.....................................................
Que bom que você entrou Convidado
Últimos assuntos
» O que é idolatria?
Ontem à(s) 5:08 pm por Arcolino Neto

» Noticiário Escatológico
Seg 23 Abr 2018, 11:52 pm por Jarbas

» O que você está ouvindo agora?
Sab 21 Abr 2018, 8:09 am por rbarros

» Poesias desperdiçadas ao vento
Sex 20 Abr 2018, 1:12 pm por thynno

» É Lula lá...
Qui 19 Abr 2018, 4:27 pm por Cartman

» Consequências da Reeleição
Ter 17 Abr 2018, 6:42 pm por Cartman

» Jesus está às portas
Sex 13 Abr 2018, 2:09 am por Jarbas

» Igreja Católica Brasileira: doutrina e história
Seg 02 Abr 2018, 12:45 pm por thynno

» Não ameis o mundo...
Ter 27 Mar 2018, 12:26 pm por thynno

Consulta Bíblica
Ex: fé - Ex: Gn 1:1-10


IGREJAS E RELIGIÕES

Ir em baixo

b?blia IGREJAS E RELIGIÕES

Mensagem por thynno em Qua 22 Nov 2017, 2:50 pm

Sabemos que uma guerra nunca difere tano das demais, apenas fazendo diferença épocas, armas e proporções. Mas sabemos que algumas peculiaridades se mantém idênticas. Neste sentido, Sun Tzu criou o livro "arte da guerra", onde descreve fielmente os passos tomados por lideres durante uma situação ou clima de guerra. Uma destas situações é a ameaça de guerra iminente, onde Sun Tzu orienta que sendo inevitável o confronto, melhor que se dê em campo oposto.

Não sendo uma redação acusatória contra quaisquer religião, andei pensativo sobre o assunto "GUERRA ESPIRITUAL", onde questiono se, onde há guerra, o mal irá desejar afetar justamente o campo oposto, se infiltrando e buscando o declínio do bem. Notamos assim que quaisquer religião do mundo pode ser usada pelo mal para se atingir o objetivo de desvirtuar pessoas de modo camuflado, como se estivesse inovando para o bem da humanidade, mas na verdade fazendo como que pessoas tolerem o intolerável.

Penso naquela passagem de cristo em que ele, expulsando espíritos imundos foi acusado de estar possuído por Belzebu e estar praticando milagres por meio do próprio Belzebu, e ele perguntou porque o Belzebu expulsaria o seu próprio exército. De outra banda, lembro de lideres religiosos exóticos e que praticaram a liderança usando, não de praticas condizentes com a própria religião, mas com os próprios interesses.

Lembrei da passagem de Mateus 7:

21. "Nem todo aquele que me diz: ‘Senhor, Senhor’, entrará no Reino dos céus, mas apenas aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus.

22. Muitos me dirão naquele dia: ‘Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? Em teu nome não expulsamos demônios e não realizamos muitos milagres? ’

23. Então eu lhes direi claramente: ‘Nunca os conheci. Afastem-se de mim vocês, que praticam o mal! ’ "

Então pensei:

Será que estes não são justamente os que levarão muitos à perdição achando que estarão sendo salvos? Será que o espírito maligno não está trabalhando justamente no campo das igrejas , se fazendo de santos, mentindo, forjando milagres, sendo lobos devoradores de dízimos e de almas, lotando ministérios de pessoas desprovidas de moral no único intuito de satisfação pessoal?

Então pensei novamente de Mateus 7:

13. "Entrem pela porta estreita, pois larga é a porta e amplo o caminho que leva à perdição, e são muitos os que entram por ela.

14. Como é estreita a porta, e apertado o caminho que leva à vida! São poucos os que a encontram".

15. "Cuidado com os falsos profetas. Eles vêm a vocês vestidos de peles de ovelhas, mas por dentro são lobos devoradores.

Assim entendi que existem falsos profetas, que abrirão largas portas, e mentirão ao mundo, e muitos a seguirão. Mas existe uma porta... Não uma porta aberta por homens, não uma porta de templo de pedra, mas de um lugar onde o inimigo pode não ter espaço para lutar se soubermos lidar com os moradores deste lugar. Então me lembrei de uma passagem do Apocalípse:

“Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo,” Ap 3.20

Seria a porta do coração a porta estreita?

Os Hebreus falam muito em porta do arrependimento. Uma porta na consciência onde o arrependimento verdadeiro se coaduna com o reconhecimento do erro, sendo eficaz para o não mais cometimento. Ou seja, o reconhecimento de que perante Deus se pecou, e que este pecado não mais será praticado, devido ao estado de consciência de que é errado. Quando a consciência é leva ao arrependimento verdadeiro, o mal não mais encontra espaço para desviar a pessoa de libertar-se do pecado.

Assim, hoje, o maligno faria inúmeras seitas com a intenção de fazer lideres religiosos se aproveitarem da necessidade e carência do povo, apenas para mentir e roubar, afastando o povo de buscar conhecer pessoalmente o que está escrito nos livros de inúmeras religiões.

Por outro lado, quando uma liderança não religiosa enfrenta grupos religiosos e tenta desvirtuar os membros de determinada igreja, ele ataca as escrituras e a crença daquela religião, e não a igreja em sí. Ataca o que está escrito, ou seja, o que fundamenta a existência de igrejas e a obediência das pessoas. Seria o outro trabalho do maligno, pois assim consegue minar tanto os membros das igrejas, quanto as pessoas que poderiam aderir a alguma religião.

É como atacar a fé.

Assim gostaria de ver desenvolvido o tema acerca dos trechos destacados em Mateus e no Apocalipse sobre esta guerra espiritual.
avatar
thynno
Pérola
Pérola

Número de Mensagens : 246
flag : Brasil
Data de inscrição : 26/06/2017

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum