.....................................................
Que bom que você entrou Convidado
Últimos assuntos
Quem está conectado
23 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 23 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 2364 em Seg 19 Dez 2011, 5:49 pm
Consulta Bíblica
Ex: fé - Ex: Gn 1:1-10

TIME: O legado sombrio de Darwin

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

TIME: O legado sombrio de Darwin

Mensagem por Eduardo em Qui 26 Nov 2009, 7:46 pm

O legado sombrio de Darwin


NOTA CAUSTICANTE DESTE BLOGGER:

Eu já estava de saco cheio! mas até que enfim uma revista importante como a TIME saí da trilha nauseabunda da louvaminhice, de beija-mão e beija-pé dos 200 anos de Darwin e 150 anos do Origem das Espécies, do culto de personalidade e idolatria secularista, e escreve algo crítico sobre o homem que teve a maior ideia que a humanidade já teve.

Parabéns TIME pela coragem de romper com a subserviência acapachante da Grande Mídia, oops Mainstream media é mais chique. Très chic, chérie!!!

+++++


An 1869 portrait of British naturalist Charles Darwin
Bettmann / Corbis
The Dark Side of Darwin's Legacy
By EBEN HARRELL Tuesday, Nov. 24, 2009
An 1869 portrait of British naturalist Charles Darwin
Bettmann / Corbis

This year marks the 200th anniversary of the birth of Charles Darwin, and Nov. 24 marks the 150th anniversary of the publication of On the Origin of Species, the landmark work in which Darwin laid forth his theory of natural selection. While celebrations have emphasized the British naturalist's giant role in the advancement of human progress, British political journalist Dennis Sewell is not convinced. In a new book, The Political Gene: How Darwin's Ideas Changed Politics, he highlights how often — and how easily — Darwin's big idea has been harnessed for sinister political ends. According to Sewell, evolution is scientifically undeniable, but its contribution to human well-being is unclear.

Should we reassess Darwin's legacy?

Bicentennial celebrations have portrayed Darwin as a kindly old gentleman pottering around an English house and garden. What that misses is the way his ideas were abused in the 20th century and the way in which Darwin was wrong about certain key issues. He asserted that different races of mankind had traveled different distances along the evolutionary path — white Caucasians were at the top of the racial hierarchy, while black and brown people ranked below. [Racism] was a widespread prejudice in British society at the time, but he presented racial hierarchy as a matter of science. He also held that the poor were genetically second-rate — which inspired eugenics.

(See a photo-essay on Darwin.)

In your research, you found vestiges of this warped way of thinking in an unexpectedly modern setting: school shootings.

Pekka-Eric Auvinen, a Finnish schoolboy who murdered eight people at his high school in November 2007, wrote on his blog that "stupid, weak-minded people are reproducing ... faster than the intelligent, strong-minded" ones. Auvinen thought through the philosophical implications of Darwin's work and came to the conclusion that human life is like every other type of animal life: it has no extraordinary value. The Columbine killers made similar arguments. One of the shooters, Eric Harris, wore a "Natural Selection" shirt on the day of the massacre. These are examples of how easily Darwin's writings can lead to very disturbed ways of thinking.

You believe that Darwin should continue to be taught in schools. But how can we teach Darwin and also teach that humans are somehow exceptional in the natural world?
Wasn't his great breakthrough to show that humans, like all animals, share a common origin?


I think we have to decide what status we are going to give to the human race. Most of the world's religions hold that human life is sacred and special in some way. In teaching our common descent with animals, we also have to examine what is special about human beings, and why they deserve to be treated differently and granted certain rights.

Are you concerned that your ideas will be trumpeted by the creationist movement?

Science is a big enough interest group. It can look after itself.

(Read "The Ever Evolving Theories of Darwin.")

We understand now that eugenics was an illegitimate science, so why even worry about it today?

The thinking behind eugenics is still present. Many senior geneticists point to a genetically engineered future. As the technology for this falls into place, there has also been an explosion of the field of evolutionary psychology that tries to describe every element of human behavior as genetically determined. What we will begin to see is scientists arguing for the use of genetics to breed out certain behavioral traits from humanity.

Is it that you oppose artificial selection in principle, or that you feel scientists are still too far away from a full understanding of genetics to be making such decisions?

Who is going to make the value judgment of what is human enhancement and what makes a human better? I don't feel comfortable with such judgments being left to scientists.

All things considered, do you believe Darwin was a great luminary in the path of human progress?

What has the theory of evolution done for the practical benefit of humanity? It's helped our understanding of ourselves, yet compared to, say, the discovery of penicillin or the invention of the World Wide Web, I wonder why Darwin occupies this position at the pinnacle of esteem. I can only imagine he has been put there by a vast public relations exercise.

+++++

Source/Fonte.


Visite-me no Fórum Adventista:

http://adventista.forumbrasil.net/

Eduardo
‎Moderador Adventista
‎Moderador Adventista

Número de Mensagens : 8396
Idade : 40
flag : Brasil
Data de inscrição : 17/10/2008

http://adventista.forumbrasil.net/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: TIME: O legado sombrio de Darwin

Mensagem por Eduardo em Ter 09 Fev 2010, 11:49 pm

Darwin Nú!!!


Um artigo de tirar o fôlego, escrito por Nildo Viana, onde o autor afirma que Darwin foi sim, um racista, sexista; que sua teoria da evolução não era a única, mas que ela foi a teoria aceita na época, pelo fato de Darwin ser um burguês com grande influência entre os poderosos, enquanto seus amigos, eram pobretões místicos, que não podiam competir com ele. Você vai saber como a economia foi aplicada às ciências naturais, transformando-se na Teoria da Evolução segundo Darwin.

Para baixar o artigo, é só clicar aqui.

Boa Leitura a todos!

Leia também:

T.E = Teoria da Evolução ou Teoria Econômica?

Darwin: Herói ou Fraude?


"O Darwinismo Deve Morrer"


Darwin - O Herói Científico Ou o Homem Que Roubou a Teoria da Evolução De Seu Próprio "Colega"?




Visite-me no Fórum Adventista:

http://adventista.forumbrasil.net/

Eduardo
‎Moderador Adventista
‎Moderador Adventista

Número de Mensagens : 8396
Idade : 40
flag : Brasil
Data de inscrição : 17/10/2008

http://adventista.forumbrasil.net/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: TIME: O legado sombrio de Darwin

Mensagem por dedo-duro em Qua 10 Fev 2010, 8:56 pm

Qualquer pessoa com um pouquinho de interesse na evolução, sabe que Darwin foi influencieado por Malthus.

Independente disso, ninguém desmentiu os princípios básicos da evolução. A variação genética decorre da seleção natural do mais apto. Defender a inexistência de variação genética é desatino, e pregar contra a sobrevivência do mais apto é absurdo, isto é, não se pode falar o contrário, a sobrevivência do menos apto, pois em algumas gerações viraríamos uma possa de lama.

dedo-duro
Pollux
Pollux

Número de Mensagens : 4236
flag : Brasil
Data de inscrição : 19/08/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: TIME: O legado sombrio de Darwin

Mensagem por Fabris em Qua 10 Fev 2010, 9:42 pm

Eduardo escreveu:Já houve demonstração séria que variação genética e seleção natural do mais apto tenha gerado uma nova espécie(segundo a definição biblica de espécie) ?
E qual é a definição bíblica de espécie?
Quais são as definições bíblicas de gênero, classem família, filo...

Desde quando a bíblia fornece definições científicas?


"Amigo, me gustas mucho, pero tu madre me gusta más" (Hino nacional de Marisales)

Fabris
Esmeralda
Esmeralda

Número de Mensagens : 780
Idade : 63
Localização : Laguna - Santa Catarina
flag : Brasil
Data de inscrição : 25/09/2009

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: TIME: O legado sombrio de Darwin

Mensagem por Eduardo em Qua 10 Fev 2010, 9:45 pm

PODEM OS CRIACIONISTAS ACEITAR A ORIGEM DE NOVAS ESPÉCIES?
Marcia Oliveira de Paula, Ph.D.
INTRODUÇÃO

No capítulo 1 do livro de Gênesis é descrita a criação de todos os seres vivos por Deus. Todos ele foram criados "segundo sua espécie". No início do século dezenove, a maioria dos acadêmicos aceitava o relato de Gênesis bastante literalmente. Muitos, mesmo, parece que iam além da declaração literal, e afirmavam que as expressões encontradas em Gênesis 1 "segundo a sua espécie" significavam que nenhuma variação poderia ocorrer dentro das espécies básicas. Realmente, a Bíblia não fala em lugar algum de "nenhuma variação". Este ensino relativo a nenhuma variação tem sido chamado de Doutrina da Fixidez Extrema.

Darwin aparentemente iniciou sua viagem ao redor do mundo crendo que "a ausência de variação" constituía a verdade ensinada no livro de Gênesis. Porém, as sua observações, que revelaram muitas variações dentro das espécies, puseram-no em confronto direto com o que entendia ser a doutrina das origens expressa em Gênesis. Infelizmente, parece que Darwin não estudou por si mesmo, com o devido cuidado, o livro de Gênesis. Acreditava que seus mestres haviam interpretado Gênesis corretamente, e que a sua descoberta das variações tinha mostrado que o relato de Gênesis não poderia ser aceito. Tragicamente chegou à conclusão, como muitos desde então, que havia refutado o livro de Gênesis, quando na realidade o que fez foi refutar uma de sua interpretações extremadas. Quem ler Gênesis por si próprio nada encontrará dito a respeito de ausência de variações. Descobrirá, sim, que os tipos básicos foram criados conforme suas espécies.

Então, será que o criacionista pode aceitar a origem de novas espécies? Alguns criacionistas fixistas acreditam que Deus criou todas as espécies que existem atualmente. Mas esse conceito resulta de uma má compreensão do termo "segundo a sua espécie" do livro de Gênesis.

O que são espécies? Segundo Mayr (1963) "As espécies são grupos naturais de populações ativa ou potencialmente entrecruzantes e reprodutivamente isolados de todos os outros grupos similares." Esta definição não se aplica, entretanto, a todos os seres vivos. Certos organismos se reproduzem primária ou exclusivamente por via assexual, o que torna inviável o teste do entrecruzamento; e, algumas vezes, membros de diferentes espécies podem entrecruzar-se com êxito.

Wolfe (1977) fornece uma definição de espécie um pouco mais aberta: "A espécie é um grupo de organismos que se assemelham entre si mais do que os organismos de um outro grupo qualquer e que se distinguem dos integrantes de qualquer outro ao menos por uma característica bem definida. Idealmente, os membros de uma espécie entrecruzam-se exclusivamente entre si para produzir descendentes férteis."

As espécies de animais são consideradas grupos naturais de populações que se cruzam efetivamente ou potencialmente, mas as outras categorias da hierarquia taxonômica são arbitrárias e estabelecidas pelo homem. Elas pretendem refletir níveis diferentes de parentesco entre os animais, baseados na evolução. Duas ou mais espécies com certos caracteres em comum formam um gênero. Por sua vez, gêneros tendo caracteres comuns constituem uma família, as famílias são combinadas em ordens, as ordens em classes e as classes em filos. Todos os filos juntos constituem um reino.

Quais teriam sido então os tipos básicos criados por Deus? Espécies, gêneros ou famílias? Seria bastante difícil chegar a uma conclusão com os dados que temos, mesmo porque a classificação é artificial, e, acima de espécie, não há critérios definidos. Mas é certo que nem todas as espécies que existem foram criadas por Deus: muitas delas, e provavelmente alguns gêneros também, surgiram por modificação dos tipos básicos originais. Veremos a seguir alguns exemplos.

EXEMPLOS DE ESPECIAÇÃO

Existem vários exemplos atuais de surgimento de novas espécies que foram documentados. No Havaí, existem diversas espécies de mariposas do gênero Hedylepta que se alimentam exclusivamente de bananeiras. Todas as outras espécies havaianas desse gênero se alimentam de gramíneas, palmeiras ou leguminosas. O fato notável neste caso é que as bananeiras foram introduzidas nas ilhas do Havaí pelos polinésios há apenas mil anos atrás. Aparentemente o gênero Hedylepta sofreu eventos múltiplos de especiação durante este breve período de tempo, que originaram espécies que só se alimentavam das bananeiras recém-introduzidas no Havaí. Cada espécie de mariposa que se alimenta de bananeiras está confinada às florestas de montanhas de apenas uma ou duas ilhas. É compreensível esta distribuição das espécies em questão: elas ainda não tiveram tempo de se espalharem para muito longe de seus locais de origem.

Outro exemplo que pode ser mencionado ocorreu na Uganda. O lago Nabugabo é um pequeno corpo de água doce desse país, e fica situado às margens do lago Vitória. Evidências geológicas indicam que o lago Nabugabo foi formado a partir do lago Vitória, pelo crescimento de um banco de areia através de uma pequena enseada na margem deste lago. A datação com radiocarbono indica que a separação ocorreu há aproximadamente quatro mil anos atrás. Um fato extraordinário ocorre no lago Nabugabo: ele abriga quatro espécies de peixes da família dos ciclídeos que não são conhecidas em nenhum outro lugar, inclusive no lago Vitória, mas cada uma destas espécies se assemelha a uma espécie do lago ancestral. As espécies do lago Nabugabo diferem das espécies parentais óbvias do lago maior na coloração dos machos e em outras características menores. O padrão de coloração do macho é uma importante característica na identificação das espécies, servindo como um sinal de reconhecimento para o acasalamento. As pequenas populações das espécies parentais do lago Vitória foram aparentemente isoladas quando o banco de areia transformou o Nabugabo em um lago separado, e desde então elas vieram a se tornar novas espécies.

Especiação por poliploidia

Um mecanismo que pode levar à especiação rápida é a poliploidia. Um indivíduo poliplóide é aquele que apresenta um número múltiplo exato do genoma característico da espécie. Os poliplóides são designados triplóides (3n), tetraplóides (4n), pentaplóides (5n) etc., conforme tenham três, quatro, cinco ou mais genomas. Os poliplóides podem se originar de duas maneiras principais:

a) por divisão mitótica incompleta, havendo duplicação do número de cromossomos dentro da própria espécie ou pela união de dois gametas não reduzidos (autopoliplidia)

b) por hibridização interespecífica, seguida por divisão mitótica incompleta (alopoliploidia)

O geneticista russo Karpechenko foi o primeiro a conseguir obter uma espécie nova em laboratório usando a alopoliploidia. Ele cruzou rabanete, Raphanus (2n =18), com couve, Brassica (2n = 18), desejando obter descendentes com raiz de rabanete e folhas de couve. Para sua decepção, o que conseguiu foram plantas com raiz de couve e folha de rabanete. O híbrido obtido era estéril, pois seus 18 cromossomos não se pareavam na meiose, sendo por isso distribuídos irregularmente nos gametas. A duplicação do número de cromossomos nos híbridos produziu plantas tetraplóides que se mostravam férteis, pois nelas 9 cromossomos da couve pareavam com 9 da couve, e 9 do rabanete com 9 do rabanete. Este tetraplóide recebeu o nome de Raphanobrassica e mostrou-se uma nova espécie, geneticamente isolada, tanto da couve como do rabanete, infelizmente sem as qualidades apreciadas daquelas plantas.

Os alopoliplóides, sendo geneticamente isolados dos tipos parentais, constituem novas espécies, nas quais estão combinadas muitas das características de seus ancestrais.

Novas espécies alopoliplóides podem também ser formadas na natureza. Um dos poliplóides mais bem conhecido é uma gramínea de brejo salgado do gênero Spartina. Uma espécie nativa deste gênero, S. maritima, ocorre em brejos ao longo da costa da Europa e da África. Uma segunda espécie, S. alterniflora, do leste da América do Norte, foi acidentalmente introduzida na Grã-Bretanha por volta do ano de 1800 e desenvolveu-se formando grandes colônias locais. A espécie nativa S. maritima possui estatura baixa, mas S. alterniflora é muito mais alta, alcançando freqüentemente 0,5 metro de altura e, ocasionalmente, um metro. Nas proximidades do porto em Southampton, tanto a espécie nativa quanto a introduzida existiram lado a lado , e, em 1870, coletou-se um híbrido estéril, que se reproduzia por rizomas. S. maritima possui um número somático de cromossomos (2n) de 60 e S. alterniflora, 62; o híbrido, devido a alguma divisão meiótica errada, possui também 62 cromossomos somáticos. Este híbrido estéril, que foi denominado S. townsendii persiste até hoje. Por volta de 1890, um vigoroso poliplóide fértil originou-se naturalmente deste híbrido espalhando-se rapidamente por todo o litoral da Grã-Bretanha e noroeste da França. Este poliplóide, S. anglica, com 122 cromossomos, surgiu devido à duplicação dos cromossomos do híbrido. S. anglica é freqüentemente plantado para ligar o lodo dos brejos e tal uso contribuiu para sua rápida disseminação. Na atualidade, está substituindo ambas as espécies parentais.

O PROCESSO DE ESPECIAÇÃO

O material genético de uma população, interagindo com o meio e submetido às forças da mutação, seleção natural, deriva genética e migração, pode levar ao aparecimento de divergência dentro dessa população. Diferenças substanciais podem ocorrer entre dois grupos de uma dada população, a ponto de se poder identificá-los como entidades distintas. Essas diferenças freqüentemente estão associadas à existência de regiões ecologicamente distintas, fato que leva esses grupos a se adaptarem de maneira peculiar. Caracteres de alto valor adaptativo em uma região podem se comportar de maneira diferente em outras. As constituições genéticas de dois ou mais setores de uma populaçãosão passíveis de diversificação, por estarem submetidos a pressões seletivas distintas. Se do cruzamento entre membros de dois grupos resultar descendência fértil, admite-se que esses dois grupos constituam raças. As raças são definidas como populações da mesma espécie, que diferem nas freqüências relativas de genes ou de formas cromossômicas.

Se os mecanismos de isolamento tornarem-se cada vez mais eficientes e o fluxo gênico (intercâmbio gênico através da reprodução) entre as raças for cada vez menor, elas tenderão a divergir até o ponto em que a reprodução entre elas se torne impossível. Quando isto ocorrer, o processo de diversificação tornar-se-á irreversível, não haverá mais troca de genes entre os dois grupos e estes poderão, agora, ser considerados duas espécies distintas (Ver Figura 1).

Este processo de especiação descrito por Stebbins pode ser perfeitamente aceito pelos criacionistas.

O tempo requerido para a formação de uma nova espécie por este processo seria, segundo alguns evolucionistas, em média um milhão de anos. Porém, vários outros cientistas admitem que este processo possa ser muito mais rápido, sendo possível em centenas ou milhares de anos (ver exemplos acima).

Segundo Gibson, o dilúvio e as condições originadas após o seu término teriam fornecido condições muito favoráveis para uma rápida especiação. A maioria dos organismos foi destruída por esta catástrofe, deixando pequenas populações de sobreviventes . Os vertebrados terrestres foram preservados na arca em pequenos números. Após eles serem liberados da arca, eles teriam encontrado recursos quase ilimitados disponíveis, tornando possíveis rápidos aumentos no tamanho das populações, juntamente com níveis reduzidos de competição. Haveria um grande número de nichos ecológicos desocupados, aos quais os organismos poderiam se adaptar. As condições ambientais da terra estariam instáveis, e processos geológicos como os vulcões, terremotos, e mudanças no nível do mar afetariam o clima, criariam e removeriam barreiras para a dispersão e produziriam muitas catástrofes localizadas que tenderiam a isolar populações de espécies em dispersão.

Aquelas espécies que foram preservadas fora da arca também estariam sujeitas a condições favoráveis para especiação. Organismos aquáticos poderiam ser transportados por correntes, possivelmente resultando na dispersão de pequenos grupos de sobreviventes para muitos lugares isolados com diferentes condições ambientais. O mesmo poderia acontecer com grupos terrestre tais como insetos, vermes e outros invertebrados. Plantas e sementes poderiam também ser levadas pelas águas e dispersas por correntes. Estas condições provavelmente resultariam em especiação rápida em muitos grupos de organismos.

1o estágio

Uma única população em um ambiente homogêneo.

2o estágio

Diferenciação do ambiente e migração para novos ambientes produzem diferenciação.

3o estágio

Modificações posteriores e migrações conduzem ao isolamento geográfico de algumas raças e subespécies.

4o estágio

Algumas dessas subespécies isoladas se diferenciam no tocante a modificações gênicas e cromossômicas que controlam mecanismos de isolamento

5o estágio

Modificações no ambiente permitem que populações geograficamente isoladas coexistam novamente na mesma região. Elas agora permanecem distintas por causa das barreiras de isolamento reprodutivo que as separam e podem ser reconhecidas como espécies distintas.

Fig. 1 - Diagrama mostrando a seqüência de acontecimentos que leva à diferenciação de raças, subespécies e espécies, tendo como ponto de partida um grupo homogêneo de populações (segundo Stebbins, 1974).

CONCLUSÃO

Mudança nas espécies através dos tempos são irrefutáveis. Porém, essas mudanças são limitadas. A possibilidade de mudanças nas espécies não deveria surpreender os criacionistas. A má compreensão do termo "segundo sua espécie" no livro de Gênesis levou alguns a pensarem que os animais não podem mudar de maneira significativa. Porém uma leitura cuidadosa mostra que o texto está afirmando que Deus criou muitos tipos de organismos em um dia de criação. O termo não diz nada sobre se eles podem ou não mudar. Ao contrário, o livro de Gênesis claramente afirma que mudanças iriam acontecer (Gênesis 3: 14, 18). Parece então lógico aceitar o conceito de que Deus criou os "tipos" básicos de organismos, originando a grande variedade de vida ao nosso redor, mas ocorreram mudanças morfológicas limitadas e formação de novas espécies e talvez gêneros. Estas mudanças podem ter acontecido em tempos relativamente curtos, após a criação.

BIBLIOGRAFIA

BRAND, L. R. & GIBSON, J. An interventionist theory of natural selection and biological change within limits. Origins, 2: 60 - 82, 1993.

CARVALHO, H.C. Fundamentos de Genética e Evolução. 3a ed. Rio de Janeiro, Livraria Atheneu, 1987. 556 p.

GARDNER, E. J., SIMMONS, M. J. & SNUSTAD, D. P. Principles of Genetics. 8a ed. New York, John Wiley & Sons, 1991. 649 p.

GIBSON, L. J. Are there limits to change in species? Geoscience Research Institute

MARSH, F. L. Variação e fixidez entre os seres vivos - um novo princípio biológico. Folha Criacionista, 21: 17 - 24, 1979.

MAYR, E. Animal species and evolution. Cambridge, Mass., Belknap Press, Harvard Univers. Press, 1963. 797 p.

MORRIS, H. M. O enigma das origens: a resposta. Belo Horizonte, Editora Origens, 1995. 265 p.

RAVEN, P. H., EVERT, R. F. & CURTIS, H. Biologia vegetal. 2a ed. Rio de Janeiro, Editora Guanabara, 1978. 724 p.

STANLEY, S. M. The new evolutionary timetable. Fossils, genes and the origin of new species. New York, Basic Books Inc. Publishers, 1981.

STEBBINS, G. L. Processos de evolução orgânica. São Paulo, Editora da Universidade de São Paulo, 1970. 255 p.

WEBSTER, C. L. A perspectiva de um cientista sobre a criação e o dilúvio. São Paulo, Editora Universitária Adventista, 1999. 31 p.

WOLFE, S. L. Biology: the foundations. Belmont, Califórnia, Wadsworth Publishing Company, 1977. 460 p.


Visite-me no Fórum Adventista:

http://adventista.forumbrasil.net/

Eduardo
‎Moderador Adventista
‎Moderador Adventista

Número de Mensagens : 8396
Idade : 40
flag : Brasil
Data de inscrição : 17/10/2008

http://adventista.forumbrasil.net/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: TIME: O legado sombrio de Darwin

Mensagem por Fabris em Qua 10 Fev 2010, 9:49 pm

Pergunte pra Marcia do que se tratou a tese de mestrado que ela apresentou na USP...

A pergunta está feita e não respondida: qual é a definição bíblica de espécie. Peço a gentileza de apontar o versículo!


"Amigo, me gustas mucho, pero tu madre me gusta más" (Hino nacional de Marisales)

Fabris
Esmeralda
Esmeralda

Número de Mensagens : 780
Idade : 63
Localização : Laguna - Santa Catarina
flag : Brasil
Data de inscrição : 25/09/2009

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: TIME: O legado sombrio de Darwin

Mensagem por Eduardo em Qua 10 Fev 2010, 9:50 pm

Está no artigo acima.


Visite-me no Fórum Adventista:

http://adventista.forumbrasil.net/

Eduardo
‎Moderador Adventista
‎Moderador Adventista

Número de Mensagens : 8396
Idade : 40
flag : Brasil
Data de inscrição : 17/10/2008

http://adventista.forumbrasil.net/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: TIME: O legado sombrio de Darwin

Mensagem por Fabris em Qua 10 Fev 2010, 10:22 pm

Eduardo escreveu:Está no artigo acima.
Não! Não está!

Você, no post que apagou, pediu:

Já houve demonstração séria que variação genética e seleção natural do mais apto tenha gerado uma nova espécie(segundo a definição biblica de espécie) ?

Ora! Está claro que você deve conhecer alguma definição clara do que seria espécie, de acordo com a bíblia (nem a Márcia concorda com isso)

Você colocou uma limitante. Ppor favor, explique-a, já que nem a Marcia, nesse tolo artigo que é a base da pseudociência da baraminologia, consegeu definir coisa alguma.

Aliás, se formos seguir a bíblia, morcegos são pássaros, insetos têm quatro patas e coelhos ruminam.


"Amigo, me gustas mucho, pero tu madre me gusta más" (Hino nacional de Marisales)

Fabris
Esmeralda
Esmeralda

Número de Mensagens : 780
Idade : 63
Localização : Laguna - Santa Catarina
flag : Brasil
Data de inscrição : 25/09/2009

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: TIME: O legado sombrio de Darwin

Mensagem por Conteúdo patrocinado Hoje à(s) 6:52 am


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum