.....................................................
Que bom que você entrou Convidado
Quem está conectado
70 usuários online :: 3 usuários cadastrados, 1 Invisível e 66 Visitantes :: 2 Motores de busca

Jarbas, rbarros, Rodrigão

O recorde de usuários online foi de 2364 em Seg 19 Dez 2011, 5:49 pm
Consulta Bíblica
Ex: fé - Ex: Gn 1:1-10

AS SETENTA SEMANAS DE DANIEL

Página 2 de 6 Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: AS SETENTA SEMANAS DE DANIEL

Mensagem por famado em Dom 11 Abr 2010, 6:55 pm

Há textos ditados, como o decálogo, mas na maioria das vezes não foi assim. Se assim fosse, Deus não ditaria relatos contraditórios como os muitos existentes entre Reis e Crônicas. A inspiração está na mensagem e não na palavra em si.

famado
Sirius
Sirius

Número de Mensagens : 3373
Idade : 48
flag : Brasil
Data de inscrição : 26/02/2009

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AS SETENTA SEMANAS DE DANIEL

Mensagem por Well em Seg 17 Maio 2010, 2:33 pm

famado escreveu:O pretetismo é a forma racional de interpretar a bíblia. Qualquer teólogo de alto nível (seja batista, pentecostal, luterano, assembleiano ou o que seja) tende ao preterismo. É a forma favorita dos eruditos de interpretar as profecias. Só os leigos é que são futuristas. É simples entender o preterismo: compare a profecia com a história recente da época em que o livro foi escrito. Será possível ver que Daniel se cumpriu no período greco-macedônio e as profecias do NT se cumpriram no período romano até Cesar Domiciano. Ponto final. O que passa disso é loucura, imaginação fértil e passível de aceitar qualquer absurdo, posto que sobre um suposto futuro distante qualquer coisa pode ser viável já que ainda não aconteceu.
Em muitos textos vejo muita lógica no preterismo, mas Famado, se o livro de Daniel já se cumpriu todo no período greco-macedônico, explica pra gente o capítulo 2 que fala sobre a existência de um reinado que nunca terá fim e o último capítulo do livro que diz sobre a ressurreição dos justos e dos injustos, por exemplo.


http://nemtodoslevamadeus.blogspot.com.br/

Well
Diamante Azul
Diamante Azul

Número de Mensagens : 1870
flag : Brasil
Data de inscrição : 22/04/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AS SETENTA SEMANAS DE DANIEL

Mensagem por Eduardo em Seg 17 Maio 2010, 6:48 pm

Chronological Studies Related to Daniel 8:14 and 9:24-27 é um sumário de uma desafiadora investigação exegética, histórica e astronômica das bases historicistas sobre a compreensão do ponto de partida, da extensão e do cumprimento de cada um desses períodos proféticos. Devido a sua abordagem interdisciplinar, a investigação traz novas introspecções à discussão global, especialmente da perspectiva astronômica.

Esse livro é um marco acadêmico histórico que não pode ser evitado por nenhum estudo sério desses tempo proféticos.
Juarez Rodrigues de Oliveira, nasceu no estado de Minas Gerais, porém, reside na Grande Vitória, Estado do Espírito Santo, Brasil, desde 1980, iniciando seus estudo dos períodos proféticos na década de 80. Em 1990 ele visitou as mais destacadas livrarias e observatórios astronômicos da Europa e dos Estados Unidos, e iniciou um diálogo sobre o tema com estudiosos adventistas e não adventistas ao redor do mundo. Esses diálogos, algumas vezes em tons apologéticos, ajudaram a cristalizar os conceitos básicos expressados em seu livro.


  1. Apresentação do Livro
  2. Origem e evolução do nosso calendário
  3. As Origens da Escrita: O Cuneiforme
  4. Estevão, Israel e a Igreja

    http://www.4shared.com/dir/8136027/2a37656c/Juarez.html








O livro bíblico de Daniel já havia predito, com séculos de antecedência, os anos exatos do início e do fim do ministério terrestre de Jesus. Atualmente, com o auxílio da História e da Astronomia, essas datas podem ser seguramente comprovadas. Examine por si mesmo esta fascinante série de estudos e saiba como “responder a todo aquele que pedir a razão” de sua fé.

Nos 2 primeiros estudos desta série, você terá uma visão geral da profecia de Daniel 9, sem, contudo, adentrar nos pormenores técnicos envolvidos na comprovação das datas.

1. A Profecia - Base da Mensagem Cristã
2. Uma Visão Panorâmica de Daniel 9



Nos apêndices, você receberá valiosas informações adicionais sobre pontos específicos dos estudos anteriores. Caso não tenha dúvidas sobre nenhuma questão e considere desnecessário examinar os apêndices por enquanto, poderá seguir adiante, sem prejuízo para sua compreensão do assunto.

Apêndice ao Estudo 02



Nos próximos 3 estudos, você aprenderá noções de Astronomia e conhecerá os principais sistemas de Calendário produzidos no decorrer da História. Essas informações serão extremamente importantes para a verificação do cumprimento da profecia de Daniel.

3. A Astronomia e o Plano de Salvação

4. Noções de Calendário - 1ª Parte

5. Noções de Calendário - 2ª Parte



Alguns detalhes relacionados aos estudos 3, 4 e 5 serão fornecidos no apêndice a seguir. Se você julgar desnecessário apreendê-los por agora, poderá avançar diretamente para o próximo estudo.

Apêndice aos Estudos 3, 4 e 5



No estudo 6, um dos mais importantes da série, você se surpreenderá com a exatidão matemática da profecia bíblica, pois o livro de Daniel já havia definido, com inigualável precisão, não somente o ano, mas até mesmo o dia e o mês da morte de Jesus.

6. A Precisão dos Períodos Proféticos



A fixação do ano 457 A.C. para o início dos períodos proféticos de Daniel 8 e 9 está circundada por diversas dificuldades, tanto de interpretação bíblica quanto de pesquisa histórica. No estudo 7, você não somente ficará a par desses problemas, como também conhecerá a melhor maneira de confirmar as datas indicadas pela profecia.

7. Certezas e Incertezas Sobre 457 A.C.



No estudo 8, que, assim como o estudo 6, constitui um dos mais importantes da série, você descobrirá o DIA, o MÊS e o ANO exatos da morte de Jesus. A localização dessa data, pela combinação dos dados históricos e astronômicos, comprovará a precisão de toda a profecia.

8. O Meio da Septuagésima Semana



Aparentemente, as informações bíblicas sobre a data judaica da morte de Jesus são conflitantes. No estudo 9, você eliminará qualquer incerteza sobre esse assunto e dará um passo indispensável para a confirmação da profecia de Daniel.

9. Em Que Dia Jesus Morreu?



No estudo 10, você conhecerá as evidências históricas e astronômicas que permitem localizar o batismo de Cristo no outono do ano 27, o tempo exato indicado pela profecia de Daniel. Não deixe de examinar este último estudo ordinário da série. Com certeza, sua fé em Jesus, o Ungido de Israel, será grandemente fortalecida!

10. A Data do Batismo de Jesus.



Se você desejar melhores esclarecimentos sobre pontos específicos dos estudos 6, 7, 8, 9 e 10, consulte o apêndice a seguir. Ele trará informações valiosíssimas para seu aporfundamento no assunto. Por serem muitas as questões abordadas, a preparação do conteúdo desse apêndice exigirá mais tempo e trabalho de nossa equipe, de modo que as páginas serão disponibilizadas gradativamente.
Apêndice aos Estudos 6, 7, 8, 9 e 10



No Estudo Suplementar 1, você poderá comparar as declarações de Ellen G. White, co-fundadora da Igreja Adventista do Sétimo Dia, sobre os períodos proféticos de Daniel 8:14 e 9:24-27 e sobre a tipologia das festas judaicas com as conclusões obtidas nos estudos precedentes, a partir de dados bíblicos, históricos e astronômicos. Você perceberá que os escritos de Ellen G. White sobre cronologia profética, produzidos no século XIX, resistem ao exame científico mais rigoroso, o que coloca um selo de garantia sobre seu ministério profético.
Estudo Suplementar 1: Ellen G. White e a Cronologia Profética das Escrituras.



Caso você esteja interessado em alguma informação específica e não queira percorrer cada um dos estudos para encontrá-la, utilize o mapa da série. Nele, há um índice geral, com todas as seções dos estudos, o que facilitará a localização da informação desejada.

Mapa da Série de Estudos



Muitas das informações sobre Astronomia e sistemas de Calendário discutidas nesta série de estudos podem ser obtidas, confirmadas e aprofundadas em outros sites da Internet. Para facilitar sua pesquisa, “Links Relacionados” traz uma lista com os endereços desses sites e um breve resumo das informações mais importantes neles disponíveis.

Links Relacionados



Era a intenção de Cristo que Seus seguidores não somente fossem beneficiados por Sua mensagem, mas que também se tornassem, eles mesmos, instrumentos para a redenção de outros. Por isso, você também tem uma parte importante a desempenhar! Faça aqui o download desta fantástica série de estudos e divulgue essas verdades em sua igreja e entre seus amigos. Forme pequenos grupos de estudo e ajude a fortalecer a fé daqueles que lhe são mais próximos.

Downloads



Esta série de estudos está em contínuo processo de aperfeiçoamento. Por isso, não deixe de rever as lições que você já estudou. Elas poderão estar enriquecidas com novas informações ou melhoradas em sua redação, visando a uma apresentação mais clara do assunto.


Visite-me no Fórum Adventista:

http://adventista.forumbrasil.net/

Eduardo
‎Moderador Adventista
‎Moderador Adventista

Número de Mensagens : 8396
Idade : 40
flag : Brasil
Data de inscrição : 17/10/2008

http://adventista.forumbrasil.net/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AS SETENTA SEMANAS DE DANIEL

Mensagem por Well em Ter 18 Maio 2010, 1:34 pm

Eduardo, eu já conversei com esse autor anos atrás pela internet. Ele, inclusive, me mandou o seu livro, todo em inglês, mas minhas dúvidas persistiram.


http://nemtodoslevamadeus.blogspot.com.br/

Well
Diamante Azul
Diamante Azul

Número de Mensagens : 1870
flag : Brasil
Data de inscrição : 22/04/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AS SETENTA SEMANAS DE DANIEL

Mensagem por famado em Qui 20 Maio 2010, 12:07 pm

Well

Expressões do livro de Daniel que falam "para todo o sempre", "não terá fim", etc, não são literais. Expressam um longo tempo e não um tempo infinito. A última parte da estátua de Daniel se cumpre em Judas Macabeu. Sua vitória sobre os seleucidas e a conseqüente independência de Israel por 100 anos até a chegada do Império Romano sob Pompeu.

O último capítulo é um dos mais difíceis da escatologia. Um monte de números complicados. Somente ali, em todo o VT, é que aparece a palavra ressurreição. Prefiro achar que fala da vitória de Judas sobre os seleucidas, para ficar mais coerente com o resto do livro.

Quanto ao historicismo da obra que o Eduardo postou, esclareço que historicismo não é preterismo. O historicismo coloca até o presidente Keneth na bíblia e o preterismo coloca apenas a história contemporânea do escritor do livro na interpretação do texto.

famado
Sirius
Sirius

Número de Mensagens : 3373
Idade : 48
flag : Brasil
Data de inscrição : 26/02/2009

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AS SETENTA SEMANAS DE DANIEL

Mensagem por lordakner em Qui 20 Maio 2010, 12:45 pm

famado escreveu:Well
O historicismo coloca até o presidente Keneth na bíblia e o preterismo coloca apenas a história contemporânea do escritor do livro na interpretação do texto.[/font][/color]
Presidente "Keneth"? hummm hummm hummm

lordakner
Arcturus
Arcturus

Número de Mensagens : 5811
flag : Brasil
Data de inscrição : 27/08/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AS SETENTA SEMANAS DE DANIEL

Mensagem por famado em Qui 20 Maio 2010, 1:36 pm

Desculpe, Kennedy. Ah, é a mesma coisa e num enche seu analista de Bagé

famado
Sirius
Sirius

Número de Mensagens : 3373
Idade : 48
flag : Brasil
Data de inscrição : 26/02/2009

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AS SETENTA SEMANAS DE DANIEL

Mensagem por Augusto Cesar em Qui 20 Maio 2010, 1:40 pm

Well escreveu:Eduardo, eu já conversei com esse autor anos atrás pela internet. Ele, inclusive, me mandou o seu livro, todo em inglês, mas minhas dúvidas persistiram.
as minhas também

Augusto Cesar
Quartzo
Quartzo

Número de Mensagens : 60
Idade : 45
flag : Brasil
Data de inscrição : 04/09/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AS SETENTA SEMANAS DE DANIEL

Mensagem por Eduardo em Qui 20 Maio 2010, 2:45 pm

famado escreveu:Quanto ao historicismo da obra que o Eduardo postou, esclareço que historicismo não é preterismo. O historicismo coloca até o presidente Keneth na bíblia...
Prove com argumentos idôneos essa acusação ridícula.

PS: Delimite seus argumentos em obras oficiais da igreja adventista.


Visite-me no Fórum Adventista:

http://adventista.forumbrasil.net/

Eduardo
‎Moderador Adventista
‎Moderador Adventista

Número de Mensagens : 8396
Idade : 40
flag : Brasil
Data de inscrição : 17/10/2008

http://adventista.forumbrasil.net/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AS SETENTA SEMANAS DE DANIEL

Mensagem por famado em Qui 20 Maio 2010, 3:38 pm

Dê-me a definição de historicismo aplicado à escatologia. Pelo que sei, trata-se de comparar o texto a uma série de fatos históricos julgados importantes ao longo dos séculos, para ajustar a profecia a uma dada interpretação. Não preciso provar, pois já caiu no conhecimento público. Os adventistas e TJ são historicistas. Primeira e segunda guerra mundial, Napoleão e sei lá mais o que estão aí incluídos.

Recentemente, o livro "O Código da Bíblia" que fala de um suposto código escondido entre as palavras do texto (uma espécie de caça palavras) mostra que a morte de Kennedy estava prevista nas escrituras. Este livro é historicista.


Última edição por famado em Qui 20 Maio 2010, 3:49 pm, editado 1 vez(es)

famado
Sirius
Sirius

Número de Mensagens : 3373
Idade : 48
flag : Brasil
Data de inscrição : 26/02/2009

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AS SETENTA SEMANAS DE DANIEL

Mensagem por famado em Qui 20 Maio 2010, 3:46 pm

Já falei aqui, a bíblia é simples, o evangelho é simples. Não precisamos fazer mil contas, mil e uma interpretações, contorcionismos etc. Basta compará-la à história contemporânea dos autores de seus livros e cartas e ... voi la... Eis a interpretação.

famado
Sirius
Sirius

Número de Mensagens : 3373
Idade : 48
flag : Brasil
Data de inscrição : 26/02/2009

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AS SETENTA SEMANAS DE DANIEL

Mensagem por Eduardo em Qui 20 Maio 2010, 4:13 pm

famado escreveu:Dê-me a definição de historicismo aplicado à escatologia. Pelo que sei, trata-se de comparar o texto a uma série de fatos históricos julgados importantes ao longo dos séculos, para ajustar a profecia a uma dada interpretação. Não preciso provar, pois já caiu no conhecimento público. Os adventistas e TJ são historicistas. Primeira e segunda guerra mundial, Napoleão e sei lá mais o que estão aí incluídos.
Até agora você não citou nenhuma fonte adventista que tenha dado declarações esdrúxulas, aguardo.


Visite-me no Fórum Adventista:

http://adventista.forumbrasil.net/

Eduardo
‎Moderador Adventista
‎Moderador Adventista

Número de Mensagens : 8396
Idade : 40
flag : Brasil
Data de inscrição : 17/10/2008

http://adventista.forumbrasil.net/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AS SETENTA SEMANAS DE DANIEL

Mensagem por Well em Sex 21 Maio 2010, 8:43 am

Valeu, Famado!!
Abraço.


http://nemtodoslevamadeus.blogspot.com.br/

Well
Diamante Azul
Diamante Azul

Número de Mensagens : 1870
flag : Brasil
Data de inscrição : 22/04/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AS SETENTA SEMANAS DE DANIEL

Mensagem por David de Oliveira em Sex 21 Maio 2010, 9:05 am

Passamos a expor a nossa opinião, a qual não é exclusividade nossa, mas o pensamento da Igreja até que os teólogos pré-milenistas(dispensacionalistas) surgissem:

1- A Prevaricação se consume, ocorreu quando os Judeus disseram: " Não temos Rei, senão César", João 19: 25. A Prevaricação iniciada com o Bezerro de ouro, registrada em Êxodo 32, se consumou na rejeição e crucificação do Messias;

2- O Pecado tenha o seu fim. Em Hebreus 9:26 lemos: " ..... mas AGORA, na consumação dos séculos, UMA VEZ POR TODAS se manifestou para ANIQUILAR O PECADO pelo sacrifício de si mesmo", logo o pecado foi aniquilado, tendo seu fim na morte do Messias. Atente para as palavras em destaque;

3- A iniquidade se pague. Ora, pagamento de iniquidade é a própria essência da Expiação, portanto esse item ocorreu na morte de Cristo, que foi uma morte Expiatória, conforme 53:10 de Isaías;

4- Trazer a Justiça Eterna. Em Romanos 3:21-26 está claro que a Justiça de Deus já foi trazida, atentem para o AGORA do versículo 21. No salmo 119:142 lemos: " A tua Justiça é Justiça Eterna";

5- As visões e as Profecias se cumpram. Em Lucas 24:25-27 lemos que Jesus se refere a TUDO que os Profetas disseram e elenca o que dele se achava escrito em TODAS AS ESCRITURAS, portanto aquelas profecias do Antigo Testamento, que não foram repetidas no Novo Testamento, foram cumpridas e estão seladas;

6- Ungir o Santíssimo. Só a explicação deste item seria suficiente para provar que os setenta septetos já se findaram. Dizer que um Templo de pedras, argamassa e metais é o Santo dos santos é uma blasfêmia, é não entender que Deus não habita em templo feitos por mãos humanas, é começar pelo Espírito e terminar na carne, pois se o Novo Testamento diz que a Igreja é o Templo de Deus( I Coríntios 3:16), os Teólogos pré-milenistas querem fazer Deus semelhante aos Homens, porque na verdade somos nós os homens que começamos pelo Espírito e terminamos na carne. Declaro que o Santíssimo é JESUS DE NAZARÉ , o qual " Deus ungiu com o Espírito Santo e poder", conforme Atos 10: 38, leiam também Atos 4:27 e Isaías 61:1.

Da análise dos seis itens, vemos que os mesmos já foram cumpridos e considerando que deveriam ocorrer dentro dos setenta septetos, concluímos que as Setenta Semanas de Daniel já se cumpriram.

Já sei, os leitores estão se perguntando: E o pacto POR UMA SEMANA? Ora, a Profecia não diz um Pacto com os Judeus, quem diz isso são os dispensacionalistas. Daniel 9:27 fala que ELE fará um PACTO FIRME COM MUITOS EM UMA SEMANA, que é a tradução correta e não POR UMA SEMANA, conforme as atuais traduções. O Pacto é firme, COM MUITOS e EM uma semana, ou seja, um Pacto eterno, com os que crêem, quer sejam Judeus ou Gentios, no meio da última Semana. Em Mateus 26:27,28 lemos: " E tomando um cálice, rendeu graças e deu-lho, dizendo: Bebei dele todos, pois isto é o meu sangue, o sangue do NOVO PACTO, o qual é derramado por MUITOS para remissão dos pecados."

Os Teólogos dispensacionalistas chegam ao ponto de dizer que o ELE é o Anticristo, enquanto que a Igreja sempre interpretou o ELE como sendo o Messias. O ELE é Cristo, o qual no meio da última semana, ou seja, no final de seu Ministério, decorridos três anos e meio de SEU Batismo no Rio Jordão, fez um Pacto Firme, A nova Aliança, com muitos, isto é, com os que NELE crêem, tendo feito cessar as ofertas do Antigo Testamento, pois com seu próprio sacrifício vicário na cruz do calvário, todas as outras ofertas se tornaram desnecessárias e ineficazes, as quais se agora praticadas caracterizarão verdadeiras abominações, razão pela qual o General Romano Tito, em 70 DC, veio como Assolador em meio à Abominação Desoladora.

AUTOR: MELQUISEDEC NASCIMENTO


 Jucá: “Conversei ontem com alguns ministros do Supremo (Tribunal), os caras dizem: Ooh! Só tem condições sem ela (Dilma), enquanto ela (Dilma) estiver ali, a Imprensa, os caras querem tirar ela, esse negócio não vai parar nunca entendeu estou conversando com os generais, comandantes militares está tudo tranqüilo, os caras dizem que vão garantir...” .

David de Oliveira
‎moderador
‎moderador

Número de Mensagens : 8182
flag : Brasil
Data de inscrição : 28/08/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AS SETENTA SEMANAS DE DANIEL

Mensagem por famado em Sab 22 Maio 2010, 9:56 pm

Olha, esta colocação do David de Oliveira mostrando que a última semana se cumpre em Cristo e que a abominação da desolação é o evento de 70 DC não é ruim. Mas prefiro achar que a última semana se cumpre em Judas Macabeu porque dá mais coerência ao livro. Veja o capítulo 8:

versos 8 a 13 - O chifre do bode quebra, nascem quatro chifres e um dos chifres se engrandeceu e faz a transgressão assoladora, retira o sacrifício contínuo e destrói o santuário.

Verso 14 - Entre o sacrilégio e a restauração heverá 1150 dias (aproximadamente 3,5 anos).

Verso 19 - O anjo Gabriel fala que estes acontecimentos se darão no tempo do fim.

Versos 20 a 27 - O anjo Gabriel explica que a visão fala dos Impérios Medo-Persa e Grego, logo o tempo do fim só pode ser a vitória dos Macabeus sobre os gregos (seleucidas no caso).

Veja tb que o tempo do fim não é o fim do mundo, mas o fim do domínio grego. É o que o próprio anjo explica.

famado
Sirius
Sirius

Número de Mensagens : 3373
Idade : 48
flag : Brasil
Data de inscrição : 26/02/2009

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AS SETENTA SEMANAS DE DANIEL

Mensagem por famado em Sab 22 Maio 2010, 10:01 pm

Veja o capítulo 10, versos de 14 a 21. O anjo diz que foi mandado para revelar o que vai acontecer nos últimos dias. Assim, inicia a narrativa da vitória dos gregos sobre os medo-persas, as dinastias gregas subseqüentes e a opressão sob os seleucidas, logo os últimos dias só podem ser a vitória dos Macabeus.

famado
Sirius
Sirius

Número de Mensagens : 3373
Idade : 48
flag : Brasil
Data de inscrição : 26/02/2009

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AS SETENTA SEMANAS DE DANIEL

Mensagem por famado em Sab 22 Maio 2010, 10:08 pm

Eduardo escreveu:
famado escreveu:Quanto ao historicismo da obra que o Eduardo postou, esclareço que historicismo não é preterismo. O historicismo coloca até o presidente Keneth na bíblia...
Prove com argumentos idôneos essa acusação ridícula.

PS: Delimite seus argumentos em obras oficiais da igreja adventista.

Nunca li nenhuma. Se quer saber, acho que Jesus abençoa a IASD, mas ela é legalista e caminha contrariamente ao que está escrito em Colossenses 2.

famado
Sirius
Sirius

Número de Mensagens : 3373
Idade : 48
flag : Brasil
Data de inscrição : 26/02/2009

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AS SETENTA SEMANAS DE DANIEL

Mensagem por Eduardo em Sab 22 Maio 2010, 10:13 pm

Estevão, Israel e a Igreja
WILSON PAROSCHI, PH.D

Professor de Novo Testamento no Salt, Unasp,
Campus Engenheiro Coelho, SP

Resumo: O presente artigo1 investiga as razões que indicam o apredejamento de Estevão, no ano 34 da era cristã, como o evento que encerra a profecia das ‘’setenta semanas’’ de Daniel 9:24-27. O autor parte de um importante material produzido sobre o assunto por William H. Shea, na década de 1980, desenvolvendo e ampliando a argumentação ali presente. O artigo primeiramente reconstrói os ambientes histórico e teológico de Estevão e o papel que ele desempenhou na vida da igreja apostólica. Em seguida, analisa o significado profético de seu discurso e sua visão no contexto da teocracia israelita, bem como seus resultados no relacionamento final entre Deus e a nação judaica.


INTRODUÇÃO

A interpretação histórico messianica das setenta semanas
2 de Daniel 9:24-27 teve de esperar um tempo muito longo por uma defesa exegética do evento que encerra a profecia. Até o final do século dezoito seguindo a tradição da maioria dos pais da igreja e reformadores3 – muitos autores simplesmente afirmavam que a 70º semana, que havia se iniciado com o batismo de Jesus, chegou ao fim quando o evangelho começou a ser pregado aos gentios. A única indicação na profecia para esta conclusão era a frase introdutória: ‘’Setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo e sobre a tua santa cidade’’ (v.24), que se admitia significar o final de todos os privilégios do povo judeu.4

Esta interpretação recebeu mais sólido apoio escriturístico quando o Estevão foi inserido no cenário profético. A primeira pessoa a fazer isto parece ter sido o erudito irlandês William Hales. Em 1799, Hales publicou um volume anônimo em que afirmava que a última das setenta semanas havia terminado em ‘’cerca de 34 d.C. (por volta do martírio de Estevão)’’5. Quase dez anos mais tarde, na primeira edição do seu A New Analysis of Chronology, ele foi menos hesitante em afirmar que a profecia ‘’terminou com o martírio de Estevão’’.6 Finalmente, na segunda e mais definitiva edição dessa obra, ele não somente confirmou sua posição, mas também a aperfeiçoou um pouco mais. Essa edição muito contribuiu para popularizar sua cronologia entre alguns escritores proféticos dos próximos dois séculos. Baseado em evidência bíblica, histórica e astronômica, ele datou a crucifixão em 31 d.C no meio da 70º semana.7 O batismo, portanto, que ocorreu em 27 d.C, foi o evento que assinalou o início da ‘’primeira metade da semana da paixão de anos’’, cuja metade restante ‘’terminou com o martírio de Estevão no sétimo, ou último ano da semana’’.8 Ele então acrescentou: Porque é notável que o ano seguinte, 35 d.C, deu início a uma nova era na igreja cristã, a saber, a conversão de Saulo, ou o apóstolo Paulo, pelo aparecimento pessoal de Cristo a ele na estrada de Damasco, quando ele recebeu sua missão quanto aos gentios, depois que o Sinédrio judaico havia rejeitado formalmente a Cristo pela perseguição de seus discípulos.9

Entretanto, durante os cento e cinqüenta anos posteriores, a simples declaração de que o apredejamento de Estevão e, conseqüentemente, a conversão de Paulo assinalaram o final das setenta semanas em 34 d.C, foi aceita como fato. Hales, na verdade, não estabeleceu nem uma simples conexão exegética entre Estevão e Daniel 9:24-27, e aqueles que vieram depois dele se limitaram apenas a reproduzir o mesmo argumento, aparentemente despreocupados em demonstrar por que a morte de Estevão é suficiente como evidência para o final desse período profético. A única razão dada era a mesma de sempre, ou seja, que após a sua morte, o evangelho foi levado aos gentios.10

Quando, porém se fala sobre o cumprimento da profecia, a mera escolha de um evento específico necessariamente não torna a data correta,11 a despeito de quão importante seja o evento. Sem qualquer indicação em Daniel 9:24-27 e Atos 6-7 de que Estevão encerra a 70º semana, a conclusão de Harold W. Hoehner de que esta interpretação ‘’é pura especulação’’ seria correta.12 Por causa disto, na década de 1980 William H. Shea tentou desenvolver este tema a fim de explicar de uma maneira mais convincente as seguintes indagações:

O que foi tão significativo no que concerne ao apredejamento de Estevão? Por que foi o seu martírio mais importante do que o sofrido por outros naquele tempo?13

Então, pela primeira vez, as conexões exegéticas entre Estevão e a profecia das setenta semanas começaram a aparecer.14

O ponto de partida de Shea é a expressão ‘’para selar a visão e o profeta’’, uma das seis frases infinitivas que sintetizam o que ocorreria ao final das setenta semanas (Dn 9:24). Segundo ele, o verbo ‘’selar’’ (hatam) pode ser compreendido aqui tanto como validar ou autenticar, quanto como fechar (até uma abertura posterior), ou levar a um fim. A prática usual tem sido aplicar este verbo em um dos primeiros dois significados. Shea, porém, afirma que esta interpretação só faria sentido se o segundo objeto do infinitivo (‘’selar’’) fosse ‘’profecia’’, o que não é o caso. Os dois objetos são ‘’visão’’ e ‘’profeta’’(nabi), que sugerem a terceira interpretação (‘’levar a um fim’’).

Em sua opinião, esta terceira interpretação levar a um fim é preferida aqui por três razões. Primeira: ocorrendo sem o artigo, ‘’profeta’’ poderia ter nesta passagem um significado coletivo ou corporativo, e a idéia de levar a um fim faria perfeito sentido se ela se referisse a profetas como pessoas em vez de a suas palavras. Segunda: o verbo "hatam" também ocorre três frases antes neste mesmo verso com a clara idéia de levar a um fim (‘’dar fim aos pecados’’). Terceira, esta interpretação se ajusta melhor ao contexto imediato porque o texto diz que setenta semanas foram determinadas sobre o povo de Daniel e sua santa cidade. Portanto, conclui Shea, ‘’visão’’ e ‘’profeta’’ devem chegar a um fim no tempo em que se encerra este período profético’’, e desde que os eventos finais desta profecia parecem se estender meia semana profética ou três anos e meio além da morte do Messias, devemos procurar uma resposta no Novo Testamento. Para ele, Estevão cumpre os requisitos para essa resposta.
15

O propósito deste artigo, porém, não é somente mostrar como Shea liga Estevão à profecia, mas também dar um passo adiante, desenvolvendo alguns dos pontos desta conexão e explorando o papel desempenhado por Estevão no contexto da igreja primitiva, o que certamente torna o seu significado profético ainda mais forte. Todavia, por causa das limitações de espaço, este documento focaliza apenas o próprio Estevão, seu ministério e o seu significado para o final das setenta semanas. Isto significa que nem os outros eventos e respectivas datas da profecia16 nem a validade escatológica de 34 d.C em si com o ano da morte de Estevão serão aqui discutidos.17

No que concerne a organização do material, é dada prioridade ao relato de Estevão conforme aparece no livro de Atos. A primeira seção ou divisão, portanto, reconstrói os ambientes históricos e teológico de Estevão, isto é, quem ele era, como se tornou um pregador, qual era sua teologia, e as mudanças que ocorreram na igreja apostólica imediatamente após e como resultado de sua morte. Então a seção seguinte introduz as razões exegéticas porque Estevão parece se ajustar ao final da 70º semana pela análise do momento do seu julgamento, a saber, a verdadeira natureza do seu discurso e visão e o seu significado teológico em relação à aliança de Deus com Israel. No final, segue-se um sumário das seções anteriores e uma conclusão experimental.

ESTEVÃO COMO PREGADOR

Estevão tem sido descrito como uma das figuras mais ‘’ambíguas’’ do relato bíblico da igreja apostólica. 18 Tem havido muita discussão entre os eruditos acerca de sua identidade, seu ambiente, sua teologia, sua influência sobre Paulo e a missão aos gentios, seu papel na teologia e estrutura de Atos, e assim por diante. 19 O relato de Estevão dado por Lucas em Atos 6-7 dá origem a numerosas e diversas indagações que são ainda mais relevantes quando se faz uma tentativa de ligar sua morte à profecia das setenta semanas. Por causa disto, esta seção procura identificar três elementos básicos acerca de Estevão, a saber: sua comunidade, sua teologia, e a influência de sua teologia sobre a história da igreja apostólica.

SUA COMUNIDADE


Estevão aparece pela primeira vez no contexto da primeira dissensão experimentada pela igreja primitiva. O problema estava relacionado ao suprimento de alimento dado às viúvas helenistas de Jerusalém (At 6:1). O termo ‘’helenistas’’ significava simplesmente pessoas que falavam o grego como sua língua materna. Neste caso, se refere a judeus que haviam nascido em países Greco-romanos, tinham se mudado para Jerusalém, e então tinham se tornado cristãos. 20 Estevão era um deles (6:5). 21 Os ‘’hebreus’’, o outro segmento da igreja, contra os quais os helenistas se queixaram, eram judeus da Palestina de língua aramaica que formaram o núcleo original da comunidade cristã de Jerusalém. Os doze pertenciam a esse grupo (6:2).

O fato de que a igreja estivesse dividida em dois grupos distintos em tão primitivo período não implica necessariamente, como tem sido sugerido, duas comunidades virtualmente separadas com diferentes características religiosas e doutrinárias. 22 Martin Hengel afirma que o único motivo para a separação era a língua, que ‘’necessária e rapidamente’’ levou os cristãos de fala aramaica e os de fala grega a adotar serviços de adoração separados, precisamente como nas sinagogas judaicas (At 6:9). 23 Mas é também ‘’inerentemente provável’’, como diz I. Howard Mashall, que o grupo de fala aramaica era ‘’mais radical em suas atitudes para o com o judaísmo’’ do que o outro grupo, que havia ido muito mais longe do que o último em sua interpretação do evangelho. 24

Embora Marshal reitere que essa diferença não deve ser exagerada, 25 não é impossível que além do problema envolvendo as viúvas dos helenistas houvesse também algumas preocupações teológicas. 26 Havia dentro do judaísmo uma tendência de considerar aqueles que estavam sob a influência da cultura grega religiosamente liberais (I Macabeus 1:10-15, II Macabeus 4:7-20). 27 Os helenistas não tinham nenhuma raiz nas tradições hebraicas da Palestina. Muitos deles não sabiam ler as Escrituras Hebraicas, e não freqüentavam as sinagogas judaicas. Os prosélitos, inferiores aos do nascimento e educação hebraica, naturalmente se associaram mais aos helenistas (At 6:5). Mais ainda, sua aceitação dos costumes gregos e o seu intenso contato anterior com gentios em seus países nativos certamente alimentariam a suspeita de que eles não eram suficientemente firmes em sua observância da lei. Sejam quais forem os fatos precisos, os eventos subseqüentes isto é, a eleição dos sete, o julgamento e morte de Estevão e a perseguição que veio depois disso – indicam que as diferenças teológicas desempenhavam um papel importante naquela dissensão e que a queixa dos helenistas, como diz James D.G. Dunn, era apenas o sintoma de um problema mais profundo. 28

SUA TEOLOGIA

A solução dos apóstolos para a queixa dos helenistas foi escolher sete homens da própria comunidade helenista para assumir a responsabilidade de servir os pobres que havia entre eles. 29 Como sugere Hengel, a escolha pode ter caído sobre aqueles que já eram os líderes dos cristãos helenistas. 30 Neste caso, sua eleição simplesmente significava o reconhecimento de sua liderança, especialmente de Estevão, o primeiro nome da lista (cf. 6:5).

Esta idéia é confirmada pela atividade que eles desempenharam imediatamente após sua eleição, o que não se ajusta à compreensão tradicional de que eles eram apenas diáconos. De fato, eles nunca são identificados como ‘’diáconos’’ no livro de Atos, 31 e o mesmo verbo usado em 6:2 para descrever o que eles supostamente deviam fazer é também usado para a pregação da palavra pelos doze em 6:4, Também é digno de nota que quando Lucas deseja distinguir Filipe de seu homônimo, o apóstolo, ele não o chama de ‘’Filipe, o diácono’’, mas ‘’Filipe, o evangelista’’ (21:8). Isto ajuda a explicar por que os sete aparecem como pregadores e operadores de maravilhas e sinais imediatamente após sua eleição (6:8-10; 8:4-8, 26-40). E sua pregação deve ter sido poderosa, porque é relatado que não somente ‘’se multiplicava o número dos discípulos’’ (6:7), mas também que sua atividade suscitava uma forte oposição dos judeus (6:9).

Mas o que exatamente pregava Estevão? Provavelmente as acusações feitas contra ele provêem algum indício. Foi acusado de ‘’proferir blasfêmias contra Moisés e contra Deus’’ (6:11). Alguns foram secretamente induzidos a dizer: ‘’Este homem não cessa de falar contra o lugar santo e contra a lei; porque o temos ouvido dizer que esse Jesus, o Nazareno, destruirá este lugar e mudará os costumes que Moisés nos deu’’ (6:13-14). Contudo, baseado na referência a ‘’testemunhas falsas’’ (6:13). P. Double afirma que Lucas pretende indicar que as acusações contra Estevão não eram verdadeiras. 32 Mas as acusações, de fato, não podiam ser totalmente falsas. É possível que Estevão tivesse dito algo que havia sido torcido por seus opositores, ‘’precisamente como as acusações feitas contra Jesus (Mc 14:58 parecem de fato ter algum fundamento’’ 33.

Segundo aquelas testemunhas, as palavras proferidas por Estevão sugeriam que o próprio Jesus destruirá o templo e alteraria a tradição mosaica. De fato, Jesus tinha dito: ‘’Eu destruirei este santuário edificado por mãos humanas e, em três dias, construirei outro, não por mãos humanas.‘’ O quarto evangelho dá a aplicação imediata destas palavras como se referindo à ressurreição corporal de Jeus (Jo 2:19-21). Estevão, porém parece tê-las aplicado afim de ressaltar que ele havia perdido o seu significado cultual. Suas palavras ‘’não habita o Altíssimo em casas feitas por mãos humanas’’ (At 7:48) poderiam ser interpretadas não somente como um protesto contra a relação idólatra que Israel mantinha com o templo, 34 mas também como uma declaração do final definitivo de todo o sistema cerimonial, porque nunca foi pretendido que o templo se tornasse uma instituição permanente, 35 exceto em sua função doxológica (Is 2:1-4). É notável que a única referência bíblica de que havia muitas conversões, mesmo entre sacerdotes, apareça no contexto da pregação de Estevão (Ef. 6:7).

As palavras de Estevão, porém, podem ainda ter o que Marshall chama de ‘’implicação tácita’’, ou seja, que Deus habita em um templo não-feito por mãos. 36 A luz do livro de Hebreus, tal implicação não é uma surpresa. Em Hebreus existe a mesma ênfase de que o templo de Jerusalém já havia perdido seu significado e função como um lugar de expiação (Hb 8:7, 13, 10:1-2) e, outro templo, um templo superior, não ‘’feito por mãos’’ (9:24, Ef 8:1-2). 37

Os apóstolos e outros cristãos judeus de fala aramaica de Jerusalém, como judeus devotos, provavelmente ainda não estavam prontos para seguir a compreensão dos helenistas quanto a este assunto específico. Ainda estavam de certa forma ligados a alguns dos serviços do templo e mesmo a alguns aspectos cerimoniais da lei (At 3:1, 21:17-26, Gl 2:11-14). Martin Hengel declara que ‘’eles permaneciam mais profundamente arraigados em sua tradição religiosa da Palestina, que desde o tempo dos Macabeus inevitavelmente consideravam qualquer ataque à Torah e ao templo como sacrilégio.’’ 38 No entanto, Estevão, bem como os outros cristãos helenistas, podem ter compreendido rapidamente que a missão de Cristo envolvia a ab-rogação de toda a ordem do templo e sua substituição por um novo edifício não-feito por mãos. O fato de que eles tivessem nascido no exterior, vivido mais perto dos gentios e falassem outra língua poderia tê-los feito mais flexíveis em sua tradição religiosa do que os hebreus e ao mesmo tempo mais acessíveis ao evangelho e à sua dimensão mundial. 39 O evangelho significava o fim de todas as leis cerimoniais, inclusive os ritos sacrificiais. Esses símbolos externos e visíveis do particularismo judaico não eram compatíveis com a universalidade da mensagem cristã de uma salvação já realizada.


SUA INFLUÊNCIA

Finalmente, deve ser notado que somente os cristãos helenistas foram dispersos de Jerusalém na perseguição contra a igreja após a morte de Estevão. Os apóstolos foram capazes de permanecer ali (At 8:1, 14) como foram os outros cristãos hebreus (Ef 11:1, 18, 22). 40 Essa perseguição, porém, teve uma influência positiva sobre a atividade missionária da igreja. ‘’Entrementes, os que foram dispersos iam por toda parte pregando a palavra.’’ (8:4-8, 11:19-21). Os helenistas, portanto, tornaram-se os verdadeiros fundadores da missão aos gentios, em que a circuncisão e a observância da lei ritual não eram mais exigidas. 41

Além disso, não é mera coincidência que Paulo, o apóstolo aos gentios, seja introduzido por Lucas no momento exato da morte de Estevão (Ef.7:58). Concorda-se geralmente que Paulo freqüentava a sinagoga helenista mencionada em Atos 6:9 e, assim, era um dos opositores de Estevão. 42 Paulo descreve-se a si mesmo antes da sua conversão como ‘’fariseu’’ (Fp 3:5) e ‘’extremamente zeloso’’ da lei mosaica e da tradição dos antepassados (Gl 1:14). Como tal, ele dificilmente poderia suportar um ataque contra a lei e o culto do templo, duas das três colunas sobre as quais, segundo Pirqe Aboth 1:2, o mundo repousa. Para ele, Estevão e os outros cristãos helenistas tinham se demonstrados apóstatas. Por causa disto, ele os perseguiu (Fp 3:6). Um pouco mais tarde, porém, ele estava sendo acusado de pregar a mesma teologia que havia tentado destruir (Atos 21:21). Este fato tem levado Hengel a declarar que os helenistas de Jerusalém foram ‘’a ponte real entre Jesus e Paulo.’’ 43

Mas além das similaridades teológicas, 44 um evento aparentemente sem significado ajuda a esclarecer a íntima ligação entre Paulo e os helenistas. Ao retornar de sua terceira viagem missionária, Paulo chegou em Jerusalém e se hospedou com uma pessoa chamada ‘’Mnasom, natural de Chipre, velho discípulo’’ (At 21:16). 45 Sendo ‘’velho discípulo’’, sua conversão provavelmente remontava aos primeiros anos da igreja de Jerusalém. 46 Por ser de Chipre, ele era certamente um helenista e, portanto, pode ter tomado parte nos episódios de Atos 6-8. 47 Considerando que vários os oito companheiros de Paulo nesta parte da viagem eram incircuncisos, Jon Paulien salienta que dificilmente um cristão hebreu estaria preparado para hospedá-los ‘’com alegria’’ (21:17). Mas como helenista, isto não seria um problema para Mnasom. 48 Seja qual For o caso, o fato de que em Cesaréia eles tinham ficado em casa de Felipe, ‘’que era um dos sete’’ (21:8), é suficiente para mostrar a proximidade entre Paulo e os helenistas.

Assim, o martírio de Estevão ocupa uma posição de extrema importância na história da igreja apostólica. Foi o último evento que ocorreu enquanto as ações ainda estavam confinadas a Jerusalém e os cristãos ainda viviam praticamente como judeus. Ao mesmo tempo, foi o evento que primeiro envolveu a Paulo e que começou a levar a mensagem cristã ao mundo gentio. Pode-se concordar com a posição de J. C. O’ Neil de que ‘’muito significado está ligado a um só evento’’, mas sua conclusão de que ‘’Lucas está esquematizando a história e atribuindo a uma causa o que provavelmente deveria ser atribuída a muitas’’, 49 é especulativa e destituída de evidencia. A melhor alternativa, portanto, é tomar a narrativa de Lucas como ela está e reconhecer o significado de Estevão no desenvolvimento da igreja apostólica.

Contudo, por mais significado que ele tivesse, isto não basta para torná-lo o cumprimento das setenta semanas. Mas se a frase ‘’para selar a visão e o profeta’’ (Dn 9:24) se aplica ao final desse período profético e significa levar a um fim o ministério profético em favor do povo de Daniel, e se Estevão satisfaz esses critérios cronologicamente bem como historicamente, então o seu papel na história da igreja apostólica pode ser adicionado ao quadro para fortalecer ainda mais o seu significado profético. Este é o assunto da seção a seguir:

ESTEVÃO COMO PROFETA

A questão com que agora nos deparamos é: Estevão foi um profeta? Se é assim, então devemos também indagar: ele satisfaz os critérios exigidos por Daniel 9:24-27 para o final do período das setenta semanas? Baseado em Atos 7:52, F. Bruce declara que ‘’Estevão colocou-se na sucessão profética por atacar’’ os judeus no mesmo ponto em que os haviam atacado os profetas do Antigo Testamento, isto é, ‘’as noções pervertidas de Israel do verdadeiro culto de Deus’’. 50 Shea afirma que a visão que Estevão teve no final do seu julgamento (7:55-56) torna-o ‘’por definição’’ um profeta, sendo que ‘’é aos profetas que Deus dá visões de si mesmo como esta’’. 51 Sendo assim, conclui Shea, ‘’ele pode ter tido mais breve ministério que o de qualquer profeta conhecido na Bíblia, porque foi apedrejado logo depois’’. 52 Todavia, não é a extensão de um ministério profético que o torna importante, mas o momento histórico de tal ministério e a mensagem comunidade. Por causa disto, esta seção focaliza a estrutura e significado do discurso de Estevão e o real objeto de sua visão.

SEU DISCURSO

O significado do discurso de Estevão diante do Sinédrio (At 7:2-53) pode ser notado primeiramente, a partir de seu tamanho. É o mais longo discurso do livro de Atos, e este fato por si mesmo tem sido suficiente para reter a atenção de muitos eruditos. 53 Além disso, esse discurso também tem sido descrito como ‘’talvez complicado discurso de Atos’’. 54 por causa de sua perplexidade e problemas de interpretação que ele suscita. 55 Um dos problemas está relacionado com a natureza desse discurso, e, neste ponto específico, a interpretação provida por Shea é muito criteriosa. Segundo ele, o discurso de Estevão ‘’deveria ser compreendido em conexão com a aliança do Antigo Testamento’’, 56 isto é, a maneira pela qual a aliança entre Deus e Israel foi formulada e a maneira como os profetas usaram essa formulação.

A interpretação de Shea baseia-se principalmente em um importante estudo publicado em 1954 por Geogre E. Mendehall, 57 que identificou a estrutura da aliança do Sinai com o tratado de suzerania utilizado pelos reis hititas em 1450-1200 a.C, 58 um período que corresponde exatamente aos inícios do povo de Israel. O rei hitita era o grande rei ou suzerano que tinha sob seu controle vários vassalos, de quem ele esperava fidelidade e estrita obediência. A aliança, que era designada pela expressão ‘’juramentos e compromissos’’, tinha basicamente seis elementos: (1) o preâmbulo, que identificava o suzerano; (2) o prólogo, que descrevia as relações prévias entre o suzerano e o vassalo; (3) as estipulações ou obrigações impostas ao vassalo; (4) provisão para depósito no templo e leitura pública periódica; (5) as testemunhas da aliança; e (6) as bênçãos e maldições que viriam ao vassalo como resultado de sua obediência ou desobediência. 59

Embora Mendenhall declare que ‘’somente duas’’ alianças bíblicas pertencem a este modelo, Êxodo 20-23 e Josué 24, 60 Shea tem demonstrado com sucesso que Deuteronômio, I Samuel 12 e Miquéias 6 também podem ser organizados de acordo com essa mesma estrutura. 61 E para ele, o valor dessa identificação está no fato de que ela mostra que ‘’quando os profetas vinham como reformadores para chama Israel de volta à relação da aliança do Sinai, eles o faziam aplicando a fórmula da aliança a situações vigentes em seu tempo.’’ 62 Fazendo isto, afirma Shea, os profetas às vezes usavam a palavra hebraica rib, cuja melhor tradução é provavelmente ‘’demanda judicial da aliança’’, para expressar a idéia de Deus apresentando diante de um tribunal uma ação contra o seu povo por causa de sua violação da aliança. 63 Em Miquéias 6:1-2, por exemplo, que se assemelha ao preâmbulo e aos parágrafos das testemunhas da aliança original, a palavra rib ocorre três vezes:

Ouvi, agora o que diz o SENHOR: Levanta-te, defende a tua causa (rib) perante os montes, e ouçam os outeiros a tua voz. Ouvi, montes, a controvérsia (rib) do SENHOR, e vós, duráveis fundamentos da terra, porque o SENHOR tem controvérsia (rib) com o seu povo e com Israel entrará em juízo.

Em seguida (v.3-5), no prólogo correspondente, o profeta lembra ao povo os poderosos atos de Deus em seu favor no passado. As estipulações e violações são enumeradas nos versos seguintes (v.6-12) que culminam com as maldições (v.13-16). 64

Segundo Shea, este antecedente do Antigo Testamento é necessário para uma melhor avaliação do discurso de Estevão em Atos 7. Sem base em mente, escreve ele, esse discurso poderia parecer um estranho, talvez até mesmo tedioso, sermão em que ele discorre de um modo monótono sobre a história de Israel.

Mas à luz do uso da fórmula da aliança e especialmente o modelo rib no Antigo Testamento, o discurso assume um profundo significado. O que Estevão fez em Atos 7:2-50 foi desenvolver a seção do prólogo da aliança original do mesmo modo que os profetas do Antigo Testamento faziam quando apresentavam o rib divino contra Israel. 65

SEU VEREDITO

A missão profética cumprida por Estevão em seu julgamento também esclarece sua atitude no que concerne às acusações lançadas contra ele. Alguns eruditos têm se referido ao seu discurso em termos de uma defesa ou apologia, 66 mas ele realmente não fez nenhum esforço para se defender, em contraste com o caso de Pedro algum tempo antes (At 4:8-12). Neste sentido, G. A. Kennedy está certo quando afirma que o discurso de Estevão está retoricamente incompleto, 67 porque em vez de refutar a falsidade das acusações, ele de fato consiste de uma mensagem de acusação e condenação. Simon Légasse descreve a atitude de Estevão em termos de ‘’uma inversão de papéis’’, isto é, de acusado ele tornou-se acusador, 68 porque depois de sua longa exposição da história de Israel, ele anunciou o seu veredito:

Homens de dura cerviz e incircuncisos de coração e de ouvidos, vós sempre resistis ao Espírito Santo; assim como fizeram vossos pais, também vós o fazeis. Qual dos profetas vossos pais não perseguiram? Eles mataram os que anteriormente anunciaram a vinda do justo, do qual vós agora vos tornastes traidores e assassinos, vós que recebestes a lei por ministério de anjos e não a guardastes (At 7:51-53).

Essas palavras consistem na culminação do discurso 69 e devem ser compreendidas como uma declaração explícita de condenação. Matando o Messias, aquelas pessoas não somente estavam se identificando como filhos de seus ‘’pais’’, mas também completando a grande soma de rebelião e iniqüidade iniciada por eles, 70 ou, usando a linguagem bíblica, ‘’eles tinham enchido a medida de seus pais’’. 71 Se os seus pais eram culpados de matarem os profetas, eles eram ainda mais por assassinarem a Jesus. Como diz Marshall, eles tinham chegado ao limite da oposição de Israel a Deus. 72

Gerd Lündermann salienta corretamente que ‘’o chamado ao arrependimento’’ que se destaca em outros discursos de Atos está ausente aqui. 73 Parece, portanto, que o que Estevão estava apresentando aos líderes judeus não era apenas outra das demandas judiciais da aliança de Deus, mas a final, 74 como se o seu tempo para o arrependimento tivesse definitivamente chegado ao fim e eles fossem achados culpados. Eles tinham falhado em guardar a aliança e por causa disto eles não eram mais o povo da aliança. A mudança pronominal de ‘’nossos’’ (v.11, 19, 38, 44, 45) para ‘’vossos pais’’ (v.51) talvez signifique mais do que uma simples ruptura na solidariedade de Estevão com sua audiência, como sugere Gehard A. Krodel. 75 Pode também indicar o final definitivo da relação da aliança entre Deus e Israel como nação. A referência a Jesus em 7:52 torna implícito que agora o verdadeiro povo da aliança eram aqueles que acreditavam nele e o seguiam. 76 Em outras palavras, o povo que pertencia à aliança de Deus não era mais definido em termos étnicos ou políticos como tinha sido Israel, mas em termos de discipulado para Jesus Cristo (Ef 11:26). 77

SUA VISÃO

A conclusão acima pode parecer um tanto radical, mas é confirmada como verdadeira pela visão de Jesus que Estevão teve em seguida. Quando ele acabou de falar, estando ‘’cheio do Espírito Santo’’ (7:55), disse: ‘’Eis que vejo os céus abertos e o Filho do homem, em pé a destra de Deus’’ (v.56).

Primeiramente, deve ser notado que sua visão é uma clara referência à exaltação do Messias mencionada no Salmo 110:1. 78 Nesta passagem, não há dúvida de que o ‘’Senhor’’ a quem Deus disse: ‘’Assenta-te à minha direita’’ criar-se ser o Messias. Isto é confirmado pelo bem-conhecido incidente relatado em Marcos 12:35-37. Não podia ser Davi, porque ele não havia subido aos céus; ele ainda faz sepultado em seu túmulo (At 2:29, 34). Assim, esta passagem só podia apontar para o Messias e, segundo os apóstolos, ela encontrou seu cumprimento em Jesus de Nazaré (v.34-36).

Mas a visão de Estevão também consiste de uma referência à corte celestial mencionada em Dn 7:9-14. Em sua visão, Estevão se referiu a Jesus como ‘’o Filho do homem’’, e este título remonta ao seu uso original em Daniel, 79 onde o contexto é claramente de juízo. 80 É importante notar, porém, que o próprio Jesus já havia usado o mesmo título em conexão com a idéia de sua exaltação. Diante do mesmo sinédrio Ele havia dito: ‘’Desde agora, estará sentado o Filho do homem à direita do Todo Poderoso Deus’’ (Lev 22:69), e esta declaração particularmente pode ser a chave para se compreender a visão de Estevão. Combinando a idéia de sua exaltação com a alusão ao tribunal celestial, Jesus pode de fato ter interferido que Ele estava naquele momento em pé em julgamento diante dos líderes judeus, mas ‘’estava chegando o tempo em que Ele seria juiz enquanto eles estariam em pé diante dele’’. 81 Neste sentido a visão de Estevão poderia indicar que esse tempo havia chegado, porque ele viu Jesus ‘’em pé’’ à direita de Deus em vez de ‘’sentado’’, como Jesus mesmo tinha dito que estaria.

Esta mudança verbal tem dividido os eruditos, e no mínimo cinco diferentes interpretações tem sido propostas. C. H. Dodd, por exemplo, nega que o particípio estota tenha qualquer significado especial. Segundo ele, significa muito geralmente ‘’estar situado’’ sem necessariamente qualquer sugestão de uma atitude ereta. 82 William Kelly, por sua vez, diz que Jesus estava em pé porque Ele ainda ‘’não havia tomado definitivamente seu assento’’, isto é, que era um período de transição em que Jesus ‘’ainda estava dando aos judeus uma oportunidade final’’. 83 H. P. Owen, por outro lado, propões que o que Estevão recebeu foi uma espécie de visão proléptica ‘’da glória da parousia’’. Para ele, Jesus estava em pé em preparação para o seu segundo advento. 84 Marshall pensa que Jesus estava em pé para receber o moribundo Estevão em sua presença. Em sua opinião, a implicação da visão é a de que ‘’como Jesus ressurgiu dos mortos, assim serão os seus seguidores’’. 85 Uma idéia ligeiramente diferente é dada por Bruce, que acredita que Jesus estava em pé à direita de Deus como testemunha de Estevão, o qual havia confessado Jesus diante dos homens, e agora ele via Jesus confessando-o diante de Deus. 86

Mas conquanto a interpretação de Kelly dificilmente possa ser aceita por causa de sua clara fórmula dispensacionalista, 87 a idéia de que Jesus estava em pé para julgar Israel não pode ser totalmente rejeitada. Deve-se notar, primeiro, que todo o contexto do discurso de Estevão estabelece realmente o fato de que não era Estevão quem estava sendo julgado pelos líderes de Israel, mas Israel estava sendo julgado por Deus por meio do ministério profético de Estevão. Estevão se dirigiu ao sinédrio não como um réu, mas como um profeta que trazia o rib final de Deus contra aquelas pessoas. Por causa disto, ele terminou o seu discurso com uma enérgica declaração de condenação. Eles tinham falhado em cumprir a aliança; portanto não eram mais o povo da aliança.

É importante notar que algum tempo antes, Pedro tinha dito à mesma audiência que Jesus fora exaltado por Deus ‘’a Príncipe e Salvador, a fim de conceder a Israel o arrependimento e a remissão de pecados’’ (At 5:31). Comentando esta passagem, Krodel declara que por intermédio da pregação apostólica Deus estava oferecendo ‘’uma segunda oportunidade a Jerusalém e seus líderes’’. Se a oportunidade fosse aceita, então o arrependimento e o perdão seriam recebidos como dom de Deus, mediando pelo mesmo Jesus que eles haviam matado. 88 Agora, porém, Jesus não parecia estar mais esperando por seu arrependimento. Era um tempo de juízo. Além disso, é digno de nota que há alguns textos na Bíblia onde Deus se levanta a fim de julgar (Jó: 19:25, Is 3:13, Dn 12:1). 89 Portanto, o que Estevão viu em visão, poderia ser Jesus levantando-se para pronunciar o seu juízo.

O segundo ponto que deve ser notado é que a aliança que Deus tinha com Israel não era em si mesma sinônimo de salvação, mas uma provisão pela qual a salvação de Deus poderia ser levada ao mundo inteiro (Gn 12:1-3). 90 Em outras palavras, a aliança deveria ser compreendida principalmente em termos de missão. De sorte que declarar que os judeus não são mais o povo da aliança não significa que Deus os tenha rejeitado, como às vezes tem sido sugerido 91 (Rm 11:1-10), mas apenas que Deus escolheu outro povo para executar o seu plano missionário. Deve ser lembrado que a aliança de Deus com Israel foi estabelecida em uma base corporativa, isto é, envolvia toda a nação como uma entidade teocrática. 92 Portanto, falar sobre o final da aliança com Israel não significa o final do interesse de Deus nos judeus como indivíduos. Por causa disto, o evangelho ainda foi pregado a eles até mesmo depois da morte de Estevão (At 28:17-28). 93 Mas o privilégio de ser ‘’raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus, a fim de proclamardes as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz’’ (I Pe 2:9) não era mais exclusivamente deles. 94 O povo da aliança agora não era mais definido pela linhagem de sangue, mas pela fé em Jesus Cristo (Gl 3:26-29, Rm 11:25-32). 95 Deste modo, o ministério de Estevão, seu discurso e sua visão, parece ser uma explanação apropriada e cumprimento da profecia de que ‘’setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo e sobre a tua santa cidade’’ (Dn 9:24). Conclui Shea:

Estevão foi o último profeta verdadeiro a quem Deus chamou para aquele ofício de falar articuladamente ao povo de sua eleição. Quando seus líderes o apredejaram, eles silenciaram a voz do último em uma longa série de seus profetas. Sua morte trouxe um fim à função do ofício profético em seu favor como um povo. A visão que ele viu pouco antes de morrer foi a última visão que um profeta que ministrava especialmente para eles deveria ser. 96

CONCLUSÃO

A luz dos parágrafos anteriores, a interpretação tradicional de que as setenta semanas de Daniel 9:24-27 atingiram seu cumprimento com o apedrejamento de Estevão parece ser muito mais do que uma mera possibilidade. Embora a escolha deste evento por Hales estivesse baseada mais em uma coincidência cronológica do que em uma convicção exegética, isto não significa que ele estava errado; nem aqueles que por centro e cinqüenta anos usaram o mesmo argumento sem tentar justificá-lo exegeticamente. O fato é que se for compreendido como levando a um fim o ministério profético em favor de Israel (‘’o teu povo e a tua santa cidade’’) conforme defendido por Shea, a frase ‘’selar a visão e o profeta’’ encontra um cumprimento plausível em Estevão. Primeiro, porque o papel que ele desempenhou na história da igreja primitiva que, embora muito breve, foi decisivo e significativo dificilmente por ser exagerado. Estevão representou literalmente o início do cristianismo como uma religião universal, embora isto lhe custasse a própria vida. Sua morte foi injusta e violenta. As pedras silenciaram-lhe a voz, mas não foram capazes de mudar o curso da história. Ao contrário, ‘’um jovem chamado Saulo’’ (At 7:58), também helenista, que observava e evidentemente aprovava a execução, no final tornou-se o grande continuador da obra iniciada por Estevão. 97

Sem dúvida, Estevão foi mais do que um diácono como o termo é hoje compreendido. Ele foi um pregador, e por causa da sua formação helenista, ‘’parece ter sido o primeiro cristão a perceber que o cristianismo significava o final dos privilégios judaicos, e o primeiro a abrir o caminho para uma missão aos gentios’’. 98 Declara Norman J. Bull:

O apedrejamento de Estevão iniciou um novo estágio na história da infante igreja. Até então o cristianismo tinha sido uma seita do judaísmo. Os cristãos tinham vivido como judeus, pela lei judaica. Eles podiam ainda ser considerados como formando uma sinagoga separada, como faziam muitos grupos de judeus. Agora houve uma distinta mudança. Não mais os cristãos judeus poderiam ser considerados como judeus ortodoxos; eles eram uma seita distinta e herética. Não mais era a lei judaica o âmago de sua religião. A pregação de homens como Estevão os excluía. 99

O significado profético de Estevão, porém, não está relacionado apenas com a separação definitiva da igreja do judaísmo tradicional e sua orientação em relação aos gentios. Para os cristãos Estevão foi um pregador e mesmo um reformador, 100 e para os judeus ele foi um profeta, o último profeta chamado por Deus para falar diretamente a Israel como o povo da aliança. Como tal, sua mensagem foi uma mensagem de condenação. Eles tinham quebrado a aliança e, por causa disto, Deus o chamou para apresentar seu rib final contra eles. No exato momento em que Estevão os estava condenando na Terra, Jesus os estava julgando em sua corte celestial. A visão de Estevão, portanto, não foi a visão de um mártir perto da morte, mas a visão de um profeta cumprindo sua missão. Assim, os privilégios dos judeus como o povo da aliança chegaram ao fim. As setenta semanas finais que Deus havia dado ao seu povo tinham terminado; o ministério profético em seu favor também estava terminando, e eles não eram mais o povo da aliança. Todavia, pela fé em Jesus Cristo eles ainda poderiam retornar sua posição e missão, porém não mais como nação.

A última esperança de Israel como nação deixou de existir com Estevão. As pedras que os dirigentes judeus lhe atiraram selaram para sempre o seu destino. Mas Estevão não morreu sem primeiro revelar uma nobreza de caráter típica de um verdadeiro mártir. Em seu derradeiro momento, ele ainda orou: ‘’Senhor, não lhes imputes este pecado’’ (At 7:60). Estas palavras, entretanto, foram muito mais do que uma oração. Eram a genuína expressão da vontade de Deus em relação àquelas pessoas. Para Israel, o tempo havia terminado; contudo ainda há esperança para Israel em uma base individual.

Eles também, se não permanecerem na incredulidade, serão enxertados; pois Deus é poderoso para os enxertar de novo (Rm 11:23). 101


Última edição por Eduardo em Sab 22 Maio 2010, 10:16 pm, editado 2 vez(es)


Visite-me no Fórum Adventista:

http://adventista.forumbrasil.net/

Eduardo
‎Moderador Adventista
‎Moderador Adventista

Número de Mensagens : 8396
Idade : 40
flag : Brasil
Data de inscrição : 17/10/2008

http://adventista.forumbrasil.net/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AS SETENTA SEMANAS DE DANIEL

Mensagem por Eduardo em Sab 22 Maio 2010, 10:13 pm

REFERÊNCIAS:

1 - Este artigo foi originariamente apresentado no I Congresso Internacional da Bíblia, realizado na cidade de Jerusalém (Israel), de 8 a 14 de junho de 1998, e publicado no Journal of the Adventist Theological Society, 9 (1998): 343-361, sob o título ‘’The Profetic Significance of Stepehen’’. Traduzido do original em inglês por Francisco Alvez de Pontes.

2 – J. Burton Payne, Encyclopedia of Biblical Prophecy (Grand Rapids: Baker, 1997), 383-389, ressalta que há basicamente quarto diferentes tipos de interpretação de Dn 9:24-27: a liberal, a tradicional, a dispensacionalista e a simbólica. A tradicional, também conhecida como interpretação histórico-messiânica, é caracterizada por aplicar a esta profecia o princípio dia-ano e por sustentar que ‘’toda esta principal personagem... o grande terminus ad quem’’ da parte central da profecia, isto é, as 69 semanas (Edward J. Young. The Prophecy of Daniel [Grand Rapids: Eerdmans, 1949], 209).

3 – Para um estudo exaustivo de interpretação profética desde os primeiros pais da igreja até os tempos modernos, veja LeRoy Edwin Froom, The Prophetic Faith of Our Fathers, 4 vols. (Washington: Review and Herald, 1948).

4- Veja E. B. Pusey, Daniel the Prophet (New York: Funk and Wagnalls, 1855), 193.

5 – William Hales, The Inspector, or Select Literary Intelligence (London: J. White, 1799). 207 (ênfase suprida). Hales identifica-se como o autor desse volume em seu Dissertations on the Principal Prophecies (Londres: C.J.G and F. Rivington, 1808). 564.

6 – William Hales, A New Analysis of Chronology (London: pelo autor, 1809-1812), 564.

7 – Sob a influência de James Ussher, cuja obra Annales Veteris Testament (Londres: EX Officina J. Flesher, 1650-1654) tinha sido o padrão para a cronologia bíblica por quase dois séculos, havia muitos eruditos que colocavam a crucifixão no final da última semana em 33 d.C, talvez porque a morte de Jesus parecia muito mais relevante do que qualquer outra coisa no final da profecia.

8 – William Hales, A New Analysis of Chronology and Geography, History and Prophecy, 4 vols, 2ºed. (Londres: C.J.G. and F. Rivington, 1830), 1:94-95.

9 – Ibid, 1:100.

10 – Veja, por exemplo, Carl A. Auberlen, The Prophecies of Daniel and The Revelations of St. John (Edimburgo: T and T Clark, 1856), 140: J. N Andrews, The Sanctuary and Twenty-Three Hundred Years, 2ºed (Battle Creek: Steam Presse, 1872), 27; Uriah Smith, Daniel and the Revelation (Battle Creek: Review and Herald, 1903), 204-205; Philip Mauro, The Seventy Weeks and the Great Tribulation (Boston: Scripture Truth Depot, 1923), 112; George M. Price, The Greatest of the Prophets (Mountains View: Pacific Press, 1955), 257; J. Barton Payne, The Imminent Appearing of Christ (Grand Rapids: Eedmans, 1962). 149; Charles Boutflower, In and Around the Book of Daniel (Grand Rapids: Zondervan, 1963), 210: Robert M. Gurney, God in Control (Worthing: H.E. Walter, 1980), 115-119.

11 – Talvez por causa disto Young, 220, declare acerca das setenta semanas: ‘’Nenhum evento importante é destacado como assinalando a terminação. ‘’E Pusey, 193, diz que o final da profecia ‘’provavelmente’’ assinala o tempo em que ‘’o evangelho abarcou o mundo’’. Ele então acrescenta: ‘’Não temos os dados cronológicos para estabelecê-lo.’’

12 – Harold W. Hoehner, Chronological Aspects of the Life of Christ (Grand Rapids: Zondervan, 1977), 126.

13 – William H. Shea, ‘’Daniel and the Judgment,’’ um manuscrito sobre a doutrina do santuário e do juízo, Andrews University, julho de 1980, 366.

14 – A tese de Shea foi finalmente publicada em ‘’The Prophecy of Daniel 9:24-27’’, em Seventy Weeks, Leviticus, Nature of Prophecy, Daniel and Revelation Commitee Series, vol. 3, ed. Frank B. Holbrook (Washington: Instituto de Pesquisas Bíblicas, 1986), 75-118.

15 – Shea, ‘’The Prophecy of Daniel 9:24-27’’, 80; cf. ‘’Daniel and Judgment’’, 73-75.

16 – Para a mais recente e exaustiva análise da cronologia das setenta semanas, veja Brempong Owusu-Antwi, The Chronology of Daniel 9:24-27, Adventist Theological Society Dissertation Series, vol. 2 (Berrien Springs: ATS Publications, 1995).

17 – A datação da morte de Estevão é inteiramente dependente da conversão de Paulo tem sido objeto de muita discussão entre os eruditos, que têm postulado qualquer data de 32 a 36 d.C, incluindo, é claro, 34 d.C que representa exatamente uma intermediária e um termo entre as outras sugeridas. Para uma recente e completa discussão sobre a cronologia de Paulo, veja Rainer Riesner, Paul’s Early Period (Grand Rapids: Eedmans, 1998), 3-227.

18 – Martin H. Scharlemann, Stephen: A Singular Saint, Analecta Bíblica, no 34 (Roma: Instituto Bíblico Pontifício, 1968), 1. Veja também Marcel Simon, st. Stephen and the Hellenists (Londres: Longmans, Green and Co, 1958), 1-4.

19 – Veja Günter Wagner, ed. An Exergetical Bibliography of the New Testament: Luke and Acts (Macon: Mercer University, 1985), 397-416.

20 – O termo ‘’helenistas’’ aparece também em Atos 9:29 e 11:20 (para o problema textual desta passage, veja Bruce M. Metzger, A Textual Commentary on the Greek New Testament, 2º Ed. [Stuttgart: Sociedade Bíblica Unida, 1994], 340-342), e, segundo o contexto, em cada uma dessas passagens ela deve se referir a um grupo diferente. Se em 6:1 os helenistas são cristãos judeus de fala grega, em 9:29 eles são apenas judeus de fala grega, e em 11:20, gentios de fala grega de qualquer raça que moravam em Antioquia. Para uma análise completa do termo ‘’helenistas’’, veja Martin Hengel, Between Jesus and Paul (Filadélfia: Fortress, 1983), 1-11.

21 – Para a tese apresentada por Abram Spiro, ‘’Stephen’s Samaritan Background’’, em Johannes Munck, The Acts of the Apostles. The Anchor Bible (New York: Doubleday, 1967), 285-300, de que Estevão era samaritano, veja F. F. Bruce, The Book of Acts. The New International Commentary on the New Testament, ed. Rev. (Grand Rapids: Eedmans, 1988), 120.

22 - Simon, que interpreta a palavra ‘’helenista’’ como ‘’helenismo’’, declara que os helenistas de Atos são pessoas que ‘’sobe a influência e contaminação do pensamento grego, se desviaram dos caminhos da estrita ortodoxia farisaica e, portanto, poderiam ser rotulados de ‘’paganizantes’’. Ele declara também que essa idéia não está totalmente clara no contexto simplesmente porque Lucas ‘’não podia, ou não queria, ver que algo mais estava implícito na palavra’’ (12-14).

23 – Hengel, 14-16, Joachim Jeremias, Jerusalém in the Time of Jesus (Filadélfia: Fortress, Press, 1975), 62, até mesmo sugere que os helenistas devem ter vivido juntos em seu próprio distrito ou quarteirão em Jerusalém, onde tinham suas sinagogas e hospederias.

24 – I. Howard Marshall, The Acts of the Apostles, The Tyndale New Testament Commentaries (Grand Rapids: Eedmans, 1982), 125, 128.

25 – Ibid, 125.

26 – CF. Jourgen Becker, Paul: Apostle to the Gentiles (Lousiville: Westminer/John Knox, 1993), 63,454; Clayton K. Harrop, ‘’Stephen and Paul’’, em with Steadfast Purpose, ed. Naymond H. Keatley (Waco: Baylor U, 1990), 182, Hengel, 1-29, 48-64; Martin Hengel, Earliest Christianity (Londres: SCM, 1986), 71-80, Seyoon Kim, The Origin of Paul’s Gospel, 2º ed. (Tubinger: J.C.B. Mohr, 1984), 45-50; William Manson, The Epistle to the Hebrews (Londres: Hodder and Stoughton, 1951), 27,28.

27 – Cf. Josephus, The Antiquities of the Jews 12.5-1-5. Sobre as controvérsias durante o tempo de Herodes, veja The Antiquities of the Jews 15.8.1-5.

28 – James D. G. Dunn, Unity and Diversity in the New Testament, 2º Ed. (Valley Forge: Trinity, 1990), 269.

29 – A conclusão de que os ‘’sete’’ eram também helenistas baseia-se na seguinte evidência: o problema estava relacionado às viúvas helenistas (6:1); todos os sete tinham nomes gregos (6:5); a oposição a Estevão veio de uma sinagoga helenista (6:9); a perseguição que se seguiu à morte de Estevão não afetou os apóstolos (8:14).

30 – Hengel, Between Jesus and Paul, 13.

31 – No Novo Testamento, os sete não são mencionados fora do livro de Atos. Nenhum deles, inclusive Estevão e Filipe, são nomeados pelos pais apostólicos. Mesmo quando os últimos comentam sobre o ofício de diáconos, eles citam as epístolas pastorais em vez de remontar esta instituição ao tempo dos sete. A primeira referência específica a eles como diáconos na literatura posterior da igreja parece ser do comentário de Irineu de que Estevão foi tanto o primeiro diácono quanto o primeiro mártir (Against Heresis III, 12, 10; IV, 15,1)

32 – P. Double, ‘’The Sono f Man Saying in Stephen’s Witnessing: Acts 6:8 – 8:2’’, NTS 31 (1985): 71-72.

33 – Harrop, 183, Veja também Marshall, 128, Scharlemann, 13

34 – Assim Gerhard A. Krodel, Acts. Augsburg Commentary on the New Testament (Mineápolis: Augsburg, 1986), 150-151.

35 – Manson, 34

36 – Marshall, 146

37 – De fato, as semelhanças entre o discurso de Estevão e Hebreus não estão limitadas a este ponto, Manson enumera muitas outras incluindo: a atitude para como rituais e a lei judaica; o senso do chamado divino para o povo de Deus, o qual é chamado divino para o povo de Deus, o qual é chamado para ‘’sair’’, as sempre mutáveis cenas da vida de Israel, e o sempre renovado desabrigo dos fiéis, a palavra de Deus como ‘’viva’’, a alusão a Josué em conexão com a promessa do ‘’repouso’’ de Deus; a idéia dos ‘’anjos’’ como sendo ordenadores da lei de Deus; e a direção dos olhos para o Céu e para Jesus (36). C. Spicq adiciona alguns outros: predileção pelos mesmos personagens do Antigo Testamento como heróis e santos; condenação da geração de israelitas no deserto, uso tipológico do Antigo Testamento; construção do tabernáculo em toda a linha de um modelo celestial; e a citação da Escritura como ‘’Deus disse’’ ou ‘’Moisés disse’’ (Paris: J. Gabalda, 1952). William L. Lane declara: ‘’O escritor de Hebreusfoi um profundo teólogo que parece ter recebido sua formação teológica e espiritual dentro da ala helenística da igreja’’ (Hebrews 1-8, Word Biblical Commentary [Dallas: Word, 1991], cxlvii).

38 – Hengel, Earliest Christianity, 73.

39 – CF. Dunn, 272

40 – Marshall, 151

41 – Hengel, Between Jesus and Paul, 13. Veja também Hengel, Earliest Christianity, 76-80.

42 – Veja Dennis Gaertner, Acts, 2º ed. (Joplin: College Press, 1995), 123.

43 – Hengel, Between Jesus and Paul, 29.

44 – J. Christian Beker declara categoricamente que Paulo herdou sua teologia acerca de Jesus dos cristãos helenistas a quem ele havia perseguido (Paul the Apostle [Filadélfia: Fortress, 1984], 341). Veja também Manson, 42-44.

45 – Para o problema textual envolvido nesta passagem, veja Ernst Haenchen, The Acts of the Apostles: A Commentary (Filadélfia: Westminster, 1971), 607.

46 – Bruce, 402

47 – Munck, 209, sugere que Mnasom pode ter estado entre os cipriotas que deixaram Jerusalém após o apedrejamento de Estevão e pregaram o evangelho diretamente aos gregos de Antioquia, (Atos 11:19-20).

48 – Jon Paulien, ‘’Mnason’’, ABD (1992), 4:882, torical Setting (Londres: SPCK, 1961), 72.

50 – Bruce, 152, Luke T. Johnson também afirma que porque Estevão é descrito como ‘’cheio do Espírito e de sabedoria’’ (6:3) e porque ele operava ‘’prodígios e grandes sinais entre o povo’’ (6:8), ele era um profeta, ‘’e como os profetas antes dele, ele gerou uma reação dividida’’ (The Acts of the Apostles, Pagina Sacra Series, vol.5 [Collegeville: Liturgical, 1992], 112).

51 – Shea, ‘’The Prophecy de Daniel 9:24-27’’, 81.

52 – Shea, ‘’Daniel and the Judgment’’, 367.

53 – Marshall, 131, declara: ‘’Se a extensão é alguma coisa que tem mérito, o discurso de Estevão é uma das mais importantes seções de Atos.’’

54 – Marion L. Soards, The Speeches in Acts (Loisville: Westminster/John Knox, 1994), 58.

55 – Veja Simon, 39-77; Scharlemann, 22-89; Simon Légasse, Stephanos (Paris, Éditions du Cerf, 1992), 17-94.

56 – Shea, ‘’The Prophecy of Daniel 9:24-27’’, 81.

57 – George E. Mendehall, ‘’Covenants Forms in Israelite Tradition’’, BA 17 (1954): 50-76.

58 – Até aquele tempo, não havia nenhum acordo entre os eruditos concernentes à origem do conceito de aliança no Antigo Testamento. Alguns atribuíam isto à obra de Moisés (assim W. O. E. Oesterley e Theodore H. Robinson, Hebrew Religion, its Origin and Development [Londres: SPCK, 1937], 156-159), enquanto outros achavam que ele tinha sido desenvolvido pelos profetas durante o oitavo e sétimo séculos (assim Julius Welhausen, Prolegomena to the History of Israel [Edimburgo: A and C. Black, 1885], 417).

59 – Mendehall enfatiza que a forma de aliança hitita não era tão rígida. Pode ter havido variação na ordem dos elementos bem como no fraseado. Ocasionalmente, um ou outro dos elementos poderia estar falando (58).

60 – Ibid, 62

61 – Veja Shea, ‘’Daniel and the Judgment’’, 369-371. Em sua formulação, Shea não inclui o quarto item da estrutura da aliança hitita, embora Mendenhall provavelmente se referindo a textos como Deuteronômio 31:24-29, declare que ‘’a tradição do depósito da lei na arca da aliança está certamente ligada aos costumes de aliança dos tempos pré-mosaicos’’ (p.64).

62 – Shea ‘’’The Prophecy of Daniel 9:24-27’’, 81.

63 – A palavra rib aparece também na ação judicial da aliança de Oséias (4:1). Malaquias (3:5) e Ezequiel (5:8), usam uma palavra diferente, mispat, que significa ‘’julgamento’’. Para discussão adicional sobre a ação judicial da aliança, veja Herbert B. Huffmon, ‘’The Covenant Lawsuit in the Prophets’’, (1959): 285-295; Julien Harvey, ‘’Le Rib Patern, ‘’Requisitoire Prophétic Lawsuit Speeches’’, JBL 88 (1969): 291-304; Kirsten Nielsen, Yahweh as Prosecutor and Judge, JSOT Supplement Series 9 (Sheffield: JSOT, 1978).

64 – Shea, ‘’Daniel and the Judgment’’, 370-371.

65 – Ibid, 371. A solução que muitos eruditos tem encontrado para a aparentemente desnecessária extensão do discurso é especular que Lucas expandiu o discurso original pela combinação de diferentes tradições (Veja Krodel, 137-140).

66 – Assim J. Cantinat, L’Église de La Pentecote (Paris: MAME, 1969), 105, Cecil J. Cadoux, The Early Church and the World (Edimburgo: T and T. Clark, 1955), 109; Delbert Wiens, Stephen’s Sermon (Ashifield: BIBAL Press, 1995), 11. Embora Wiens use a palavra ‘’apologia’’, porque para ele ‘’esse advogado’’, ele declara que a expressão ‘’proclamação profética’’ seria ainda melhor.

67 – G. A. Kennedy, New Testament Interpretation (Chapel Hill: U North Carolina P, 1984), 121-122.

68 – Légasse, 23.

69 – Não há dúvida de que o aoristo egénesthe (v.52) deve ser classificado como culminativo. O advérbio reforça esta idéia.

70 – Floyd V. Filson, Pioneers of the Primitive Church (New York: Abringdon, 1940), 75.

71 – Bruce, 152.

72 – Marshall, 147.

73 – Gerd Lündermann, Early Christianity According to the Traditions in Acts (Mineápolis: Fortress, 1989), 88.

74 – Shea, ‘’Daniel and Judgment’’, 372.

75 – Krodel, 151-152.

76 – Wiens, 223.

77 – Para o significado do termo ‘’cristãos’’ em Atos 11:26, veja Robert Maddox, The Purpose of Luke Acts (Edimburgo: T and T Clark, 1982), 31.

78 – Haenchen, 292.

79 – Scharlemann, 15.

80 – Arthur J. Ferch afirma que o papel do Filho do homem em Daniel 7:9-14 não é de juiz que toma o seu assento ao lado de Deus. Segundo ele, o que esta passagem retrata é uma cena de investidura, em que o Filho do homem recebe ‘’o domínio, a glória e o reino’’ (The Sono f Man in Daniel Seven, Andrews University Seminary Doctoral Dissertation Series, vol. 6 [Berrien Springs: Andrews University Press, 1979], 148, 172-174, 183). Não há dúvida, porém, de que no judaísmo posterior, bem como no Novo Testamento, o Filho do homem vem para realizar uma função judicial (veja Enoque 62:2-3, 69:26-29, Mt 25:31-46).

81 – Herschel H. Hobbs, Na Exposition of the Gospel of Luke (Grand Rapids: Baker, 1966), 322. Veja também I. Howard Marshall, The Gospel of Luke, The New International Greek Testament Commentary (Grand Rapids: Eerdmans, 1978), 850: C.F. Evans, Saint Luke, TPI New Testament Commentaries (Londres: CSM, 1990), 837; Norval Geldenhuis, Commentary on the Gospel of Luke, The New International Commentary on the New Testament (Grand Rapids: Eerdmans, 1993), 587; Darrell L. Bock, Luke, Baker Exegetical Commentary on the New Testament (Grand Rapids: Baker, 1996), 2:1800).

82 – C. H. Dodd, According to the Scriptures (Londres: Nisbet, 1952), 35. Veja também Gustaf Dalman, The Words of Jesus (Edimburgo: T and T Clark, 1909), 311.

83 – William Kelly, An Exposition of the Acts of the Apostles, 3ºed. (Londres: G. Morrish, 1952), 102-103. John N. Darby declara: ‘’Ele não se assenta, por assim dizer, até Israel ter formalmente rejeitado o testemunho, quando o brado de Estevão chegou aos seus ouvidos. Ele tomou o seu lugar, assentando-se até que seus inimigos sejam postos debaixo de seus pés, depois da recusa deles de ouvir o testemunho do Espírito Santo. Estevão sendo recebido por Cristo no Céu, Israel como Israel deve esperar lá fora’’ (The Collected Writtings, 28ºed. William Kelly [Oak Park: Bible Truth, n.d], 283).

84 – H.P. Owen, ‘’Stephen’s Vision in Acts vii. 55-6’’, NTS 1 (1954): 224-226.

85 – Marshall, The Acts of the Apostles, 149.

86 – Bruce, 156.

87 – Para uma recente discussão do dispensacionalismo, veja Keith A. Mathison, Dispensationalism: Rightly Dividing the People of God? (Phillipsburg: P and R, 1995). Veja também Hans K. LaRondelle, The Israel of God in Prophecy (Berrien Springs: Andrews UP, 1983).

88 – Krodel, 128.

89 – George W. E. Nickelsburg identifica Daniel 12:1-3 como uma ‘’descrição de uma cena de juízo.’’ E para ele, um dos elementos constitutivos desta cena é exatamente a posição em pé de Miguel (Resurrection, Immortally, and Eternal Life in Intertestamental Judaism, Harvard Theological Studies 26 [Cambridge: Harvard UP, 1972]. 27, cf. 12). Gordon E. Christo provê uma interessante análise da conotação judicial da palavra qum (‘’levantar-se’’), que ocorre em Jó 19:25, e então conclui: ‘’Quer para acusar ou defender-se contra acusação, quer como testemunha (pró ou contra), ou quer como juiz para pronunciar o veredito, o indivíduo tinha de levantar-se a fim de falar’’ (‘’The Eschatological Judgment in Job 19:21-29, Na Exegetical Study’’, Andrews University Seminary Ph.D Dissertation [Berrien Springs: Andrews U, 1992], 129-134).

90 – Willem VanGemeren define a aliança de Deus com Israel como uma ‘’soberana administração de graça e promessa’’, pela qual Deus elegeu Israel para si mesmo e conferiur-lhe uma série de privilégios, tais como a multiplicação de sua semente, a doação da terra, e sua própria presença em bênção e proteção, a fim de habilitá-lo para ser o canal de suas bênçãos para as nações (The Progresso f Redemption [Carlisle: Paternoster, 1995], 107, 129).

91 – Veja, por exemplo, Jack T. Sanders, The Jews in Luke Acts (Filadélfia: Fortress, 1987), 80-83, 297-299, 317.

92 – Van Gemeren, 158-159

93 – Para uma análise crítica sobre o ponto de vista de Sanders, veja James D.G Dunn, The Partings of the Ways (Londres: SCM Press/Philadelphia: Trintiny P. International, 1991). 149-151.

94 – Veja Gurney, 116-119

95 – Veja Dunn, 248-251

96 – Shea, ‘’Daniel and the Judgment,‘’ 372-373

97 – Em uma interessante passagem, Martinho Lutero descreve a conversão de Paulo como a ‘’vingança’’ de Estevão, porque Paulo deixou de ser o que era e se tornou o que o próprio Estevão era (Lecture on Psalm One Hundred Eighteen, Luther’s Works, Ed. Amer [Saint Louis: Concordia, 1955-1976], 11:412).

98 – G. B. Caird, The Apostalic Age (Londres: Gerald Duckworth, 1955), 86.

99 – Norman J. Bull, The Rise of the Church (Londres: Heinemann, 1967), 49-50.

100 – Filson descreve o movimento liderado por Estevão como ‘’quase uma revolução’’ na igreja cristã primitiva (52).

101 – Sou grato ao Dr. Richard M. Davidson por sua bondade em ler este documento, e por algumas sugestões proveitosas, embora a responsabilidade pelas conclusões a que chegamos seja do autor.


Visite-me no Fórum Adventista:

http://adventista.forumbrasil.net/

Eduardo
‎Moderador Adventista
‎Moderador Adventista

Número de Mensagens : 8396
Idade : 40
flag : Brasil
Data de inscrição : 17/10/2008

http://adventista.forumbrasil.net/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AS SETENTA SEMANAS DE DANIEL

Mensagem por David de Oliveira em Dom 23 Maio 2010, 11:05 am

Respeitem o tema do tópico e evitem debates de assuntos já presentes em outras seções:

1- Não será permitido:

i. Posts que não se enquadram no tópico escolhido;
s. Editar mensagens que já foram, anteriormente editadas ou moderadas pelos moderadores ou administradores.

Moderado por Eduardo.


 Jucá: “Conversei ontem com alguns ministros do Supremo (Tribunal), os caras dizem: Ooh! Só tem condições sem ela (Dilma), enquanto ela (Dilma) estiver ali, a Imprensa, os caras querem tirar ela, esse negócio não vai parar nunca entendeu estou conversando com os generais, comandantes militares está tudo tranqüilo, os caras dizem que vão garantir...” .

David de Oliveira
‎moderador
‎moderador

Número de Mensagens : 8182
flag : Brasil
Data de inscrição : 28/08/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AS SETENTA SEMANAS DE DANIEL

Mensagem por Khwey em Dom 23 Maio 2010, 11:40 am

David de Oliveira escreveu:Dessa vez a tela de meu computador ficou cheia! O Toin estrapalou!
Desta vez???

Só desta vez???


Toda vez que eu vejo isto eu fico pensando e estou curioso. Será que alguém se dá ao trabalho de ler estes posts???

E quanto ao cérebro de quem insiste em debater
(debate???) desta forma?

O que pensa quando assim procede???

Eu estou curioso!!!

Khwey
administrador
administrador

Número de Mensagens : 16974
flag : Brasil
Data de inscrição : 17/08/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AS SETENTA SEMANAS DE DANIEL

Mensagem por Eduardo em Dom 23 Maio 2010, 1:44 pm

Por favor, não desviem o assunto do tópico e não pronunciem julgamento particular sobre qualquer um dos debatedores, voltemos ao tema proposto.

O artigo "Estevão, Israel e a Igreja" do PHD Wilson Paroschi é excelente, mas se não quiserem ler sintam-se a vontade e simplesmente o ignorem. Para os espectadores interessados exponho abaixo o resumo:
O presente artigo1 investiga as razões que indicam o apredejamento de Estevão, no ano 34 da era cristã, como o evento que encerra a profecia das ‘’setenta semanas’’ de Daniel 9:24-27. O autor parte de um importante material produzido sobre o assunto por William H. Shea, na década de 1980, desenvolvendo e ampliando a argumentação ali presente. O artigo primeiramente reconstrói os ambientes histórico e teológico de Estevão e o papel que ele desempenhou na vida da igreja apostólica. Em seguida, analisa o significado profético de seu discurso e sua visão no contexto da teocracia israelita, bem como seus resultados no relacionamento final entre Deus e a nação judaica.


Visite-me no Fórum Adventista:

http://adventista.forumbrasil.net/

Eduardo
‎Moderador Adventista
‎Moderador Adventista

Número de Mensagens : 8396
Idade : 40
flag : Brasil
Data de inscrição : 17/10/2008

http://adventista.forumbrasil.net/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AS SETENTA SEMANAS DE DANIEL

Mensagem por Khwey em Dom 23 Maio 2010, 2:06 pm

Assunto do tópico, a ser debatido, discutido, comentado, etc.
Sete escreveu:
Alguém pode me ajudar a entender.

Como os judeus analisam as
setenta semanas de Daniel, Dn 9:25-27, desculpe-me mais tenho imensa
curiosidade em saber, haja visto ela tem data para iniciar e
consequentemente data para terminar.
Quem eram os magos que
visitaram Jesus? de onde e de quem descendiam? e como sabiam que Jesus
"ou o messias" deveriam nascer naqueles dias?
Quando Herodes perguntou onde deveria nascer o messias os sacerdotes foram prontos em dizer em Belém, porque?

Khwey
administrador
administrador

Número de Mensagens : 16974
flag : Brasil
Data de inscrição : 17/08/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AS SETENTA SEMANAS DE DANIEL

Mensagem por Eduardo em Dom 23 Maio 2010, 7:55 pm

Khwey escreveu:Assunto do tópico, a ser debatido, discutido, comentado, etc.
Sete escreveu:
Alguém pode me ajudar a entender.

Como os judeus analisam as
setenta semanas de Daniel, Dn 9:25-27, desculpe-me mais tenho imensa
curiosidade em saber, haja visto ela tem data para iniciar e
consequentemente data para terminar.
Quem eram os magos que
visitaram Jesus? de onde e de quem descendiam? e como sabiam que Jesus
"ou o messias" deveriam nascer naqueles dias?
Quando Herodes perguntou onde deveria nascer o messias os sacerdotes foram prontos em dizer em Belém, porque?
Exatamente, Khwey. Este tópico não é lugar para se debater sobre a LEI.

O tema aqui é "AS SETENTA SEMANAS DE DANIEL".


Visite-me no Fórum Adventista:

http://adventista.forumbrasil.net/

Eduardo
‎Moderador Adventista
‎Moderador Adventista

Número de Mensagens : 8396
Idade : 40
flag : Brasil
Data de inscrição : 17/10/2008

http://adventista.forumbrasil.net/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AS SETENTA SEMANAS DE DANIEL

Mensagem por famado em Seg 24 Maio 2010, 2:28 pm

Qualquer interpretação das 70 semanas que destaca a última semana das 69 primeiras é sem sentido. O pré-milenismo coloca a última semana no reinado do anti-cristo num futuro que ninguém sabe quando será. Colocá-la na morte de Cristo tb é meio sem sentido. A contagem contínua, a partir do cativeiro, dá na vitória de Judas Macabeu sobre os seléucidas e a conseqüente independência de Israel por 100 anos. Trata-se do período Asmoneu.

famado
Sirius
Sirius

Número de Mensagens : 3373
Idade : 48
flag : Brasil
Data de inscrição : 26/02/2009

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AS SETENTA SEMANAS DE DANIEL

Mensagem por Conteúdo patrocinado Hoje à(s) 8:53 pm


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 2 de 6 Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum