.....................................................
Que bom que você entrou Convidado
Últimos assuntos
» Já existíamos antes de nascermos
Ontem à(s) 5:37 pm por Eterna

» Um conselho aos debatedores de internet
Ontem à(s) 4:18 pm por Eterna

» Eleição, a dor e a loucura do incrédulo.
Ontem à(s) 4:03 pm por Eterna

» Qual a verdadeira intenção dos organizadores das manifestações?
Ontem à(s) 3:33 pm por Cartman

» Noticiário Escatológico
Ontem à(s) 12:15 pm por Jarbas

»  Endurecimeto do Faraó
Ontem à(s) 4:14 am por Lit San Ares

» Livre arbítrio, auto idolatria
Ontem à(s) 3:39 am por Lit San Ares

» PREDESTINAÇÃO DE DEUS
Sab 03 Dez 2016, 10:10 pm por gusto

» Onde congregar?
Sab 03 Dez 2016, 10:01 pm por gusto

Quem está conectado
63 usuários online :: 1 usuário cadastrado, Nenhum Invisível e 62 Visitantes :: 2 Motores de busca

Khwey

O recorde de usuários online foi de 2364 em Seg 19 Dez 2011, 5:49 pm
Consulta Bíblica
Ex: fé - Ex: Gn 1:1-10

Neocrentes utilizam rock e gírias para dar roupa nova à fé

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Neocrentes utilizam rock e gírias para dar roupa nova à fé

Mensagem por EVANGELISTA/RJ/MSN em Dom 11 Jan 2009, 2:14 pm

COMO JOVENS PAULISTANOS PREGAM O EVANGELHO PARA ATRAIR MODERNOS, ROQUEIROS E ATÉ ATORES PORNÔ

Beatriz Toledo/Folha Imagem

Banda de rock abre culto do Projeto 242, igreja localizada no bairro da Liberdade

fé sob medida

por Maeli Prado e Rafael Balsemão


Na sala ampla, repleta de pinturas estilizadas de figuras religiosas nas paredes, os instrumentos de uma banda de rock estão a postos e um telão exibe slides que fazem referência ao papel de Jesus como revolucionário.

Nas pequenas mesas e sofás, alojam-se os fiéis: jovens tatuados que usam roupas modernas e prestam atenção a cada palavra proferida pelo representante comercial Hudson Parente, o pregador da noite, paramentado de calça jeans e tênis All Star.

Como tudo no Projeto 242, igreja localizada no número 900 da rua da Glória, na Liberdade, a pregação passa longe daquelas dos cultos de templos evangélicos tradicionais.

A começar pelo teor do sermão: "Vamos falar do X-Men de verdade. O 'X' é de Cristo, ele é o messias, ele é o que traz a revolução", prega Hudson, 37, apropriando-se de um personagem pop das histórias em quadrinhos para falar de Jesus.

Logo depois, Hudson faz mais uma ligação com a contemporaneidade ao pedir uma prece pelo presidente eleito dos Estados Unidos. "Vamos fazer uma oração para que Barack Obama possa ser iluminado. Deus, tenha misericórdia desse cara."

Criado há dez anos, o projeto marca a chegada a São Paulo da chamada igreja emergente, movimento que nasceu na Inglaterra, na última década. É uma vertente que congrega denominações que começaram a oferecer cultos alternativos para a juventude, unindo espiritualidade, cultura e vida em comunhão.

O próprio nome da igreja remete ao espírito de comunidade: é uma referência bíblica ao versículo 42 do capítulo 2 do livro dos Atos dos Apóstolos: "E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações". A divulgação da fé se dá por meio de sites, fotologs e blogs.

Os fiéis do 242 são jovens de classe média ou média alta, muitos deles profissionais de áreas ligadas à criatividade, como designers, publicitários e arquitetos. Acreditam nos valores mais estritos da moral cristã, como a virgindade.

Ao mesmo tempo, fazem parte de uma comunidade religiosa na qual não precisam mudar a linguagem, as roupas ou as preferências musicais para se assumirem como cristãos.

Praticam também a chamada "teologia da inclusão", levando o cristianismo aos "excluídos". "Jesus ama a todos", resume João Mossadihj, 25, o Jota, tatuagens nos braços, repetindo os dizeres dos 2.000 adesivos distribuídos na Parada Gay por ele e outros participantes do Sexxx Church, grupo criado para ajudar prostitutas e viciados em pornografia "a encontrarem Deus".

Realizam também um trabalho direcionado a evangélicos. O grupo faz palestras nas igrejas, uma vez que recebem pedidos de ajuda de "irmãos" viciados em pornografia.

O Sexxx Church não se classifica como mais uma igreja, embora use o termo em inglês no nome. Seus 30 missionários são de diversas denominações, todos com um perfil parecido com o de Jota, que entrou para o 242 há quatro anos.

Em outubro, o grupo fez jus à primeira parte do nome e foi visto na 13ª Erótika Fair de São Paulo. Lá, o Sexxx Church alugou um estande e exibiu camisetas com os dizeres "Jesus ama os atores pornô", com a figura impressa de um Cristo de óculos escuros e exibindo tatuagens no braço. "Um Jesus 'putão'", define Jota.

O linguajar sem cerimônias do rapaz certamente pode provocar arrepios em cristãos tradicionais. "Se os jovens desta igreja se reúnem, usam essa linguagem e se identificam, acho válido como fenômeno religioso", afirma o reverendo Luiz Alberto Barbosa, secretário-geral do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil. No entanto, ele pondera que os fins nem sempre justificam os meios. "A mensagem é válida, mas pode-se questionar se realmente está sendo transmitida."

É com um discurso mais contemporâneo e ousado que os emergentes querem aumentar o rebanho. "A igreja não tem que ser uma fortaleza. Deve caminhar junto com as pessoas", defende Jota. Ele acredita que, em geral, os desviados -termo usado pelos evangélicos para definir aqueles que se afastaram da igreja- foram separados de Deus pelas próprias denominações religiosas.

É justamente em busca de quem se "desviou" do cristianismo que iniciativas como o projeto Toque, uma ONG apoiada pelo 242, se aproxima de prostitutas, sem-tetos e crianças de rua na noite paulistana. "Vamos à região da Cracolândia, da Boca do Lixo e do largo do Arouche e abordamos travestis para conversar, fazer amizade", relata Fernanda Pinilha, 26. "Acreditamos que, só por estar com eles, resgatamos sua dignidade."

Plano divino
A integrante do projeto Toque resume a opinião dos fiéis das igrejas emergentes sobre o homossexualismo: "Acreditamos que não é o plano de Deus para o homem, mas não podemos excluir, julgar".

Adriano Lima, 26, tatuagens que cobrem os seus dois braços, também é missionário em tempo integral do Toque. "O conceito de viver a vida em comunidade é bíblico. É um estilo de vida que deveria ser praticado pelos cristãos", diz ele, que se prepara para cursar filosofia.

Na igreja do Projeto 242, triângulos pretos de tecido fazem as vezes de cortina nas janelas, lembrando espaços de eventos culturais -na pintura da parede, sobressai uma figura que representa a "noiva de Cristo", ou seja, a própria igreja.

No lugar dos tradicionais bancos de madeira estão sofás ou pequenas mesas com espaço para no máximo quatro cadeiras, com velas e salgadinhos para facilitar a interação entre os fiéis. E o show de uma banda de rock abre o culto.

"O visual é uma expressão do que nós somos", explica o reverendo Sandro Baggio, 41, fundador da igreja, referindo-se tanto aos piercings dos fiéis quanto às mensagens de visual moderno exibidas no telão. "Decidimos andar juntos em uma comunidade cristã porque não nos encaixávamos em nenhum outro lugar."

Oferecer um espaço religioso sob medida para jovens que professam a fé cristã, mas fogem do estereótipo certinho do crente, é o diferencial da igreja dos modernos.

É uma maneira pragmática de olhar a questão religiosa. "Cria-se um ambiente de comunhão, no qual esses jovens não se sentem estranhos", explica o filósofo Eulálio Figueira, professor do Departamento de Ciências da Religião da PUC-SP. "Se eu vou a um lugar e me sinto bem, vou seguir frequentando."

Os jovens urbanos, mais ligados à arte, podem se sentir peixes fora d'água em cultos em que seu estilo de vida é demonizado. "As igrejas convencionais e suas grandes assembleias já não atendem a determinadas parcelas da população", afirma o filósofo. Daí, a organização de grupos religiosos menores e ao gosto do freguês.

Culto revolucionário
Quando questionados sobre como chegaram ao projeto, que atualmente conta com cerca de 150 fiéis, muitos dos frequentadores citam amigos ou parentes em comum.

Como é usual em igrejas emergentes, os membros do 242 também são estimulados a criar: durante o culto ao qual a Revista compareceu, por exemplo, o artista plástico Anderson Augusto, 26, o SAO, pintou um quadro abstrato que intitulou de "O Revolucionário". "Vou trabalhando de acordo com o que está rolando na pregação."

A roupagem moderna parece não entrar em choque com valores como transar só depois do casamento e apenas com uma pessoa do sexo oposto. "Casei virgem, com o meu primeiro namorado", diz Ester de Souza Ganev, 22, mulher de Jota, com quem tem um filho de dois anos, Zion.

"O projeto atrai os jovens, mas muita gente não permanece", reconhece Ester, que é de família evangélica e passou a ir ao 242 com 17 anos. "A Bíblia não é muito confortável. Quando a pessoa vê que precisa mudar, acaba não ficando."

A doutrina seguida por Ester não faz a clássica divisão entre o sagrado e o mundano. É difícil imaginar que outra igreja Claudio Tiberius, 43, editor de imagens que ajudou a fundar o projeto, poderia frequentar: roqueiro, dreadlocks nos cabelos e alargadores nas orelhas, ele tem uma banda que não está relacionada com religião. "Agora, estou compondo e gravando com a Eucatastrofe", afirma ele, que durante os anos 1990 fez parte da banda de metal Krisiun.

À sua imagem e semelhança
Há diversas denominações no Brasil voltadas para as tribos urbanas, como emos, góticos e metaleiros, entre outros.

Já existe inclusive uma organização cristã, a Tribal Generation, que ensina, por meio de cursos, a administrar e a organizar igrejas. "Temos a obrigação bíblica de enxergar o coração, seja de um surfista, seja de um pagodeiro", explica o produtor Ronei Soriani Junior, 32, um dos colaboradores na capital paulista dessa organização, cuja sede fica em Uberlândia, Minas Gerais.

A Tribal ajudou a criar denominações como a Manifesto, de Uberlândia, formada por "head-bangers" (fãs de heavy metal), a Ministro Milícia, de Vitória, com um público hardcore e punk, e, em Palmas, a Comunidade Zoe, de metaleiros. "A Tribal é uma facilitadora que agrega ferramentas para ajudar grupos que querem encontrar Jesus, como, por exemplo, um emo que está lá no canto dele chorando e que quer Deus", diz Ronei.

Sem preconceitos, o Sexxx Church, também em nome da inclusão, está prestes a cometer uma heresia, do ponto de vista dos cristãos tradicionais: quer imprimir Bíblias, que serão doadas, com uma capa imitando a folha de um caderno de brochura e com listras da bandeira GLS, com a figura de Cristo de óculos escuros e tatuagem.

Mais: estuda, em 2009, alugar uma noite em uma casa noturna na Augusta, a rua dos prostíbulos e inferninhos da capital, para produzir uma festa. "A ideia é que seja uma balada normal, não-cristã, tocando música eletrônica, com bandas", explica Jota, da 242.

Nos últimos dez minutos, os baladeiros crentes farão uma preleção sobre um Cristo criativo. "O Jesus do 'Dogma' [filme de Kevin Smith, no qual Cristo aparece sorrindo e fazendo sinal de positivo]", emenda o cristão pós-moderno, para choque de muitos e curiosidade de tantos outros.
Fonte: Revista da Folha, http://www1.folha.uol.com.br/revista/rf1101200905.htm

EVANGELISTA/RJ/MSN
administrador
administrador

Número de Mensagens : 6000
flag : Brasil
Data de inscrição : 14/04/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Neocrentes utilizam rock e gírias para dar roupa nova à fé

Mensagem por M4RC3LL em Dom 11 Jan 2009, 2:50 pm

É o povo seguindo a Deus de acordo com a sua vontade e não da vontade de Deus.


Alguém aí conhece a banda Demon Hunter?

Uma banda que apresenta imagens de bodes em seus encartes e, por incrível que pareça, são cristãos.

http://www.demonhunter.net/


"Então me achei recém-nascido e no Paraíso. Todas as Escrituras tinham para mim outro aspecto; perscrutava-as para ver tudo quanto ensinam sobre a ‘justiça de Deus'. Antes, estas palavras eram-me detestáveis; agora as recebo com o mais intenso amor. A passagem me servia como a porta do Paraíso." (Martinho Lutero)

M4RC3LL
Pérola
Pérola

Número de Mensagens : 405
Idade : 28
Localização : Cariacica/ES
flag : Brasil
Data de inscrição : 11/05/2008

http://protestantismo.ieadcg.com.br

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Neocrentes utilizam rock e gírias para dar roupa nova à fé

Mensagem por Iane em Dom 11 Jan 2009, 11:24 pm

pois é...
parece que as pessoas tem medo de falar a verdade...
omitem pra ganhar a simpatia do povo....

depois qdo forem cobrados, quero ver...
alias nem quero ver


" Quero ser eu, com minha cara azeda e absurdamente açucarada."

Iane
Sirius
Sirius

Número de Mensagens : 3050
Idade : 29
Localização : InterioRRRRRRR de SP
flag : Brasil
Data de inscrição : 23/10/2008

http://www.arcauniversal.com.br

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Neocrentes utilizam rock e gírias para dar roupa nova à fé

Mensagem por Conteúdo patrocinado Hoje à(s) 12:27 am


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum