Tommy emergiu como uma das celebridades notáveis, dentro do mundo carismático, tendo sido promovido pela revista “Charisma” e pelo Reavivamento de Pensacola.

Através desses homens, a Palavra de Deus é denegrida. Tommy a caracteriza como “páginas obsoletas sobre o que Deus fez”. Deste modo, a eterna e infalível Palavra de Deus é descartada pelos novos “apóstolos”. Eles gostariam que isto fosse verdade e que a Bíblia já não tivesse importância alguma em nossos dias. Às vezes, eles falam de maneira dobre e até exaltam a Bíblia, temendo alarmar os iludidos mais conservadores que os seguem. Mas, à medida em que vão exaltando suas “profecias e revelações”, eles fazem com que a Bíblia se torne desinteressante, em comparação com as mesmas.

Qualquer leitura séria da I Timóteo 4 e II Timóteo 3 vai nos mostrar que é exatamente isto que deve ser esperado, nestes últimos dias. O único reavivamento a ser esperado não é o dos superapóstolos e profetas, mas o recrudescimento da heresia, do engodo e da confusão religiosa.

Estes pensamentos de minimizar a Bíblia e enaltecer as profecias humanas do Domínio têm sua origem nas heresias do Movimento Latter Rain, o qual se originou nos anos 1940. As bizarras ideias deste movimento foram rejeitadas pela maioria do pensamento pentecostal, inclusive pelas
Assembleias de Deus; porém, hoje, muitos dos que haviam denunciado tais ensinos, agora estão abraçando-os. [N. T.
- Quanto maior for a apostasia, mais cedo virá o Anticristo, junto com a Grande Tribulação, antes da qual teremos o Senhor de volta, para nos arrebatar e, em seguida aos dias da Sua ira, Ele voltará glorioso para estabelecer o Seu Reino Milenar em JERUSALÉM].

Um aumento dos profetas

Rick Joyner, fundador e Diretor Executivo da MorningStar Publications & Ministries, na Carolina do Norte (EUA), é um dos mais ferrenhos proponentes das ideias de uma geração de “superprofetas e restauradores dos tempos finais”. Ele diz que sua conversão ao Cristianismo aconteceu em 1971 e que, a partir desse tempo, ele obteve a capacidade de prever, com exatidão, os acontecimentos futuros e, ocasionalmente, olhar as pessoas e conhecer detalhes sobre as mesmas ou chamadas espirituais sobre as suas vidas. Ele se associou a outros autoproclamados profetas, como Paul Cain e Mike Bickle.

Apesar de sua “chamada profética”, num ministério de tempo integral, Joyner reconhece que é um cristão “superficial em sua relação com o Senhor” e que “a falta de intimidade com Ele o tem levado a inclinar-se mais sobre as fórmulas e procedimentos essenciais à unção, do que aos essenciais para dar vida à verdade”Esta crise de consciência o levou a abandonar o ministério, nos anos 1980, tempo em que ele se afastou do Senhor, até 1987, quando foi chamado de volta (segundo ele!!!), pelo próprio Senhor, com a palavra de que sua comissão seria dada a outro, caso ele não voltasse, imediatamente.

Mais profecias do que Escritura

Joyner não deixa dúvida alguma sobre quando e onde a “voz do Senhor” está embasada na Escritura: “É típico de nossa mente ocidental desejar uma fórmula clara de como chegar a conhecer a voz do Senhor. Achamos que deve haver pelo menos um meio óbvio, como nas Escrituras. Muitos têm tentado lutar para afastar alguém da palavra, mas esta está ali. A única maneira de se obedecer a voz do Senhor é a mesma pela qual a ovelha conhece a voz do seu pastor, pelo tempo passado em Sua presença”.

Joyner também desrespeita a Bíblia, ensinando que a Escritura provê doutrinas; porém, é incapaz de prover sabedoria e conselho às nossas vidas diárias. Ele diz: “As Escrituras são usadas somente para prover doutrina, enquanto a voz do Senhor serve para nos dar a direção diária, bem como a revelação da estratégica vontade do Senhor. A Bíblia não nos dirige em algumas decisões mais importantes a serem tomadas, como, por exemplo, com quem devemos casar, qual a profissão que devemos escolher, etc.”.

Aqui, Joyner comprova sua ignorância bíblica. As epístolas nos dão todas as recomendações e principais direções para cada um dos simples aspectos de nossas vidas. Paulo foi claro ao escrever que “Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça; para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente instruído para toda a boa obra (2 Timóteo 3:16-17). O salmista registrou também uma verdade que todo aluno da EBD tem memorizado, conforme o Salmo 119:105: “Lâmpada para os meus pés é tua palavra, e luz para o meu caminho”.

Joyner desencoraja os cristãos, ao minimizar a Reforma e encorajá-los a seguir “sonhos e visões”. Seu conselho é inútil, quando sugere que “... Muitas teologias protestantes e reformadas não só atrapalham, mas até proíbem que o cristão escute a voz de Deus. Essas teologias são levadas à extrema interpretação do moto principal da Reforma ‘Sola Scriptura’, a qual significa ‘Somente a Escritura’”. Ele continua semeando a confusão, ao admitir: “Todos nós gostaríamos de ter uma fórmula básica para interpretar os sonhos, porém não existe sequer uma”. Nenhuma? Isto soa tão mal como o antigo epigrama que diz: “Existem apenas duas maneiras de ajudar uma mulher, mas ninguém sabe quais sãoelas”.

Segundo ele, Deus nos ajuda quando fechamos as pessoas dentro de dilemas impossíveis e lhes oferecemos “direção”, sem qualquer mapa ou carta. No final, Joyner oferece uma situação delicada.

O Wilkes Journal Patriot, que é publicado três vezes por semana, em North Wilkes , Carolina do Norte, mostrou vários artigos de Joyner, e do seu ministério MorningStar, os quais proveram um insight sobre o ambiente e as atividades místicas de Joyner. Um desses artigos revelou:

“O MornignStar já comprou mais trezentas áreas na comunidade (Pores Knob, N.C.) transferindo o seu quartel general dali para Charlotte. Joyner e família se mudaram para uma casa próxima ao cruzamento das estrada Price e Broyhill, nos anos 1970, e existem planos para prover habitação para 40-50 famílias se mudando para junto do MorningStar. .. Joyner falou dos eventos que o levaram a se mudar para a Carolina do Norte... Um homem também teve um sonho que Joyner iria encontrar a estrela maior da equipe MorningStar. .. Rick Skaggs. Alguma semanas depois, Rick encontrou Skaggs... Ele está na equipe do MorningStar. .. Joyner disse sentir que Deus o estava levando a visitar a seção Pores Knob de Moravian Falls, o que ele fez em 1985... Joyner disse que sua atenção foi chamada, quando ele soube que Moravian Falls fora um centro de publicação jornalística na virada do século, e que um dos antigos jornais era chamado MorningStar “.

Compartilhando os lucros

Joyner ajudou no relançamento do telejornalista Jim Baker, falido e encarcerado. A revista “Charisma” registrou: “Jim Baker afirma já estar curado quase 100% da queda em PTL e sobre o seu subsequente fim da prisão, e agora deseja restaurar outros mestres que caíram, sofreram estresse ou foram queimados. Graças a uma doação de propriedade pelos ministérios MorningStar, de Rick Joyner, Baker e sua esposa Lory Beth vão conseguir esta chance. O ministério de Joyner doou uma loja de 17.000 metros quadrados em Charlotte, Carolina do Norte, para o ministério New Covenant Fellowship, de Baker, em Maio”.

Fiel ao moderno movimento profético, Joyner afirma que é dirigido por visões e revelações, bem como pelo próprio Jesus. Na introdução do seu livro “The Harvest” (A Colheita), ele conta aos leitores: “Algumas das revelações vieram como ‘visões abertas’. Essas visões eram visíveis e externas, como se eu as estivesse assistindo numa tela de cinema. Outras eram visões calmas e gentis, como se estivessem abertos os ‘olhos do coração’. Agora, eu tenho sonhos e visões frequentes, repletos de simbolismo, exigindo interpretação, como a maioria das visões da Bíblia, porém não daquela maneira; muitos dos detalhes que vocês vão ler neste livro eu vi, de fato, em visões... Algumas das compreensões compartilhadas neste livro vieram de literais conversas com o Senhor. Não as recebi audivelmente, porém eram mais íntimas e reais do que tudo que eu havia antes conhecido”. Apesar disso, ironicamente, Joyner adverte sobre “O espírito mago”. Ele identifica os magos como uma forma primitiva dos falsos profetas, os quais tentam se infiltrar no Corpo de Cristo. Em geral, eles têm uma aparência limpa e profissional, estabelecendo muitas vezes sua credibilidade e dando informações “proféticas”, as quais eles conhecem, naturalmente Joyner não é, assim tão naturalmente, um profeta, tanto que a seguinte declaração foi feita ao natural: Nos passados anos 1990, Joyner saiu da linha, quando afirmou que “O Senhor começou finalmente a falar” sobre o assunto. Conforme Joyner, Deus supostamente teria revelado que “as maiores dificuldades virão do pânico gerado pela situação” e o Senhor lhe disse para observar o que os problemas do U2K vão causar no mundo natural, como reflexo dos problemas que temos no Corpo de Cristo.

Assim, conforme a revelação de Joyner, a igreja não teria problemas, desde que a U2K não fosse um evento. Será que Deus Se enganou ou Joyner estava apenas pretendendo e especulando “ao natural”? No site da organização de Joyner, o MorningStar Bulletin é apresentado como “uma publicação devotada à distribuição de palavras de estratégia profética, de sonhos e visões, os quais tenham programas críticos de data”. Muitos destes não passam de sermõezinhos transformados em palavras “proféticas”.

A natureza vaga e generalizada das revelações de Joyner limita-se a uma porção de sua palavra “profética” para o Novo Zelo que se levantará na igreja da Nova Zelândia, em 1991: “Seu novo zelo é profético - um novo zelo se levantará na igreja da Nova Zelândia. Este zelo para o Senhor e Seus propósitos vai ajudar a trazer a convicção mundial de Cristo sobre o seu espírito laodiceiano de mornidão... Seu zelo será um novo zelo”. E vai por aí... Joyner oferece o gasto e falso clichê predominante entre os superstars carismáticos, como Benny Hinn e outros. Quando sua ignorância teológica ameaça aparecer, ou então suas profecias falham, ele diz a seu respeito: “Muito embora eu não tenha podido frequentar uma faculdade de jornalismo e nem um seminário bíblico, de qualquer forma, eu jamais trocaria a minha educação pela de nenhum outro. Como Paulo, eu posso dizer que eu não a recebi de homem algum” . A Escritura previu estes autodeclarados profetas e nos advertiu contra as suas falsidades. (Zacarias 13:4-5; Mateus 24:4-5). Entrementes, Joyner conserva para ele uma porta de fundos, quando sugere que “Os profetas do Novo Testamento são diferentes dos profetas do Velho Testamento, pois não são infalíveis como aqueles, estando sujeitos a cometer erros”. [N.T. Eles imaginam Paulo cometendo erros em suas profecias sobre os últimos tempos, ao nos admoestar sobre estes trambiqueiros do evangelho!]. Joyner continua: “A verdade é que tudo é relativo, visto como depende da pessoa achar que o profeta está ou não está errado. Afinal, este é um caso de suposição subjetiva” .

Joyner e seus confrades do moderno Movimento de Profetas criaram a mentira de que os profetas do Novo Testamento podem estar certos, às vezes, e errados, outras vezes. Aplicando a 1 Coríntios 14:29-b, “... e os outros julguem”, eles afirmam que a mensagem precisa ser examinada e avaliada, dela retirando o que é bom e desprezando o resto. Isso mostra uma tremenda falta de compreensão do texto de Paulo sobre como devemos discernir entre os verdadeiros e os falsos profetas.

O professor de Novo Testamento, Thomas Edgar, afirma que não existem declarações diretas no NT que possam embasar o conceito de profeta falível e que a 1 Coríntios 14:29 diz: “Não está clara, em qualquer caso, como nesta [passagem] a indicação de que os profetas do NT sejam inferiores aos do VT, visto como toda a congregação de Israel também foi comandada a testar os seus profetas (Deuteronômio 18:22)... A palavra “diakrino” não indica que exista tanto o bom como o mau profeta para ser examinado. Ela é sempre usada num contexto como este a fazer o julgamento entre duas pessoas, isto é, determinar quem está certo e quem está errado. A declaração de Cartum de que ‘discernir’ se refere à exata profecia, poderia significar que toda profecia seria verdadeira ou falsa. Não significaria examinar a boa e a má, considerando as partes boas como vindas de Deus e o profeta como verdadeiro. Isto contraria a prática bíblica...Ela não implica em que haja a má profecia no NT ou que o profeta verdadeiro possa entregar falsas profecias” .

Mesmo assim, quando alguém toma a liberdade de julgar o profeta e sua mensagem, é logo taxado de “fariseu”, ou coisa pior, como sendo “religioso” ou tendo parte com Jezabel.

Steve Cannon (1927 - 2009) mostra um tema recorrente nos escritos de Rick Joyner, um conceito chamado de “Os dois ministérios” “Joyner descreve o segundo dos dois ministérios como ‘buscadores de faltas’, afirmando que esta é uma força destrutiva.. . Esta doutrina... é criada com o objetivo de intimidar qualquer pessoa que possa criticar e a pensar que, agindo desse modo, está operando sob o espírito de Satanás.”

Joyner emprega também, incorretamente, a instrução de Jesus para confrontar um irmão que tenha pecado contra o outro (Mateus 18:15-17), afim de liquidar a possibilidade de alguém vir a questionar sua errônea doutrina . Seu uso de Mateus 18 (sempre fora do contexto) é uma tática que o PFO (conforme o Urban Dictionary) tem usado para os jornais, em vez de ter sua doutrina exposta publicamente, o que não está, de fato, desejando que aconteça. Trata-se, evidentemente, de uma cortina de fumaça. Esses homens se escondem por trás de uma legião de “assistentes”. O PFO usou exatamente esta tática, quando tentamos entrar em contato com Joyner, em 1999. Em Janeiro de 1999, o diretor do PFO, Steve Cannon, telefonou ao MorningStar Ministries, tentando uma entrevista com Rick Joyner. A chamada foi feita através de James Arquit, um dos assistentes de Joyner. Arquit ficou sabendo do objetivo da entrevista e logo informou que Joyner estava fora da cidade, naquele momento; que ele era um homem muito ocupado e que a melhor maneira de garantir uma entrevista seria enviar uma requisição por escrito. Isso foi feito pelo PFO, em 07/01/1999 e duas semanas depois, o PFO deu um telefonema. Um ano e meio depois, quando este artigo foi publicado, ainda não havíamos recebido resposta alguma à nossa solicitação. [N.T. - Imaginem Jesus dizendo ao centurião que ele enviasse uma requisição por escrito para que o seu servo fosse curado e, somente depois da ressurreição é que Jesus fosse atender ao pedido do centurião, conforme Lucas 7:2-10].

Doutrinas diametralmente opostas

Embora a doutrina de Joyner siga um determinado modelo, observamos que, em muitos lugares, seus escritos e livros contradizem e minam a mesma. O que se pode imaginar é que sua declaração doutrinária seja apenas uma espessa cortina na janela e um subterfúgio, ou, quem sabe, uma prova de sua lealdade a um movimento [Reconstrucionismo] que prega a supremacia da igreja no mundo, afastando-se totalmente do estável e ortodoxo fundamento bíblico. Ele se comporta como um garotinho tocando notas musicais erradas junto com as notas certas. Sua trombeta está desafinada, dando “sonido incerto” (1 Coríntios 14:7-8). Se ele vivesse na era do Velho Testamento já teria sido apedrejado como falso profeta (Deuteronômio 13:1-5; 1:20-22).

Joyner promove, desbragadamente, suas errôneas doutrinas, da seguinte maneira:


“Num breve futuro, a igreja não estará olhando com inveja, retroativamente, para a igreja primitiva, visto como, mesmo com grandes explosões daquele tempo, todos nós estaremos dizendo: ‘guardamos o melhor vinho para este final’. Os tempos mais gloriosos de nossa história estão chegando agora. Os que haviam sonhado que um dia poderiam falar com Pedro e Paulo ficarão surpresos ao descobrir que todos eles estavam esperando para falarmos com eles. Todos vocês foram escolhidos para ver a colheita, o fruto das sementes que eles plantaram.” .

Joyner é tão ousado que chega a declarar que “as nações serão dominadas pelos apóstolos recém nomeados e que os milagres excederão até mesmo as mais espetaculares maravilhas bíblicas, levando todas as nações a reconhecerem Jesus... As aparições de anjos serão tão comuns que deixarão de ser relatadas como eventos importantes. O próprio Senhor vai aparecer nos concílios dos apóstolos e anciãos, a fim de lhes dar as diretrizes.” [N.T. - Só se for o “outro Jesus”!] Hank Hanegraaf comenta as doutrinas de Joyner e lhe concedeu a estátua de “Líder do Falso Reavivamento”.

Atração pela Restauração

Joyner vive obcecado, principalmente, por duas atrações: a “Restauração Profética” e a “Restauração Apostólica”. Ele as explica assim:

“Uma nova onda de ministérios está para ser liberada com extraordinários dons proféticos. Outra, com o dom da revelação, os quais têm sido marginalizados em virtude da controvérsia ou de outros problemas, mas estão em vias de voltar, rapidamente. .. O ministério profético que inaugurou a era da igreja, no final será elevado, a fim de completá-lo. O Senhor está restaurando a autoridade apostólica à igreja e logo esta se tornará a maior ênfase. Haverá quase uma abertura geral à mesma, quando homens, com umaverdadeira autoridade apostólica e com um verdadeiro estilo de vida apostólico, assumirem a liderança”. .[N.T. - Vai ser megalomaníaco assim nas Olimpíadas da China!]

Conspicuamente ausentes da agenda de Joyner estão os ensinos bíblicos sobre este assunto. Não existe uma única Escritura que possa respaldar esta ilusão autosserviente. Paulo deixa claro (em Efésios 2:20) que a igreja foi edificada “sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas [antigos], de que Jesus Cristo é a principal pedra da esquina”. Ela é descrita como o “edifício de Deus” (1 Coríntios 3:9-10). Um edifício, especialmente a igreja do Senhor, não precisa de qualquer outro fundamento. Não existe Escritura alguma que possa respaldar esta megalomania imaginária de Joyner e seus confrades.

Joyner confirma que o seu livro “A Prophetic Vision For The 21st Century” foi o resultado final tanto de escutar o Senhor como de receber Suas visões e revelações. Ele declara que o Senhor lhe disse: “Tenho permitido que você anteveja um pouco do futuro” . [N.T. - Mas que “jesuszinho” camarada, hem?]

Em seguida, Joyner, sem tomar fôlego, faz outra declaração: “No final da visão do meu livro “The Call” (A Chamada), eu vi, por um momento, a glória de todas as eras” .

Suas ideias da revelação contínua e da profecia apresentam uma chocante semelhança com a “revelação contínua” dos mórmons, conforme a definição dos jornalistas Richard e Joan Ostling: “A autoridade religiosa, no Mormonismo, inclui o conceito de revelação contínua, através do presidente em exercício da igreja, o qual ostenta os títulos de vidente, profeta e revelador. A doutrina mais antiga pode evoluir; contudo, um profeta anterior, mesmo tendo sido superado, não esteve errado.” . [N.T. – Por causa de alguns cristãos dominionistas, visionários e fanáticos, os quais acreditam num mundo totalmente isento de pecado, com uma igreja perfeita e santa predominando em toda parte, já existe em Amarillo, Texas, um exército liquidando os pecadores e os locais de embriaguez e prostituição, segundo uma notícia recebida via Internet. Trata-se do exército de guerrilheiros do "pastor" David Grisham, o qual trabalha como segurança em uma fábrica de armas nucleares, e é o líder do Exército de Deus, o “Repent Amarillo”].

Hermenêutica de Beisebol

Mesmo assim, Joyner não recebe suas mensagens diretamente, mas através de sinais e significações místicos, em todo tipo de coisas e lugares estranhos. Ele até imagina receber uma mensagem profética num jogo de beisebol. Ele ensina despudoradamente:

Na primavera de 1995, Bob Jones [N.T. - o falso profeta], meu amigo, contou a muitos de nós que o time de beisebol Atlanta Braves iria vencer o time World Series naquele ano, como uma mensagem para o povo americano. Esta profecia se cumpriu e continua sendo uma mensagem... Também é significativo que tenha sido David Justice quem acertou aquela bola. Ele é negro e espero que os jovens Davis negros se levantem para matar os Golias espirituais, que têm intimidado e detido os exércitos de Deus na América... Na primavera de 1996, Bob Jones recebeu uma palavra de que os Braves não iriam vencer novamente o World Series, naquele ano, e que isto seria uma mensagem. Quando me ofereceram bilhetes da World Series, para o Quinto Jogo de 1996, em Atlanta, eu sabia que o Senhor iria mostrar algo importante. E não fui decepcionado!” .

Não vamos continuar mostrando tanta tolice. Vocês podem imaginar Paulo antecipando uma predição espiritual sobre os vencedores nos jogos da Grécia? Será que ele se assentava durante os jogos corintianos, a fim de receber e discernir a verdade e a vontade de Deus, conforme esses magos ridículos estão fazendo, indagando qual a significação que um evento poderia ter? Joyner perverte completamente a profecia bíblica. A exclusiva mensagem para a América e para o mundo inteiro é reconhecer Jesus Cristo como o nosso grande Deus e Salvador, e a Escritura como Sua Palavra final... E não alguém que tenha vencido um jogo de beisebol.

Uma Guerra nada Civil

Um dos temas principais veiculado na apologética “Newsletter Vanguard” é a Guerra Civil. Em outro artigo intitulado “Rick Joyner, um Cristão Gnóstico”, o autor Noel Richardson anula um dos temas principais de Joyner, escrevendo: “Sua obsessão é a ’Grande Guerra Civil Cristã’, a futura guerra civil espiritual, a qual será travada entre o partido Azul e o Cinzento. Em seus sonhos e visões, o azul sempre representa a mente celestial, enquanto o cinzento representa os que vivem conforme o poder da mente mundana - conhecida como massa cinzenta. Este será um conflito entre os que talvez sejam cristãos genuínos, mas que vivem conforme suas mentes naturais e sabedoria humana, e aqueles que seguem o Espírito Santo”. (The MorningStar Bulletin, maio 1996, p. 2).

Os prognósticos de Joyner sobre uma próxima guerra civil cristã são muito variados. A publicação mais difundida sobre esta guerra aparece em seus livros “A Prophetic Vision for the 12st Century” e ”The Final Quest”.

O Jornal CNN resumiu sua intenção deste modo:

“As violentas imagens adotadas por Joyner parecem ser dirigidas, não contra os liberais na igreja, como deveríamos supor, mas contra os que não aceitam suas visões e profecias - os que se embasam exclusivamente na Palavra de Deus escrita” . Desse modo, a barricada de Joyner não está erguida contra os que pregam heresias e falsos ensinos, mas contra os crentes bíblicos, que discordam de suas visões e revelações. Além do mais, em suas “colheitas” e “passeios pela montanha sagrada”, Joyner “aprendeu” e ensina que os demônios dirigem e governam os cristãos que pensam, raciocinam e discernem conforme a verdade bíblica. [N.T. Aqui em Terê, os “profetas” seguidores de Joyner, cujas igrejas até levam nomes como “Ceifa” “Colheita”, etc., iriam profetizar que Ronaldinho não irá mais a um bordel com garotos de programa e que ele vai ganhar, junto com o outro Ronaldo, o próximo jogo de futebol.]

Antigas heresias em novas embalagens

Os conceitos de Joyner não são apenas ideias reembaladas do famigerado movimento Latter Rain, mas têm raízes mais profundas. Embora o Movimento dos Apóstolos e Profetas seja considerado novo, na realidade ele é apenas um ressurgimento das heresias do Gnosticismo da época do Apóstolo Paulo, que ameaçavam a igreja primitiva. [N.T. - Satanás é bastante esperto para colocar uma cortina de fumaça sobre suas investidas contra a Palavra de Deus: “É assim que Deus disse?” (Gênesis 3:1). Para esses conspícuos “profetas” modernos, Deus se arrependeu de muita coisa que ditou na Palavra Dele e agora precisa restaurar alguns pontos da mesma. Por isso existe entre eles outro movimento - o da “Verdade Atual Restaurada”]. Paulo confrontou os homens (2 Coríntios 11) que se vangloriavam de ser superapóstolos. Frederick Dave Brunnev explica a situação, conforme ele acredita que Paulo a descreve na 2 Coríntios 11:5-15:

Pela primeira vez, nesta carta, Paulo nomeia os novos evangelistas em Corinto: ‘Porque penso que em nada fui inferior aos mais excelentes apóstolos’. (verso 5). Eles se consideravam super-homens religiosos, mais elevados espiritualmente do que Paulo (e os outros), tanto na mensagem como no estilo de vida. Segundo eles, Paulo fazia cristãos nominais e eles, no Espírito (falta algo nesta frase). Paulo exaltava um Messias crucificado [que mau gosto!], enquanto eles entregavam o “evangelho pleno” [ou “quadrangular”]. Eles consideravam Paulo e os outros como patéticos. Porém, o seu autodomínio não perdurou muito tempo”.

Brunnev prossegue: “Finalmente, Paulo explode contra os que o consideravam mundano, por imaginar que Deus agia nele quando estava fraco, tornando-o forte (2 Coríntios 12:9), sabendo que os que tentavam superá-lo não eram apenas superapóstolos, mas pseudo apóstolos. Eles eram desonestos em todas as suas doutrinas e práticas, disfarçando-se como apóstolos de Cristo”. (2 Coríntios 11:13).

Esses pseudo apóstolos pisoteavam e desconsideravam a Palavra de Deus, prometendo não apenas novas revelações como o domínio sobre o mundo não salvo, o que não passava de uma utopia. Eles afirmavam ser superiores a Paulo e aos profetas bíblicos.

No Concílio Apostólico de Anciãos e Profetas do atual Movimento, o qual aconteceu em 30/11/1999, doze profecias foram apresentadas, algumas tão confusas como as dos psíquicos da TV, ou dos tablóides de supermercados, referindo-se às enchentes e terremotos. Presentes ao tal concílio estiveram: C. Peter Wagner, Cindy Jacobs, Dutch Sheets, Tommy Tenney, Mike Bickle e Jim Goll (outros membros não presentes, mas no concílio, eram Paul Cain, James Ryle, John e Paula Sanford, Bill Hammond (ou Hamon) e Gwen Shaw).

Um registro submetido pelo membro do concílio - Jim Goll - incluía: “Este mover de Deus será tão poderoso que a igreja vai se reunir em estádios para adorar, tanto as igrejas de determinada região como algumas igrejas locais, as quais vão crescer de tal maneira que encherão estádios para os seus cultos de adoração e celebração... O Reino do Governo de Deus (sic) será estabelecido através da autoridade apostólica e profética nas cidades e nações... Veremos tremendas transferências de riquezas para o reino de Deus, através do ministério dos apóstolos de mercado, dos que têm unção apostólica para os negócios e outras áreas da sociedade”. Quanta megalomania religiosa! [N. T. - Ah! Então foi aqui que R. Paul Stevens se inspirou para escrever a sua “Espiritualidade de Mercado”?] (43). Sem dúvida, estas são enganosas ilusões alimentadas por um visionário da fé cristã.

Não há dúvida alguma de que Joyner se alinha ao crescente coro dos que atacam e tentam destruir a autoridade bíblica, desejando, inutilmente, colocar-se acima da Palavra de Deus. Sua agenda parece ser esta: “Livrem-se da Escritura e da autoridade bíblica, pois algo novo e mais concreto chegou até nós.” Eles fazem isto exaltando suas autoproclamadas “profecias” como o meio de o cristão encontrar mais certamente a verdade e a direção para os dias de hoje. Mesmo conseguindo andar algumas vezes conforme as Escrituras, isto parece ser apenas uma gratificação à sua agenda mais ampla.

A visão por Joyner declarada é a de que precisamos da revelação direta e da profecia, “a fim de podermos realizar a comissão dos últimos dias, na igreja” (44). A igreja considerou a Escritura suficiente por 2.000 anos (2 Timóteo 3:16-17); porém, agora, ela já não se adequa à doutrina e prática, conforme esta nova mensagem. Temos agora uma nova “visão profética para o século 21” mais atualizada e imediata, segundo Joyner, por ele entregue.

Para que se cansar lendo a Bíblia, quando temos homens com uma linha de condução direta para o céu? [N.T. – Antes, era o Vaticano quem possuía, com exclusividade, esta empresa “aérea”, através da confissão, da comunhão da hóstia e das indulgências. Agora, os “apóstolos e profetas” da nova geração estão lhe fazendo enorme concorrência”]. (Mamie, na verdade, não é concorrência. Esses lobos estão é prestando um favor a Roma, divulgando o falso evangelho e trabalhando em prol da ICAR, oxente!!!)

Joyner reitera sua voz profética, em 1999, ao afirmar o que Ele fazia anteriormente:

“Tenho experimentado um considerável número de profecias em minha própria vida. Após minha conversão, em 1971, tenho conseguido, vez por outra, a habilidade de prever, com exatidão, certos eventos futuros, mas não em sentido geral. Posso também olhar as pessoas e conhecer detalhes a seu respeito, como os problemas que estão enfrentando ou as vocações espirituais em suas vidas” .

Aqui, Joyner se expressa, de verdade, como um adivinho de jardim, o qual lê folhas de chá, ou como um dos psíquicos em evidência. Em 1994, ele ofereceu mais um exemplo de suas profecias de “suposições”: “Este grande movimento de oração vai resultar em avanços tão extraordinários para a igreja e para a libertação do mundo, que maior e mais poderosa vontade virá sobre a igreja, através da oração”... Até mesmo as escolas públicas nos Estados Unidos vão pedir que sejam feitas orações em suas salas de aula”. À moldura de tempo indefinido, acrescenta-se a aura do seu prognóstico.

Durante um hiato de tempo, as manhãs proféticas de Joyner diminuíram; porém, ele comunicou aos leitores a volta dessas revelações:

“Ora, depois de sete anos sem revelação alguma, tive uma experiência profética de três dias, na qual senti que o Senhor tentava me erguer em tudo que eu havia falhado. ... A partir de então, tenho recebido outras visões e revelações, as quais foram publicadas em meus livros ‘The Final Quest’ e ‘The Call’... Mais que de repente, passei a conhecer mais detalhes sobre os eventos futuros, como se estes jorrassem de dentro de mim. Em tudo isso, tenho tentado determinar o chamado de Deus em minha vida e o Seu propósito para a Sua igreja” .

Como é triste ver um líder cristão determinar o chamado de Deus e o Seu propósito para a Sua igreja, fora da Sagrada Escritura. Tudo que Joyner declara poderia resultar de uma noite de insônia, de uma imaginação fértil; ou de Satanás ou espíritos enganadores, de fugas emocionais, de drogas, alucinações ou simplesmente de decepções. As emoções e experiências humanas nunca podem ser determinantes da verdade, visto como a Palavra de Deus é a única verdade. (João 8:32; 17:17; lemos em Romanos 10:17:“De sorte que a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus”.) [N.T. - Será que as alucinações religiosas de Joyner conseguem produzir alguma fé legítima?]


::


Porque nós não somos, como muitos, falsificadores da palavra de Deus, antes falamos de Cristo com sinceridade, como de Deus na presença de Deus 2Co 2:17

O Forum Gospel Brasil completa hoje 3163 dias de existência com 228928 mensagens

Ed
Mateus 18:20
Mateus 18:20

Número de Mensagens : 11003
Idade : 64
Localização : BRUSA
flag : BrUSA
Data de inscrição : 13/04/2008

http://gospelbrasil.topicboard.net

Voltar ao Topo Ir em baixo

O Encapetado Rick Joyner (Parte II)

Mensagem por Ed em Ter 27 Abr 2010, 6:44 am

Conforme lemos na Parte I deste trabalho, Rick Joyner, fundador e Diretor Executivo da MorningStar Publications & Ministries, na Carolina do Norte, é um dos mais ferrenhos proponentes das ideias de uma geração de superprofetas e restauradores dos tempos finais. Ele diz que sua conversão ao Cristianismo aconteceu em 1971 e que, a partir desse tempo, ele tem a habilidade de prever, com exatidão, os acontecimentos futuros e, ocasionalmente, olhar as pessoas e conhecer detalhes sobre as mesmas, ou chamadas espirituais sobre as suas vidas. Ele se associou com outros autoproclamados profetas, como Paul Cain e Mike Bickle.

Joyner enfatiza o seu papel no apostolado, dizendo: “Porque os apóstolos são chamados para ser evangelistas, profetas, pastores e mestres, em geral eles têm uma natureza mais adaptável, uma vez que lhes é dado o propósito de manter a igreja na trilha certa”
Os doze apóstolos não se encaixaram em todas estas categorias e não existe ensino algum nas Escrituras afirmando que eles o tenham feito. Efésios 4:11 é claro sobre o fato de cada um dos apóstolos/profetas poder assumir qualquer um destes ofícios; porém, nenhum deles preenchendo todos eles. Pela própria definição de Joyner (de manter a igreja na trilha certa), ele não pode ser apontado deste modo, uma vez que este artigo nos mostra este “profeta” nos conduzindo a muitas trilhas erradas.

Sem dúvida alguma

Precisamos deixar a preocupação fundamental de algum dia podermos ultrapassar as Escrituras, em qualquer ponto e em qualquer tempo. Consideremos a Grande Comissão dada por Cristo à igreja, a qual é ordenada a marchar. Tendo “toda autoridade no céu e na terra”, Jesus ordena os Seus discípulos e seguidores a fazer novos discípulos, conforme Mateus 28:20. Esta é a obra da igreja, ou seja, levar os ensinos de Cristo aos outros - todo o Seu ensino. Por quanto tempo a igreja deve fazer isto? É claro que enquanto escutarmos Jesus e levarmos Suas palavras a sério. Ele deixa claro que esta Comissão deve perdurar por uma era, a Era da Graça, e enquanto nela estivermos e até que Ele volte, devemos guardar os Seus ensinos e comandos. Estes se encontram somente na Bíblia; por isso, a conclusão é que devemos ensinar exclusivamente o que está na Bíblia, até que Ele volte. Quanto a isso não temos dúvida alguma. Quem ousaria usurpar ou suplantar os ensinos de Jesus? Só mesmo os arrogantes “apóstolos e profetas” modernos!

Além disso, Paulo nos admoesta, na 1 Timóteo 6:3-5: “Se alguém ensina alguma outra doutrina, e se não conforma com as sãs palavras de nosso Senhor Jesus Cristo, e com a doutrina que é segundo a piedade, é soberbo, e nada sabe, mas delira acerca de questões e contendas de palavras, das quais nascem invejas, porfias, blasfêmias, ruins suspeitas, contendas de homens corruptos de entendimento, e privados da verdade, cuidando que a piedade seja causa de ganho; aparta-te dos tais”. Jesus disse que Suas palavras foram comandadas por Deus (João 8:26) e Paulo afirmou: “Se alguém cuida ser profeta, ou espiritual, reconheça que as coisas que vos escrevo são mandamentos do Senhor” (1 Coríntios 14:37), enquanto Pedro afirmou: “Para que vos lembreis das palavras que primeiramente foram ditas pelos santos profetas, e do nosso mandamento, como apóstolos do Senhor e Salvador” (2 Pedro 3:2). Paulo ordenou aos coríntios: “... para que em nós aprendais a não ir além do que está escrito” (1 Coríntios 4:6-b).

Torcendo as Escrituras

Até quando maneja a Palavra de Deus, Joyner a distorce terrivelmente, logo aparecendo com interpretações sobrenaturais e subjetivas. Suas interpretações são esotéricas, ignorando a aplicação e o contexto cultural. Tudo é distorcido, para que se encaixe na mensagem dominionista [ou reconstrucionista] . Suas ideias já foram rotuladas de Exército de Joel, Reino Agora e Teologia do Domínio, embora sejam, antes de tudo, migrações gnósticas, em vez de propriamente uma teologia. Muitos dos ensinos do Latter Rain têm sido reembalados, rebaixando Cristo e as Escrituras, com o objetivo de deificar o homem.

Os livros antigos de Joyner eram mais conservadores, bíblicos e centrados. De fato, o seu livro de 1992 “The Journey Begins” contém 3 pp. sobre “Os fundamentos da interpretação bíblica”. Contudo, suas ideias têm decaído, horrivelmente, a partir desse tempo.

Muitas vezes, ele é relapso no uso das Escrituras. O cenário que ele constrói é bem diferente daquele com o qual o apóstolo Pedro equipara a igreja primitiva, Paulo equipara a igreja histórica e o apóstolo João, o mover profético dos últimos tempos, preparando a igreja para a volta de Cristo. Espiritualizar ou alegorizar o texto bíblico é patético. [N. T. - Dizer que a igreja é a Nova Israel de Deus é uma tolice sem igual. A igreja é a noiva de Cristo; Israel é a nação escolhida por Deus]. Jamais devemos fazer uma premissa espiritual ao custo da correta interpretação da Escritura. Quando fazemos este tipo de interpretação, corremos o risco de dar uma significação errônea às Escrituras.. . um tipo de exegese maquilada e autosserviente. O ministro e anfitrião do programa radiofônico “Open Bible Dialogue”, Joseph Chambers, fala sobre os livros de Joyner: “Ler este material é o mesmo que ler o material da Nova Era. Sua proposta é apanhar qualquer coisa da Escritura e fazê-la significar algo que se adapte aos seus objetivos teológicos. Não existe fidelidade aos fatos estabelecidos de interpretação. É um pantanal de ideias relapsamente conectadas com generalizado uso fora do contexto bíblico, tentando comprovar os seus objetivos” .

Joyner também torce a Escritura para ensinar uma visão distorcida de dois “evangelhos”. Ele é confuso, quando quebra a declaração de Hebreus 6:5: “E provaram a boa palavra de Deus, e as virtudes do século futuro”, afirmando que estas palavras foram pregadas por João Batista a Jesus, tendo sido obscurecidas após o primeiro século d.C. Em seguida, ele conecta esta mensagem, sem motivo algum, a Apocalipse 11:15, afirmando que “a verdadeira mensagem brevemente será liberada à igreja”. E que ela poderá levar a igreja a “andar sobre a água” ou a “pairar sobre o ar” , mesmo não conseguindo fazer isto.

Paulo declara na 1 Coríntios 2:2: “Porque nada me propus saber entre vós, senão a Jesus Cristo, e este crucificado.” Não podemos melhorar a mensagem bíblica, mesmo porque ela jamais se extraviou. Até mesmo um estudo superficial dos “Pais da Igreja” vai mostrar a continuidade da mensagem. Mesmo que ela tenha sido rasurada durante a Idade Média [N. T. - por conveniência do Catolicismo Romano], a Reforma Protestante se encarregou de reconduzi-la ao seu curso normal.

A ideia de que a verdadeira mensagem do evangelho foi finalmente reencontrada por Rick Joyner, após os anos 1960, nada tem de original, por ser idêntica à dos grupos pseudo cristãos dos dois últimos séculos. Mary Baker Eddy, Joseph Smith, Ellen G, White, Charles T. Russell, Herbert Armstrong e outros hereges modernos têm declarado o mesmo, a fim de respaldarem suas falsidades teológicas.

Joyner afirma que a igreja será um grande hospital, com o poder de cura para todo tipo de doenças e de cada praga, embora isso não esteja ainda acontecendo. Infelizmente, para Joyner, o conceito do “mundo vindouro” era uma forma comum e bastante conhecida no primeiro século e ainda continua sendo para os judeus ortodoxos de hoje. Ela é um sinônimo do Reino Milenar do Messias, do Novo Céu e Nova Terra, ou Era de Ouro do Messias. A era vindoura não será uma obra de Rick Joyner, dos seus confrades “profetas’, nem de qualquer outro homem, conforme explica o erudito em Grego, Kenneth Wuest: “A era vindoura é a Era Milenar. Quanta mudança haverá, quando o Filho de Deus reinar pessoalmente na Terra e o Seu povo escolhido tiver sido salvo. Os hebreus viram milagres verdadeiros sendo realizados, cuja realização comprovou que o Novo Testamento provinha de Deus. Este foi o fator que os tornou tremendamente culpados. É interessante observar que esses milagres serão novamente operados na Era Milenar, quando o Senhor Jesus voltar à Terra”.

A maioria dos comentaristas concorda que a era vindoura será simplesmente aquela que vai chegar, identificando- a com o Milênio, com o céu ou com ambos.. Ela não será deslanchada pelos reis da Terra, mas pelo “Rei dos reis e Senhor dos senhores” (Apocalipse 19:16). Joyner está confundindo suas ambições megalomaníacas com a volta de Cristo. O mundo do primeiro século sentiu o gosto da era vindoura nos eventos registrados em Cristo e Seus apóstolos, bem como em todas as promessas bíblicas de um claro e glorioso futuro, no regresso de Jesus (Romanos 8:23; Filipenses 3:21; 1 Tessalonicenses 4:13-18 e 1 Coríntios 15). A mensagem cristã urgente é a de Romanos 1:1-17, não a do Reino Agora ou do céu na Terra.

O Pós-Milenismo foi para o Sul

A antiga posição histórica pós-milenar atribuída a Daniel Whitby (1638-1726) e as clássicas variações do pós-milenismo todas elas sonhavam com um mundo evangelizado e cristianizado, antes da volta de Cristo. Eles ensinavam que isto seria realizado pela difusão do Cristianismo, através da pregação do evangelho.

Conforme a visão pós-milenar, o evangelho de Cristo continua sendo o poder de Deus para a salvação e os antigos fundamentos são reconhecidos. Adicionalmente, esta pregação iria produzir um mundo de paz e virtudes universais, com o fruto do Espírito, sem guerra alguma (Isaías 2 e 11), tudo isso proposto para deslanchar a volta de Cristo, na típica moldura pós-milenar.

Com um toque de megalomania e sem qualquer razão aparente, Joyner declara que precisamos pregar a mensagem da última trombeta do Apocalipse 11:15, ao escrever: “Os que vivem na realidade e poder do Seu 'Reino Agora' pregarão a mensagem do reino. Não esperamos o Milênio para que Jesus venha reinar sobre nós. Seu Reino já se encontra à mão” .

Em seguida, ele declara que Deus assim o instruiu, ao construir a Comunidade Moravian Falls: “O que você está construindo vai perdurar por mil anos” .

A mensagem do Reino Agora, segundo Joyner, é maior do que qualquer outra mensagem: “Sua mensagem foi a do Reino e esta é a mensagem que nos tem sido entregue para ser pregada. Esta não minimiza a importância da nossa salvação, porém nega a alta colocação da igreja em Seu plano. Contudo, a mensagem do Reino é maior do que esta”.

A ênfase de Joyner sobre o Reino é notavelmente idêntica à das TJs, as quais ignoram o Rei em seu desejo pelo Reino.

Contudo, chocantemente diferente da Torre de Vigia é que o radical pós-milenismo carismático tem criado um cenário ilusório, no qual os operadores de sinais e maravilhas predominam sobre a sociedade e a riqueza do mundo, através dos seus milagres criativos. O desqualificado poder dos milagres e os desnecessários arroubos proféticos de Joyner obliteram esta posição. Além disso, ele ainda precisa andar sobre a água, ressuscitar os mortos e multiplicar os alimentos, a fim de autenticar a sua mensagem do Milênio ou Reino Agora.

Às vezes, Joyner muito se assemelha ao metafísico E.W. Kennyon, seguidor das heresias do Novo Pensamento, acreditando que pode penetrar nas ”leis espirituais”, para conseguir dramáticos resultados. Joyner ensina, em legítima moda metafísica, que: “Existem princípios espirituais em operação no reino espiritual, do mesmo modo como existem leis naturais no reino natural. Estes princípios espirituais funcionarão com qualquer pessoa que os usar. De fato, o poder de Satanás é totalmente dependente dos princípios espirituais ordenados por Deus”.

D. R. McConnell fala sobre Kennyon o que se poderia aplicar a Joyner:

“Através do seu ‘conhecimento de revelação’, Kennyon esperava criar, de ‘superhomens’, uma raça dominadora de cristãos já não mais sujeitos ao ‘conhecimento do sentido”, aos demônios, doença e pobreza. Esta esperança predomina em todos os escritos de Kennyon” . [N.T. - Kennyon é considerado o pai da “Palavra da Fé”].

Muitas outras manias

Joyner ensina que as profecias pessoais não precisam, de modo algum, estar conectadas às Escrituras. Ele diz, por exemplo: “Alguns argumentam que a profecia pessoal deveria vir sempre com a confirmação da Escritura... Este errôneo conceito é apenas o resultado de uma hermenêutica falha.” (62). Consciente ou inconscientemente, ele está degradando e desrespeitando a Palavra de Deus e colocando impressões, conduções místicas, prontidão e imaginação acima da mesma.

Indo mais longe no assunto, Joyner admoesta que a pesquisa de seita é perigosa e não deve ser efetuada. Certamente, isto iria manter o seu caso fora do discernimento. Quanto mais admoestação contra as falsas religiões e heresias, conforme está na Bíblia (por exemplo, testar os espíritos, 1 João 4:1), melhor será; por isso, as palavras de Joyner demonstram ser desaconselháveis e tolas:

“Poucos dos que se dedicam ao estudo das seitas ou doutrinas espúrias são capazes de distinguir as palavras do Senhor e, por fim, têm o coração endurecido pelo exato mal que eles buscam expor. Seremos mudados por aquilo que estamos observando (2 Coríntios 3:18). Existem explícitas admoestações na mensagem do Senhor para a igreja em Tiatira sobre “conhecer as profundezas de satanás” (Apocalipse 2:24). Quanto mais focalizamos o que está errado ou as práticas do maligno, mais seremos mudados na natureza do que estamos vendo”. [N.T. - Vá ser ignorante assim no seu 'próprio lugar'!]

Desse modo, conforme Joyner tenta discernir - ser bereano - é se tornar coparticipante das obras das trevas. É isto que as TJs falam a respeito do estudo da Bíblia, à parte de sua literatura, as quais encorajam também a falta de discernimento. Mais uma vez, Joyner demonstra ser sectário, em vez de ser um cristão bíblico. Além disso, na citação acima, ele demonstra também o seu temor no manejo da Palavra de Deus.

As pessoas em Tiatira não conheciam (por experiência) as profundezas de satanás, “que no contexto eram a idolatria e a imoralidade sexual” (Apocalipse 2:20), simplesmente por serem capazes de discernir. Elas não praticavam tais coisas, pois sabiam discernir a sua natureza maligna e, assim, evitá-las. Conhecer as profundezas de satanás não é estudar os falsos mestres, como Joyner diz, mas praticar (experimentar) e promover a imoralidade e a idolatria. [N.T. - Neste ponto, a Igreja de Roma “conhece as profundezas de satanás”, pois costuma negar a imoralidade dos seus padres e promover a idolátrica adoração às imagens dos seus “santos”].

Um profeta sem discernimento

Embora Joyner afirme ser um profeta, às vezes, ele apenas parece estar tentando ser o que diz, pois ignora a própria deficiência de informação sobre o que está disseminando. Ele gostaria que acreditássemos que um dos modelos de discernimento da verdade é o teólogo alemão Dietrich Bonhoeffer (1906-1945), o qual participou do movimento de resistência contra Hitler, nos anos 1940. Ele se envolveu num fracassado plano para assassinar Hitler, foi mandado para a prisão e enforcado por traição. Aos 39 anos, Bonhoeffer, pouco antes de ir para a prisão, propôs casamento a uma paroquiana de 17 anos Sua história é muito triste. Do ponto de vista humano, ele foi justificado por tentar ajudar os judeus contra o nazismo; porém, este ato heróico não resolve o problema teológico.

Joyner aplaude Bonhoeffer pelo seu “extraordinário apego à verdade” e prossegue afirmando: “A vida de Bonhoeffer é um dos maiores exemplos de como alguns mantêm a verdade sem compromisso, posicionando- se contra a mais poderosa máquina política e militar da história, sem coisa alguma além do poder espiritual, e, no final, prevalecendo o que foi dito sobre o justo Abel e que poderia ser dito sobre Bonhoeffer - 'Ele fala depois de morto”'..

Como é possível que Joyner seja tão confiável, ao ponto de exaltar, como paradigma de discernimento, virtude e verdade, um homem que nem mesmo era fiel aos essenciais da fé cristã? Joyner é um profeta falso e censurável, totalmente destituído de qualquer discernimento e sabedoria. Ele se vangloria nos falsos posicionamentos teológicos. Por isso, não é de admirar que ele desencoraje o discernimento bíblico entre os seus seguidores.

Perdão sem arrependimento

Aparentemente, Joyner acredita que alguém pode ser salvo à parte do arrependimento e confissão dos pecados, conforme a pregação do evangelho. Ao contrário de Joyner, o apóstolo João disse que o perdão e a purificação dos pecados devem ser embasados na confissão (1 João 1:9). Será que alguém pode ser automaticamente perdoado? Joyner ensina:

“[Ele, Jesus] olhou, lá de cima da cruz, para os seus atormentadores, sem ira, sem retaliação... Mas com misericórdia. Ele orou:“Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem” (Lucas 23:34). Estas não foram palavras tolas. Ele quis dizer exatamente isto. Não estava esperando voltar para fazê-lo. Ele simplesmente perdoou” .

É simplesmente doentio e falho o uso da frase: “esperando voltar para fazê-lo”. ... A questão maior e mais importante é: Jesus perdoou automaticamente os que O crucificaram? É verdade que Ele os perdoou? Se não, o que Ele realmente quis dizer? É impossível que Jesus os tenha perdoado e, depois, anulado o perdão, pois Pedro disse àquelas mesmas pessoas, em Jerusalém, conforme Atos 2:23: “A este que vos foi entregue pelo determinado conselho e presciência de Deus, prendestes, crucificastes e matastes pelas mãos de injustos”. Em seguida, Pedro os convoca a se arrependerem (verso 28). Se aqueles judeus já tivessem sido perdoados, conforme sugestão de Joyner, por que precisariam se arrepender novamente? Conforme Pedro, eles não tinham sido perdoados e precisavam de arrependimento e de perdão para serem salvos.

A única maneira de se entender as palavras de Jesus em Lucas 23:34 é do ponto de vista de um perdão em potencial. Todos os pecados podem ser perdoados, até mesmo os hediondos, como o crime dos que consentiram na morte de Jesus. Ele liberou-lhes a esperança de um perdão em potencial, o qual foi realizado no Dia de Pentecoste, embasado no seu arrependimento e aceitação de Cristo como o seu Messias. Até mesmo os assassinos de Cristo podem receber perdão. Esta é a única interpretação que pode combinar com o resto da Escritura. Devemos ter cuidado em definir apropriadamente a verdadeira significação da palavra “perdão”. Uma concepção errônea é a de que, como cristãos, devemos “perdoar e esquecer”, mesmo que o nosso perdão não seja buscado. Devemos lembrar que o perdão é uma transação (1 João 1:9).

No capítulo intitulado “O Perdão é Condicional”, o Dr. Jay Adams fala sobre a oração de Cristo na cruz: “Se de fato Jesus perdoou, incondicionalmente, os que O crucificaram, claro que eles teriam sido perdoados sem ouvir e crer no evangelho. Portanto, este ensino é herético. Jesus não os perdoou, Ele orou por eles. O ensino se aplica a Estevão e a outros, que teriam perdoado os seus assassinos.. . Também acreditamos que sua oração foi respondida.. . Mas como? Não à parte dos meios, mas por causa deles. A oração de Jesus foi respondida na pregação de Pedro, no dia de Pentecoste.. . Eles não foram perdoados do pecado de crucificá-Lo, sem crer que Ele havia morrido pelos seus pecados, mas exatamente porque isto aconteceu em resposta à pregação do evangelho, em Jerusalém.

Não precisamos recorrer a qualquer estranha doutrina de perdão, além da fé em Jesus, para explicar a oração de Cristo” .

Os Manifestos Filhos de Satanás

É hilário ouvir Joyner usar palavras que se aplicam e são dirigidas a Satanás, adaptando-as aos crentes: Isaías 14:13-14 revela o terrível orgulho e arrogância de Satanás: “E tu dizias no teu coração: Eu subirei ao céu, acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono, e no monte da congregação me assentarei, aos lados do norte. Subirei sobre as alturas das nuvens, e serei semelhante ao Altíssimo”.

Ser igual a Deus foi a ilusão entregue a Eva pela serpente, no Jardim (Gênesis 3:5). Mesmo assim, depois de comentar as inclinações arrogantes de Satanás e o engano de Eva, sem corar de vergonha, Joyner diz:“Devemos entender que Deus quer que subamos ao céu; Ele deseja que nos assentemos no monte da assembleia; Ele deseja que sejamos elevados acima das alturas das nuvens e que sejamos iguais a Ele” (que tenhamos a Sua natureza).

Aqui, Joyner dá suas orientações e doutrinas aos Manifestos Filhos de Deus e Pequenos Deuses, indagando: "Por que o que estava fora de limites ao Diabo estava fora de limites para nós?" Ezequiel 28 dá a resposta: de Deus a Lúcifer e os cinco “desejos” de Isaías 14 são respondidos com os cinco “desejos” de Deus de Sua condenação a Lúcifer, por querer usurpar o exato trono de Deus e se tornar igual a Deus.

Negação da Ressurreição Corporal de Jesus

Os falsos ensinos de Joyner são muitíssimos e estão se multiplicando. Além de ter escrito uma teologia impura e não clara, esta tem se tornado cada vez mais séria, pois Joyner tem descambado nos ensinos que são bem-vindos ao hall do Reino. (não entendi o que é hall do Reino)

Como deveríamos ver Jesus? Deveríamos vê-Lo exatamente conforme Ele é apresentado na Bíblia. João 2:21-22 e Lucas 24:39 deixam absolutamente claro que Jesus ressuscitou em Seu corpo físico. Sua ressurreição corporal é uma verdade fundamental da fé cristã. Ele é o nosso Mediador e está entronizado à destra do Pai, num corpo glorificado e ressurreto. Para sempre, Ele é o Homem-Deus.

Esta verdade sobre as duas naturezas de Cristo é chamada união hipostática e tem sido sempre defendida pela igreja. Cristo existe nas duas naturezas, a humana e a divina. (Filipenses 2:6-7). Aparentemente, Joyner nega esta doutrina ou não a entende, quando propõe:

“Existe uma tendência a continuar relacionando- O com o “Homem da Galiléia”. Jesus não é um homem. Ele foi e é Espírito. Ele tomou a forma de servo e se tornou homem, por um breve espaço de tempo” .

Joyner não poderia ser mais claro em sua declaração: “Jesus não é um homem. Ele foi e é Espírito”. Aqui, Joyner se alinha intimamente ao gnosticismo, uma das heresias que mais ameaçaram a igreja primitiva. Mais especificamente, ele está beirando ao Docetismo, uma visão que nega a verdadeira humanidade de Cristo, quando afirma que Ele apenas parecia ter um corpo físico. Embasado numa porção de passagens bíblicas, o teólogo Louis Berkof resume a visão histórica ortodoxa:

“A encarnação (de Cristo) fez Dele uma pessoa complexa, constituída de duas naturezas. Ele é o homem-Deus.. . A Pessoa divina possuidora de uma natureza divina, desde a eternidade, assumiu a natureza humana para agora possuir as duas” .

Certamente, nenhum profeta verdadeiro iria negar a natureza humana de Cristo, nem que Ele existe num corpo glorificado. Paulo nos lembra este fato na 1 Timóteo 2:5: “Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem”.

Como é possível Joyner afirmar que “Jesus não é homem?” Se aceitarmos o “profeta” Joyner, então teremos destruído as verdades doutrinárias que separam o Cristianismo das seitas.

Joyner não está melhorando em coisa alguma.

Pode ser que Joyner não conheça bem a neo-ortodoxia de Karl Barth [N.T. - O mestre de Bonhoeffer], mas sua visão da fé se aproxima admiravelmente desta, fugindo da verdade bíblica. Ele nos faz cair na neo-ortodoxia ou no que é chamado de neo-liberalismo. Embora ele se empenhe em afirmar que a “a fé só pode vir através de uma visão espiritual” , Deus nos ensina em Romanos 10:17: “De sorte que a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus”. Nossa fé é embasada na Palavra de Deus e somente nela a fé pode florescer e crescer. Ter a fé cristã significa confiar plenamente na Palavra de Deus.

Joyner iria negá-lo, ao dizer: “Ter fé não é apenas acreditar nas palavras do Senhor, mas crer no próprio Verbo” . Mais uma vez, Joyner minimiza as Escrituras, estabelecendo uma dicotomia entre Jesus como a Palavra (Verbo) e a Palavra escrita - a Bíblia Sagrada. Ele joga com esta dicotomia, quando afirma: “Seria impossível colocar um valor neste presente mais maravilhoso que o Senhor nos deu, mas a Bíblia foi dada para nos conduzir a Jesus e não para tomar o Seu lugar”.

Como podemos separar as palavras do Senhor na Escritura da Palavra (Verbo = Jesus), visto como as palavras da Escritura são as palavras que Ele proferiu? Quando amamos alguém também amamos suas palavras e não se pode fazer distinção entre as duas coisas. Joyner está sugerindo, sutilmente, que podemos conseguir uma palavra nova, mais atualizada, agora mesmo, diretamente do 'Jesus Espírito', de maneira não mediadora.

Assim, mais uma vez a Bíblia é minimizada. Ele ainda equipara a neo-ortodoxia de Karl Barth à maneira como este minimiza a Escritura, com a sua visão de Deus criando um ponto de contato com o homem, através do qual Ele pode dar uma revelação divina especial e direta. A separação que Barth faz da Palavra (Bíblia) com a Palavra (Jesus) é idêntica, senão a mesma da ênfase de Joyner.

Todas as palavras que Jesus falou irão nos julgar no último dia - João 12:48: “Quem me rejeitar a mim, e não receber as minhas palavras, já tem quem o julgue; a palavra que tenho pregado, essa o há de julgar no último dia”. A igreja sempre tem considerado as Escrituras como um meio da graça de Deus. Joyner está tentando nos privar deste meio.

Realmente, é admirável escutar Joyner falar assim: “A igreja deve ser dirigida pelo cabeça - Cristo - em vez de por fórmulas. Ele é propositadamente vago com respeito até aos itens mais importantes, de modo que devemos buscá-Lo. O Novo Testamento está repleto do bom conselho que o mundo já escutou, porém o Senhor e os Seus apóstolos tiveram o cuidado de não impor muitas regras gerais e regulamentos à igreja. Ele sabia que cada regra poderia evitar que a igreja buscasse o Senhor por si mesma” .

Na 1 Timóteo 3:15, Paulo declara o objetivo da carta: “Mas, se tardar, para que saibas como convém andar na casa de Deus, que é a igreja do Deus vivo, a coluna e firmeza da verdade”.

A mensagem de Jesus - Suas regras e regulamentos para as igrejas - é dada em Apocalipse 1:3. Mateus 18 dá as diretrizes para a disciplina e a solução do conflito. A 1 Coríntios dá regras e confronta o erro, ajudando-nos a edificar a sã doutrina. O livro de Tito estrutura ainda mais a vida da igreja. Cada epístola se destina a dirigir a igreja de algum modo. É doloroso escutar alguém dizer: “O Senhor e os seus apóstolos tiveram o cuidado de não impor muitas regras gerais e regulamentos à igreja”. Joyner ainda esquece que quando Deus dirige, Ele também dá a graça, como motivação e capacidade de obedecer.

Existe apenas uma conclusão
Rick Joyner não é um profeta verdadeiro e nem é apóstolo. Ele ensina erros demais para ser um deles. Ele declara (em seus muitos livros) que uma aparição divina pode nos conduzir a lugares mais elevados, quando, na realidade, ele nos rouba a mais rica herança, que é a Bíblia. Seu Dominionismo é falso, é utópico e ele confunde a Ressurreição e o Reino de Cristo com o estado atual da igreja, conduzindo os cristãos a falsas esperanças.

As afirmações de Joyner sobre o “conhecimento de revelação” produzem um efeito drástico no que se refere ao desejo de ler as Escrituras. Ele é um inimigo da Palavra e vai desaparecer, como todos os outros pregadores do erro [N. T. - Por exemplo, William Granham]. Ele está deixando somente asneiras, distrações e ilusões [N.T. - Como todos os falsos profetas modernos]. Ler a Bíblia é muito mais seguro. Os livros de Joyner são um pântano de confusão doutrinária. Precisamos andar em meio a um imenso pedregulho, a fim de encontrar alguma pérola verdadeira. Não vale a pena machucar os pés para uma colheita tão pequena.

O jornal da CRN diz que Joyner está proclamando um “misticismo de trevas” e conclui: “Joyner não nos deixa alternativa alguma: ou o tratamos como um superapóstolo e um profeta escolhido por Deus para os tempos do fim, ou então como um homem que caiu “na afronta e no laço do diabo” (1 Timóteo 3:7). (79).

[Nota da Tradutora: A Bíblia diz que “Um abismo chama outro abismo” (Salmo 42:7). De tanto pregar falsas doutrinas e receber revelações do “outro Jesus”, Joyner resvalou, definitivamente no ocultismo.

Conforme um vídeo que aparece na Internet, Rick Joyner tem promovido verdadeiras sessões de ocultismo em sua “igreja” americana, ao som de atabaque e ritmo de umbanda, exatamente como um reteté brasileiro qualquer. Joyner afirma que os instrumentos africanos são portadores de uma "unção" especial, a qual pode ser transferida à plateia, que entra em êxtase. Nada diferente do que está acontecendo em muitas das igrejas brasileiras, que aderiram ao Movimento Carismático. Talvez alguém possa alegar que, tendo em vista que os norte-americanos nos exportaram a "teologia da prosperidade”, os brasileiros estão retribuindo sua “gentileza” enviando nossa macumba afro-brasileira para a terra do Tio Sam. A permuta de "unção" é uma novidade, que promete se tornar um sucesso na atuação dos espíritos enganadores, que têm penetrado na igreja do Senhor. Diante de tanta apostasia, só nos resta uma esperança: Maranata!]

“The higher Life of Rick Joyner Chasing the Delusion of Power and Dominion”.By G. Richard Fisher - Parte ITraduzida por Mary Schultze, em 29/03/2010 - www.maryschultze. com


::


Porque nós não somos, como muitos, falsificadores da palavra de Deus, antes falamos de Cristo com sinceridade, como de Deus na presença de Deus 2Co 2:17

O Forum Gospel Brasil completa hoje 3163 dias de existência com 228928 mensagens

Ed
Mateus 18:20
Mateus 18:20

Número de Mensagens : 11003
Idade : 64
Localização : BRUSA
flag : BrUSA
Data de inscrição : 13/04/2008

http://gospelbrasil.topicboard.net

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum