.....................................................
Que bom que você entrou Convidado
Quem está conectado
63 usuários online :: 2 usuários cadastrados, Nenhum Invisível e 61 Visitantes :: 2 Motores de busca

irmão, Khwey

O recorde de usuários online foi de 2364 em Seg 19 Dez 2011, 5:49 pm
Consulta Bíblica
Ex: fé - Ex: Gn 1:1-10

Tempos penosos

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Tempos penosos

Mensagem por Luiz Carlos de Almeida em Dom 29 Mar 2009, 9:46 pm

“Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos. Porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos, Sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons, Traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus, Tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te. Porque deste número são os que se introduzem pelas casas, e levam cativas mulheres néscias carregadas de pecados, levadas de várias concupiscências; Que aprendem sempre, e nunca podem chegar ao conhecimento da verdade.” (2 Timóteo 3:1-7)

Hoje em dia, mesmo nos países onde o evangelho não é motivo de perseguição, é possível afirmarmos seguramente que nunca foi tão difícil servir a Deus. Mesmo o evangelho tendo se difundido e alcançado lugares outrora isolados do conhecimento cristão, vivemos num tempo onde os ataques à igreja deixaram de ser exclusivamente provenientes do mundo exterior. Muitas das maiores dificuldades enfrentadas pela igreja do nosso tempo têm brotado dentro dela. Como a igreja de Laodicéia (Apocalipse 3:18), muitas igrejas brasileiras que perderam suas vestes de pureza, vem sendo expostas à vergonha nos meios de comunicação, com seus líderes presos, envolvidos em crimes de lavagem de dinheiro, extorsão e diversos outros. A igreja de Cristo nunca foi tão desrespeitada moralmente como na atualidade. Muito diferente dos tempos de nossos pais e avós, onde os cristãos eram reconhecidos de longe, como homens íntegros e honestos, hoje a maioria dos líderes cristãos não tem se importado com os seus testemunhos de vida.

Se isso não bastasse, o mundo também nunca apresentou tantos impecilhos para se servir à Deus como agora. Feiras, parques e shoppings são alguns dos exemplos de programas tem se tornado, para muitos, mais atrativos do que passar as horas do domingo na presença de Deus. A maioria dos cristãos é incapaz de reservar um único dia na igreja ou em atividades evangelísticas. Para muitos, falar em jejuns e vigílias chega a soar como fanatismo. Vivemos num tempo onde tudo é relativizado, negociado, passível de se dar um jeito. Damos um jeito de sermos aprovados na escola ou faculdade, um jeitinho no trabalho para ganharmos um pouco mais e achamos que é possível também dar um jeitinho para servir à Deus da nossa maneira, como se isso fosse possível. Se aparece algum programa com amigos no domingo, nem pensamos duas vezes antes de faltarmos o culto, afinal “Deus entende”. Para muitos, a igreja virou um mero local de entretenimento. Deixa então de ser prioridade envolver-se nos trabalhos e achamos suficiente ficar sentados nos bancos, conferindo minuto a minuto o horário no relógio o tempo para acabar o culto. E assim, achamos que estamos servindo a Deus e fazendo Sua vontade.

Há ainda um outro problema que confunde muita gente: a diversidade de crenças e doutrinas nas igrejas. Se fôssemos contar a quantidade de diferentes denominações de igrejas espalhada pelo Brasil, chegaríamos a vários milhares. Muitas se orgulham quanto mais afastam ou diferem em sua doutrina da de outras igrejas. Há igrejas onde mulher pode pregar, outras não. Igrejas onde a mulher pode cortar o cabelo, outras não. Igrejas em células, outras não. Igreja que se divide em grupos de 12, outras não. Igrejas que pregam somente a Bíblia, outras que criam suas próprias tradições. Enfim, a diversidade de práticas e de prioridades que cada igreja dá em seus cultos, faz com que as igrejas “construam” um verdadeiro mercado, fazendo da fé um verdadeiro negócio (2 Pedro 2:3). Ganha o “leilão da fé” e aumenta mais o número de seus fiéis aquela igreja que oferecer o que o “cliente” quer, a que defender as doutrinas que ele achar mais interessante ou que pregar o que ele quer ouvir. Nesse “mercado”, a igreja como um todo perde a credibilidade, pois o apóstolo Paulo recomendou que as igrejas pregassem a mesma coisa, não evangelhos segmentados ou adaptados (1 Coríntios 1:10).

As próprias igrejas fazem uso muitas vezes de métodos de evangelismo de eficácia cada vez mais duvidosa. Promovem shows, festas temáticas – a exemplo das festas seculares – investem em publicidade e em um novo tipo de entretenimento: o “entretenimento gospel”. Dizem que tudo no mundo é errado, proibido. Mas as mesmas coisas que os líderes combatem, eles mesmos procuram “cristianizar”. Freqüentar uma festa trance ou uma boite são condenáveis, mas se permite freqüentar esses mesmos lugares se eles forem, pelo menos no nome, gospel. Com a desculpa de atrair os que estão no mundo, muitos líderes cristãos promovem a “cristianização” de eventos seculares mas ao mesmo tempo promovendo tais eventos do mesmo jeito e com o mesmo ritmo de música usado no mundo, o que não diferencia um do outro (1 Tessalonicenses 5:22). Tudo isso ao final só traz confusão à cabeça daqueles que ainda não amadureceram no conhecimento do evangelho, o que gera cristãos mornos, sem compromisso, que seguem apenas movimentos, e que acabam deixando precocemente à igreja, por não verem algo de atrativo nas práticas da igreja, que a faça realmente parecer diferente do mundo (João 17:14).

Além disso, crescem os ataques do mundo ao evangelho de Cristo. Não é muito difícil você encontrar algum estudioso, filósofo, ou mesmo um filme ou um documentário que diga que o cristianismo é uma farsa, uma enganação, que Jesus Cristo é um mito, que religiões foram todas criadas para manipular as pessoas, que a justiça de Deus não existe e absurdos do gênero. É grande também a quantidade de pessoas que deixam de seguir o evangelho por buscarem uma adequação filosófica e científica na religião, ao invés de buscar o amor da verdade (2 Tessalonicenses 2:10).

O que aumenta ainda mais o descrédito das pessoas com o cristianismo é a crescente presença de evangélicos nos cargos políticos. Muitos se elegem contando exclusivamente com os votos de uma grande igreja, um novo tipo de “curral eleitoral”, quando líderes manipulam os votos de seus fiéis a candidatos que se comprometam a defender os direitos de sua denominação. Além de se criar um verdadeiro oxímoro com a Bíblia – cristãos se envolvendo com os negócios da corrupta política desse mundo (2 Timóteo 2:4) –, ou ainda, se dizendo pastores e ao mesmo tempo governantes (cometendo o mesmo erro de Saul), facilita também a desmoralização da igreja, já que a imprensa tem o trabalho de identificar quem são os políticos que se declaram evangélicos e a denominação a qual eles pertencem. E quando algum destes, inocente ou culpado, está direta ou indiretamente envolvido em alguma espécie de corrupção, eles são apontados e “rotulados” por sua religião, como se sua opção religiosa fosse mais importante na notícia do que seu próprio nome.

Some-se a isso a política do crescimento a todo custo das igrejas, presente em muitas igrejas. Muitas igrejas deixaram de perseguir objetivos espirituais para seguir tão somente objetivos numéricos. Querem “ganhar” um número X de novos fiéis, mas não se preocupam na consolidação deste, preferindo investir seu tempo em conquistar novos fiéis, o que gera um verdadeiro círculo de pessoas entrando na igreja dia após dia e outro sem número de pessoas saindo da igreja e voltando para as velhas práticas do mesmo jeito de antes, como se estivesse estado na igreja apenas de passagem, sem saber o porquê de ter estado ali. Além disso, a orientação à propósitos numéricos e a pouca preocupação com o ensino e edificação do corpo acabam gerando cristãos doentes, pobres em conhecimento, que muitas vezes nem sabem o que estão seguindo. É comum encontrarmos alguém que se diz cristão, que diz que isso ou aquilo é do diabo, que o que eles estão falando é a verdade, mas não sabem argumentar biblicamente o que eles dizem e seguem, sendo meros reprodutores das palavras que ouvem dos pregadores. Muitos são tão ignorantes em princípios básicos de fé quanto os que estão fora da igreja.

Uma das grandes causas desses fenômenos que tem acontecido na igreja tem sido também a mudança de prioridades. Em muitas igrejas, a pregação da sã doutrina foi suplantada há muito pela Teologia da Prosperidade. Milhões de cristãos cuja motivação ao irem para a igreja é usufruir de um Deus de bênçãos, que pode lhe fazer ser bem sucedido financeiro, como se o propósito de Deus para todos os seus filhos fosse esse. Essa troca de ensinos só tem cooperado para o enfraquecimento dos cristãos da igreja, que pouco amam a Deus e pouco trabalham na obra, pois o foco agora é ser próspero, numa noção arcaica e ultrapassada de que ser cristão e rico fosse um sinal de ser um “escolhido” e salvo por Deus. Esse mesmo tipo de pregação tem gerado crise nas chamadas práticas de “bom samaritano”, dentro da igreja. Os próprios cristãos, numa contradição existencial, passaram também a ser “amantes de si mesmos, avarentos, [..] sem amor para com os bons, [...] tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela.” Pouco são os que estão na igreja e tem iniciativa em ajudar um irmão necessitado. Nesse tipo cristianismo individualista que contaminou a muitos, fica difícil associar muitas igrejas de hoje à igreja primitiva, pois no nosso tempo, muitos se enganam ao achar que devem somente agradar a Deus, e que isso é possível sem servir o próximo (Romanos 15:2).

Em face disso, não restam dúvidas que o tempo da apostasia já está instalado em nosso tempo e o pecado tem tomado conta inclusive de muitas igrejas. E é por essas e outras que eu tenho absoluta certeza de que estamos muito perto do tempo em que Deus virá julgar este mundo e aqueles que dizem ser parte do Seu povo.

“Aconselho-te que de mim compres ouro provado no fogo, para que te enriqueças; e roupas brancas, para que te vistas, e não apareça a vergonha da tua nudez; e que unjas os teus olhos com colírio, para que vejas. Eu repreendo e castigo a todos quantos amo; sê pois zeloso, e arrepende-te. Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo.” (Apocalipse 3:18-20)


E as doze portas eram doze pérolas; cada uma das portas era uma pérola; e a praça da cidade de ouro puro, como vidro transparente. - Apo 21:21

Luiz Carlos de Almeida
Quartzo
Quartzo

Número de Mensagens : 98
flag : Brasil
Data de inscrição : 26/12/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Tempos penosos

Mensagem por gusto em Dom 09 Set 2012, 10:44 pm

Faço minhas as suas palavras.
positivinho

gusto
Antares
Antares

Número de Mensagens : 10550
Idade : 47
Localização : Ponta Grossa Pr
flag : Brasil
Data de inscrição : 12/08/2012

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum